sábado, 30 de dezembro de 2006

Mais informações sobre o Registro

Embora eu já tenha dado uma ideia geral sobre o que é e como funciona o Registro do Windows, não poderia deixar de atender ao simpático pedido da Renata - e de fazê-lo em aberto, porque um assunto dessa importância merece mais que um simples comentário, sem mencionar que o tema pode interessar também aos demais visitantes, especialmente àqueles que se aventurarem a fazer edições manuais nos seus sistemas para pôr em prática algumas das dicas apresentadas aqui no Blog.
A importância do Registro do Windows só é menor do que o temor reverencial que ele inspira em muitos usuários – para alguns, ele chega a ser visto como a edição moderna da mitológica Caixa de Pandora (Pandora – a primeira mulher na mitologia Helênica – foi a responsável pela vinda do Mal sobre a terra, porque teria aberto a caixa em que Zeus havia encerrado todas as misérias e males, mas isso não vem ao caso, agora).
Alguns autores comparam o Registro do Windows à nossa espinha dorsal, visto que qualquer acidente pode deixar sequelas, paralisar ou até mesmo ter conseqüências fatais para o sistema. E não há exagero algum nisso.
Basicamente, o Registro é um repositório que armazena inúmeras informações sobre o hardware e os softwares instalados no computador, os perfis de cada usuário e diversas configurações de propriedades que o programa consulta continuamente. Toda inicialização (Boot) é precedida da verificação desses parâmetros, e qualquer falha pode inviabilizar a conclusão do processo e gerar inúmeros transtornos, mesmo para usuários avançados.
Como o Registro – e as informações nele contidas – não pode ser visualizado ou manipulado diretamente pela interface gráfica do sistema, sua existência passa despercebida para muita gente. Quando não, a recomendação de praxe costuma ser “não mexer em nada sob pena de danificar irremediavelmente o sistema operacional”. Mas isso é apenas uma "meia-verdade", já que, no âmbito do software, tudo é reversível. Na pior das hipóteses, você será obrigado a reinstalar o Windows e arcar com os indesejáveis efeitos colaterais desse processo (especialmente se não cultiva o hábito saudável de manter backups atualizados dos seus dados mais importantes).
Sempre que implementamos determinadas configurações, instalamos ou removemos programas e drivers - ou simplesmente quando ligamos o computador - podem ocorrer modificações no Registro, que é uma base de dados dinâmica. Entretanto, essas alterações são feitas geralmente via interface do sistema - ou pelo o próprio programa que instalamos (ele se encarrega automaticamente dos ajustes necessários). Editar o Registro manualmente não é um procedimento indicado para iniciantes; uma alteração imprópria pode resultar em instabilidade no funcionamento de certos programas ou do computador como um todo. Mas há casos em que não existe alternativa, seja para solucionar problemas específicos, seja para evitar que eles aconteçam (atire o primeiro mouse quem nunca teve o PC “reconfigurado” pelo filho, sobrinho ou irmãozinho da namorada, justamente quando tinha um trabalho urgente para concluir).
A Microsoft reconhece a necessidade de incursões eventuais pelo Registro - ou não disponibilizaria o Regedit (recurso que permite visualizar e editar seus dados) - mas se exime expressamente de qualquer responsabilidade por eventuais danos decorrentes da utilização inapropriada ou mal sucedida do programa. Aliás, o Regedit nem sequer tem uma entrada no menu Iniciar ou um ícone no Painel de Controle, ficando evidente o propósito da empresa em dificultar o acesso a usuários menos experientes.
Ainda assim, com alguma noção sobre o assunto e a necessária cautela, você poderá interagir com esse componente para prevenir e solucionar problemas comuns sem criar outros mais, até porque determinadas situações nem sempre são facilmente reversíveis. O REGEDIT é uma ferramenta avançada para exibir e alterar as configurações do Registro. Para abrir o programa, clicamos em Iniciar > Executar, digitamos “regedit” (sem as aspas) e clicamos em OK.
Na porção à esquerda da tela que se abre — uma janela parecida com a do Windows Explorer —, vemos as pastas e subpastas, e, do lado direito, o seu respectivo conteúdo. Da mesma forma como no Explorer, cada pasta pode ser expandida pelo sinal de mais (+) próximo a ela, situação em que esse sinal muda para menos (-).
O Registro é formado por chaves, subchaves, seções e entradas de valores organizadas de forma hierárquica. Num PC típico, há milhares delas agrupadas em blocos maiores que formam as cinco chaves principais no Windows XP (nas versões 9x/ME elas eram seis), todas iniciadas por HKEY (key significa “chave”, em inglês, mas o H é controverso: alguns autores o associam a Hive – colmeia – enquanto outros sugerem Handle – uma construção de programação utilizada para acessar objetos do Windows).
Vejamos as principais características das duas chaves mais importantes:

1. HKEY_CURRENT_USER — Esta chave é um atalho, ou seja, não existe fisicamente, mas aponta para outra área do Registro: a chave do usuário ativo (logado no sistema), que armazena informações personalizadas desse usuário (configurações de pastas, de cores de tela e do Painel de Controle, denominadas “perfil do usuário”). O Windows XP permite a criação de várias contas de usuário (mas exige que seja criada pelo menos uma), que terão suas configurações armazenadas nessa chave do Registro. Toda vez que o PC é inicializado, o sistema solicita o login e a senha para carregar as configurações pessoais daquele usuário específico.2.

2. HKEY_LOCAL_MACHINE — Esta chave contém informações de configurações específicas do computador (para qualquer usuário) e armazena a maior parte das configurações do sistema: programas instalados, toda a configuração de hardware, configurações de segurança etc. Esta é, sem dúvida alguma, a chave mais importante do Registro.

Não custa reforçar, mais uma vez, que a manipulação do Registro envolve arquivos vitais ao funcionamento do computador. Um usuário avançado pode se valer desse expediente para resolver problemas, eliminar chaves inválidas, entradas incorretas e prevenir modificações indesejadas. Mas você não deve alterar nada se não tiver certeza do que está fazendo.
Antes de iniciar os procedimentos para a alteração do Registro, crie sempre um ponto de restauração do sistema e faça backup das chaves envolvidas na modificação.
Espero que essas informações e recomendações sejam suficientes para os fins a que se destinam. Abraços, um Feliz Ano Novo a todos e até amanhã.
Postar um comentário