terça-feira, 6 de abril de 2010

De volta aos arquivos duplicados

Em que pese o crescimento exponencial do espaço dos HDs nos últimos anos, é preciso não confundir a possibilidade de armazenar mais dados com bagunça generalizada, de modo que uma faxina geral, de vez em quando, continua sendo essencial para manter a saúde do sistema.
Sem embargo das diversas sugestões apresentadas a propósito (limpeza do disco, compactação dos arquivos, eliminação de pontos de restauração do Windows, desfragmentação dos dados, etc.), não custa lembrar que os arquivos duplicados ocupam um bocado de espaço, já que eles podem ser criados automaticante tanto pelo sistema quanto por certos aplicativos – e até mesmo pelo próprio usuário: um exemplo disso é quando você baixa uma imagem BMP para seu computador, edita-a e salva com extensão JPG (para publicá-la na Web) e acaba se esquecendo de apagar o arquivo original.
O grande problema, no entanto, é que vasculhar o disco com auxílio do menu Pesquisar é um trabalho insano, pois arquivos idênticos podem ter sido salvos como nomes e/ou extensões diferentes, e aí a porca torce o rabo. Então, inobstante o que já sugerimos em outras postagens, notadamente na de 15.01.09 , quem instalou o WinUtilities (assunto do post anterior) conta agora com um eficiente localizador de arquivos duplicados. Basta clicar na aba MÓDULOS e escolher a opção correspondente, em FILES & FOLDERS.
Note, porém, que embora essa ferramenta (e outras similares) facilite a LOCALIZAÇÃO das redundâncias, selecionar as cópias inúteis, que devem ser mandadas para o lixo, é uma providência que fica sob responsabilidade do usuário. Tome muito cuidado para não excluir backups, por exemplo, ou importantes arquivos do sistema que, em certos casos, precisam manter cópias em dois ou mais diretórios distintos.
Até mais ler.
Postar um comentário