terça-feira, 6 de outubro de 2009

De volta ao Gerenciador de Tarefas...

Nosso leitor habitual já sabe que, no XP, o atalho “Ctrl+Alt+Del” convoca o Gerenciador de Tarefas do Windows– e antes de alguém resolver “pegar no meu pé” dizendo que esse assunto já foi focado em outras oportunidades, a audiência aqui do Blog é “rotativa”, e eu suponho que poucos visitantes leram todas as mais de 800 postagens já publicadas. Assim, não custa relembrar que a aba “Aplicativos” desse Gerenciador, que permite visualizar os programas em execução e seu respectivo status (com os botões “Finalizar tarefa” e “Alternar para nova tarefa”, você pode interagir com os aplicativos, sendo o primeiro particularmente útil na hora de encerrar programas que não estejam respondendo); que a aba "Processos" lista os processos e serviços que rodam em segundo plano (para configurar as colunas – uso da memória e CPU, falhas de páginas, contagem de identificadores e demais parâmetros –, basta clicar em "Exibir >Selecionar colunas..." e fazer os ajustes desejados); e que é possível reduzir a prioridade de tarefas pesadas e minimizar seu impacto no desempenho do sistema clicando em "CPU", dando um clique direito sobre o processo que está monopolizando o processador, escolhendo a opção "Definir prioridade" e mudando-a de “Normal” para “Abaixo da normal”.
Como os processos e serviços são listados pelo nome de seus respectivos executáveis, nem sempre é fácil saber a que eles se referem ou se realmente deveriam estar ali. Claro que você pode pesquisar no Google ou ir diretamente a sites como www.liutilities.com/products/wintaskspro/processlibrary/, por exemplo, ou ainda instalar programinhas como o ProcessQuickLink ou o Process Explorer (que a gente já analisou em outras postagens); uma mão na roda na hora de conferir se aqueles nomes estranhos remetem a processos legítimos ou maliciosos (vírus, trojans, spywares, etc.).
Outro freeware muito interessante, que faz basicamente a mesma coisa, é o YAPM – disponível em http://sourceforge.net/projects/yaprocmon/), que foi sugerido na edição deste mês da Revista INFO, da Ed. Abril.

Depois de instalar a ferramenta, basta clicar nos processos para obter diversas informações sobre eles – ou pesquisar na Web o nome do programa a que se referem os itens desconhecidos.
E no caso de você não conseguir apagar um arquivo “rebelde”, é só passar à guia “FILE”, selecionar o teimoso em questão e clicar em “RELEASE” para liberar sua exclusão.
Bom dia a todos e até mais ler.
Postar um comentário