terça-feira, 17 de agosto de 2010

Registro do Windows e Ferramentas de Tweak

Embora seja um sistema altamente personalizável, os ajustes disponibilizados pela interface padrão do Windows representem apenas “a parte visível do iceberg” – a porção oculta, muito maior, está embuçada nos meandros do Registro. Para quem ainda não sabe, o Registro é um repositório dinâmico de dados que armazena uma vasta gama de informações, do hardware e os softwares instalados ao perfil de cada usuário. Toda inicialização é precedida pela verificação desses parâmetros e qualquer falha pode inviabilizar a conclusão do processo e gerar inúmeros transtornos (de uma simples instabilidade à paralisação total do sistema).
Sempre que fazemos qualquer ajuste no Windows – trocamos o plano de fundo, alteramos as propriedades da Barra de tarefas, instalamos novos aplicativos, e daí por diante – estamos promovendo alterações no Registro, ainda que não nos demos conta disso. Em alguns casos, todavia, pode ser preciso editar o Registro manualmente, como a própria Microsoft reconhece, já que no sistema um Editor dedicado (embora não lhe disponibilize um atalho no Menu Iniciar nem um miniaplicativo no Painel de Controle e se exima expressamente de qualquer responsabilidade por danos decorrentes do uso inadequado dessa ferramenta).
Dicas para modificar a aparência e/ou comportamento do Windows mediante a edição do Registro pululam na Web, mas convém tomar muito cuidado ao segui-las: conforme já dissemos, alterações inapropriadas ou mal sucedidas na “espinha dorsal” do sistema podem trazer sérios problemas. Para usuários avançados, o “regedit” é um parque de diversões, mas, para os menos experientes, ele pode se tornar a reencarnação da mitológica CAIXA DE PANDORA. Claro que, no âmbito do software, tudo é reversível; na pior das hipóteses, basta você reinstalar o Windows para recolocar o bonde nos trilhos.
Para convocar o Editor do Registro, clique em Iniciar > Executar, digite “regedit” (sem as aspas) e tecle Enter (ou clique em OK, tanto faz). A tela que se abre em seguida — uma janela parecida com a do Windows Explorer — exibe pastas e subpastas à esquerda e seus respectivos conteúdos à direita (da mesma forma como no Explorer, as pastas podem ser expandidas ou encolhidas pelos sinais de adição e subtração contíguos a elas).
O Registro é formado por chaves, subchaves, seções e entradas de valores organizadas de forma hierárquica. Num PC típico, há milhares delas agrupadas em blocos maiores, que formam as cinco chaves principais, todas iniciadas por HKEY (key significa “chave”, em inglês, mas o H é controverso: alguns autores o associam a Hive – colméia – enquanto outros sugerem Handle – uma construção de programação utilizada para acessar objetos do Windows).
Para economizar tempo, espaço e a paciência do leitor, veremos a seguir somente as principais características das duas chaves mais importantes:

1. HKEY_CURRENT_USER — Esta chave é um atalho, ou seja, ela não existe fisicamente, mas aponta para a chave do usuário ativo (logado no sistema), que armazena informações personalizadas desse usuário (configurações de pastas, de cores de tela e do Painel de Controle, denominadas “perfil do usuário”). Toda vez que o PC é inicializado, o sistema solicita o login e a senha para carregar as configurações pessoais desse usuário específico.

2. HKEY_LOCAL_MACHINE — Esta chave contém informações específicas do computador (para qualquer usuário) e armazena a maior parte das configurações do sistema: programas instalados, toda a configuração de hardware, política de segurança etc. Esta é, sem dúvida alguma, a chave mais importante do Registro.

Amanhã a gente continua.
Abraços e até lá.
Postar um comentário