terça-feira, 18 de agosto de 2009

Revisitando o SPAM (conclusão)

Dando sequência ao assunto iniciado na postagem de ontem, veremos a seguir algumas dicas práticas para coibir o spam e o scam, mas não sem antes salientar que é praticamente impossível resolver de vez esse problema, até porque, da mesma forma como as pessoas compram CDs e DVDs piratas, também há quem compre produtos oferecidos por e-mails comerciais indesejados (pesquisas dão conta de que 8% dos internautas norte-americanos que recebem spams compram os produtos anunciados - notadamente o medicamento Viagra, que custa entre 10 e 15 dólares nos Estados Unidos, mas sai por apenas 2 dólares em países onde a patente de seu princípio ativo expirou).

1- Seja criterioso ao preencher formulários e evite cadastrar seu endereço eletrônico em sites duvidosos. Preserve suas informações confidenciais (como endereços de e-mail, dados pessoais e, principalmente, cadastrais de bancos, cartões de crédito e senhas).
2- Se estiver em um site que não lhe inspire confiança, crie um e-mail temporário apenas para este cadastro - o site http://www.10minutemail.com/ permite criar um endereço gratuito válido por 10 minutos (prorrogáveis por mais dez). Alternativamente, utilize o BugMeNot (mais detalhes na postagem de amanhã).

3- Habitue-se a usar endereços diferentes para assuntos pessoais, de trabalho, compras on-line e cadastros em sites em geral, bem como a não interagir ou responder e-mails de cuja procedência você desconfiar. O ideal é reportar a mensagem indesejada como spam, mesmo se a oferta for de seu interesse (a maioria dos provedores disponibiliza um link para reportar spams).

4- Configure os recursos anti-spam oferecidos pelo seu provedor e inclua em seu catálogo de endereços os contatos com quem você mantém relacionamento (assim, o provedor não classificará essas mensagens como spam, permitindo que você crie regras mais fortes contra mensagens indesejadas). Adicionalmente, baixe e instale um software anti-spam para robustecer seu arsenal de segurança (o firewall pode protegê-lo de programas destinados a descobrir vulnerabilidades em sua máquina para permitir que pessoas não autorizadas a acessem remotamente; o antivírus pode detectar códigos maliciosos que chegam por e-mail, programas de mensagens instantâneas, P2P, ou que são baixados de webpages, e o anti-spam pode identificar mensagens maliciosas através de suas características, palavras-chave, etc).

5- Evite visitar sites sugeridos em e-mails suspeitos. Em caso de dúvida sobre a validade da mensagem, pesquise o remetente e a ferramenta utilizada para o envio - para isso, pouse o cursor no link que sugere a exclusão da mensagem para verificar a URL da ferramenta de envio, ou clique com o botão direito do mouse sobre o link e selecione "propriedades" (você pode ainda pode verificar a quem pertence o domínio pesquisando-o no site http://www.registro.br/).

6- Tome especial cuidado com e-mails ou mensagens instantâneas cujos textos procurem atrair sua atenção por curiosidade, caridade ou perspectiva de alguma vantagem financeira, e ao se dar conta de ter clicado num link malicioso, saia do site, feche o navegador, atualize o antivírus e execute uma varredura completa (vale também checar o sistema com algum serviço on-line como o Housecall, o Live OneCare ou o Security Check, por exemplo).

7- Reze.

Boa sorte a todos e até mais ler.
Postar um comentário