quinta-feira, 7 de julho de 2011

Registro, limpeza e otimização (conclusão).

Para concluir esta seqüência de postagens, vale lembrar que o backup do Registro pode ser feito a partir do respectivo Editor, bastando para isso clicar em Iniciar > Executar, digitar regedit na caixa respectiva, teclar Enter e, na tela do Editor, abrir o menu Arquivo, selecionar a chave desejada, clicar em Exportar e definir o Desktop (ou outro local de fácil acesso) para salvar o arquivo *.REG.

Observação: O Registro do XP é composto por 5 chaves principais (nas versões 9x/ME, elas eram seis) cujos nomes são iniciados por HKEY – “key” significa “chave”, mas o “h” é controverso: alguns autores o associam a “hive” (colméia), enquanto outros sugerem “handle” (que remete a uma construção de programação utilizada para acessar objetos no Windows). Na porção à esquerda da tela do Editor — uma janela parecida com a do Windows Explorer —, são exibidas as pastas e subpastas organizadas de forma hierárquica, e à direita, seu respectivo conteúdo. Da mesma forma como no Explorer, cada pasta pode ser expandida pelo sinal de mais (+) ou contraída pelo sinal de menos (-), conforme a situação em que é exibida.

Entretanto, esse procedimento funciona melhor com chaves individuais; para backups totais, o melhor é usar programinhas como o ERUNT– que tanto cria cópias automaticamente quanto permite que você o faça manualmente (em qualquer caso, elas serão armazenadas por padrão em C:\Windows\ERDNT, a partir de onde você deverá restaurá-las, se e quando isso se fizer necessário). Então, sempre que você fizer uma edição manual no Registro (como as que a gente sugeriu no post http://fernandomelis.blogspot.com/2011/06/prognosticos-e-outros-que-tais.html, por exemplo), selecione antes a chave que será envolvida e crie um backup. Caso não fique satisfeito com o resultado e não se lembre do caminho que percorreu para implementar as modificações, dê duplo clique no arquivo de backup e reinicie o computador (vale lembrar que, nesse caso, as alterações serão desfeitas, mas eventuais chaves e/ou entradas de valores que você criou manualmente não serão apagadas).
Resumo da ópera: a Restauração do Sistema copia todos os arquivos do Windows e dos aplicativos instalados, além de drivers e diversas outras configurações. Em tese, isso propicia uma reversão mais eficaz, mas resulta em backups volumosos e, por vezes, interdependentes. Além disso, os pontos mais antigos são apagados quando não há espaço para armazenar os mais recentes, o que pode fazer a ferramenta não funcionar adequadamente.

Observação: Se você se deparar com problemas dessa natureza, tente primeiramente escolher outro ponto de restauração; se não resolver – ou se o Windows não for capaz de inicializar – experimente rodar a ferramenta no modo de segurança: dê o boot e, logo após a contagem de memória, pressione a tecla F8 várias vezes; quando a tela de opções for exibida, escolha “Modo seguro” e então faça uma nova tentativa. Se nem assim funcionar, digite c:\windows\system32\restore\rstrui.exe, pressione Enter e siga as instruções exibidas na tela.  

Já os backups do Registro geram arquivos menores, mas suficientes para você reverter seu sistema a um estado anterior. Criando-os com o ERUNT, eles não só serão autônomos e independentes – minimizando o risco de falhas – como também ocuparão menos espaço no disco (e poderão ser apagados individualmente a qualquer momento). No mais, não custa lembrar que todos os discos de instalação do Windows a partir da versão XP funcionam como discos de boot. Se você inserir a mídia na gavetinha, reconfigurar a ordem de inicialização pelo setup, aguardar o programa de instalação identificar uma versão do sistema já instalada e escolher a opção “Reparar esta instalação”, poderá solucionar um vasto leque de problemas sem formatar o HD e reinstalar o sistema a partir do zero.
Boa sorte a todos e até mais ler.
Postar um comentário