terça-feira, 28 de novembro de 2006

Dezembro se avizinha...

... e, com ele, o Natal e o tão esperado décimo terceiro salário (o comércio que o diga). Assim, por que não aproveitar o embalo e fazer um upgrade no seu sistema computacional? Afinal, se a falta de fôlego do seu PC velho de guerra vem incomodando, o mercado está repleto de novidades.
Até aí, nada contra (antes pelo contrário), mas é preciso ficar atento para não trocar seis por meia dúzia, porque os computadores estão e fase de transição. Novas tecnologias como o SATA (interface serial para discos rígidos), o barramento PCI Express (bem superior ao PCI tradicional em velocidade e eficiência) e os processadores de dois núcleos, apenas para citar algumas, talvez não estejam presentes naquelas “ofertas imperdíveis” apregoadas em altos brados pelos fabricantes, revendedores e integradores independentes de PCs.
Aliás, convém avaliar cuidadosamente aquela máquina em promoção no hipermercado da esquina – que você pode pagar em até 12 vezes sem juros com qualquer cartão de crédito. Para o usuário comum, nem sempre é fácil sopesar todos os prós e contras, especialmente quando a coisa desce a detalhes como marca e modelo da placa-mãe e chipset, recursos on-board, pinagem (soquete) do processador e outras sutilezas. Entretanto, você pode (e deve) esclarecer todas as suas dúvidas com o vendedor, que está capacitado a lhe prestar todas as informações necessárias – eles recebem treinamento nesse sentido, ainda que alguns confundam CPU (processador) com o gabinete do PC e chamem o disco rígido de “driver de HD” (driver é um programinha de baixo nível).
Procure escolher um PC adequado às suas necessidades e possibilidades, mas não perca da vista uma configuração relativamente atualizada, que lhe assegure a possibilidade upgrades posteriores. Para isso, a placa de sistema deve contar com slots livres para novas placas de expansão e módulos de memória. E por falar em memória, fuja de máquinas com menos de 1 GB de RAM, mesmo se do padrão DDR (Windows XP com 256 MB de memória, como é comum encontrarmos em PCs de entrada de linha, nem pensar).
No que diz respeito ao disco rígido, escolha o maior tamanho que o seu dinheiro puder comprar (preferencialmente modelos PATA, que são mais eficientes e usam cabos mais finos, proporcionando melhor circulação de ar e refrigeração interna do gabinete). Hoje em dia, um HD de 80 GB é considerado apenas aceitável (drives de 160 ou 180 GB não custam muito mais caro), mas muitos PCs baratos ainda vêm com HDs de 40 GB. Mesmo que espaço em disco não seja um aspecto prioritário para você, discos maiores são geralmente mais rápidos (tanto na rotação quanto na taxa de transferência de dados).
Leitora de CDs é coisa do passado. O mínimo que você deve aceitar é um gravador de CD (ou um Combo, misto de Leitora de DVD e gravador de CD), caso não possa partir para um gravador de DVD (mesmo para quem não pretende gravar filmes, esse recurso ajuda muito na hora de fazer backups de grandes volumes de dados).
Monitores CRT também estão em decadência senil; se puder, opte por uma tela LCD (cristal líquido) de 17 polegadas, preferencialmente com conexões digitais através de portas DVI. O investimento vale a pena.
Preste muita atenção no sistema operacional. Em alguns casos, você receberá sua máquina com uma distribuição Linux ou uma versão FreeDos pré-instalada, e verá sua economia evaporar quando for comprar uma cópia legítima do XP (nada contra esses sistemas, evidentemente, mas a maioria dos usuários está habituada com o Windows e às vezes não se dá bem com essas “novidades”).
Falando em Windows, se a idéia é voar mais alto e comprar um PC já “preparado” para o Vista, prefira uma configuração adequada à versão Premium – que oferece um pacote mais completo de funcionalidades – e não ao Vista Home Basic. Outro ponto importante a ser levado em consideração, nesse caso, é a falta de suporte a hardware e equipamentos legados (então, confira primeiro se os fabricantes da sua impressora, scanner e outros periféricos tencionam oferecer drivers compatíveis, ou você será obrigado a modernizar todo o seu equipamento).
Seja como for, não custa repetir que o XP ainda tem muita lenha para queimar – não fosse assim, a Microsoft não estaria desenvolvendo o Service Pack 3, que deverá ser disponibilizado no final do ano que vem ou no começo de 2008.
Bom dia a todos.
Postar um comentário