terça-feira, 3 de abril de 2012

IPADs, TABLETs, SEGURANÇA e outros que tais...


Não faz muito tempo, os Notebooks serviam tanto para substituir o PC de mesa quanto para prover portabilidade e conectividade a quem realmente precisasse desses recursos; o que variava era apenas a configuração. Mais adiante, vieram os Netbooks e, há cerca de um ano – depois que a Apple lançou o iPad –, os Tablets começaram a vender feito pão quente – e não pararam mais.
Embora os Ultrabooks prometam abocanhar uma gorda fatia do mercado de portáteis baseados em processadores da família Intel Core (mais detalhes no post do último dia 29), isso não significa que as demais opções estejam com os dias contados, até porque cada usuário/consumidor tem necessidades, preferências e possibilidades. Caso você esteja pensando em adquirir um Tablet, não faltam opções com recursos para todo gosto e preços para todo bolso – a maioria com sistema operacional Android, que equipa também boa parte dos Smartphones disponíveis no mercado (isso deve mudar com a chegada do Windows8, mas aí já é outra história e fica para outra vez). Ao escolher seu aparelho, não jogue dinheiro fora com recursos que você jamais irá utilizar, mas privilegie um modelo que disponibilize conexão Wi-Fi, tela de 9” ou maior, slots para cartões de memória, portas USB e saída HDMI, e lembre-se de que a versão do Android deve ser 2.3 ou superior.

Observação: Portabilidade e mobilidade priorizam a comodidade em detrimento da segurança, tornando os Tablets e Smartphones mais vulneráveis que os computadores convencionais (para mais detalhes, clique aqui e aqui). Em menos de três anos, o número de malwares catalogados cresceram de 516 para mais de 4000 – no Android, talvez por tratar-se de uma plataforma aberta, onde os aplicativos têm um controle de qualidade menos rígido do que os da Apple Store, o número de ameaças aumentou 421% em apenas seis meses.

A principal “brecha de segurança” nesses aparelhos está nos apps (aplicativos), que surgiram com a primeira versão do iPhone e hoje são amplamente distribuídos pelas “app stores” de praticamente todas as plataformas. Além de investir em ferramentas de proteção (confira as opções disponíveis nos portfólios de produtos de empresas como a AVG, F-Secure, Kaspersky, McAfee, Symantec e Trend Micro), jamais baixe aplicativos sem antes conferir a idoneidade de quem os desenvolveu. E mesmo que um programinha esteja acima de qualquer suspeita, convém ficar de olho nas permissões: muita gente cai do burro por conceder total liberdade a um simples joguinho, por exemplo, embora não faça sentido ele pedir permissão para estabelecer conexões usando o sinal do aparelho, acessar e-mails e arquivos pessoais ou modificar o calendário, também por exemplo.

Observação: Você pode conciliar o melhor dos dois mundos com
 o GALAXY NOTE  maior que um celular e menor que um Tablet, o que o torna ideal para quem quer um "híbrido" com peso e dimensões que permitam levá-lo no bolso. Segundo a SAMSUNG, mais de cinco milhões de unidades foram despejadas no mercado nos últimos meses. Nos EUA, a AT&T vende o aparelho por US$ 300, mas o preço sugerido para o mercado tupiniquim é de R$ 1.999 (embora algumas lojas o ofereçam por algo em torno de R$ 1.400).

Até mais ler.
Postar um comentário