quinta-feira, 5 de abril de 2012

PC OBSOLETO - Ninguém merece!


Imagine que, já atrasado para o trabalho, você se lembra de ter prometido uma faixa musical para uma colega muito especial, mas se esqueceu de baixá-la e gravá-la no pendrive. Aí você liga seu PC velho de guerra e espera 5 minutos pela inicialização, mais 2 para abrir o navegador, 3 para carregar o site que disponibiliza o arquivo e 15 para completar o download (ufa!).
É certo que a rapidez com que a evolução tecnológica substitui produtos de ponta por modelos ainda mais avançados torna nossos computadores obsoletos em intervalos de tempo cada vez mais curtos. Claro que há diversas maneiras de “revitalizar” uma máquina “cansada”, a começar pela formatação do HD e reinstalação do Windows. Se você acha essa solução “invasiva” demais, experimente configurar seu sistema para priorizar o desempenho em detrimento da aparência, desabilite programas desnecessários que pegam carona na inicialização, desinstale os inutilitários, limpe os arquivos temporários e desfragmente o HD (para mais detalhes, clique aquiaqui, ou use o campo Pesquisar do Blog para localizar outras dicas de manutenção preventivo-corretiva).

Observação: Como dizia meu finado avô, “vagar é pressa”. Para minimizar a “agonia” inerente ao uso de uma máquina capenga, esqueça o conceito de multitarefa. Evite abrir vários programas ao mesmo tempo ou carregar diversas páginas da Web usando as abas do navegador. Termine uma coisa antes de começar a fazer outra e veja como o computador se comporta melhor.

Numa situação como a exemplificada no primeiro parágrafo, a solução é partir para um PC novo, compatível com a realidade dos nossos dias (veja mais detalhes na postagem de amanhã). Há quem ainda mantenha em uso o velho Pentium III que comprou lá pela virada do século, mas uma máquina dessas está totalmente divorciada das exigências dos softwares atuais e há muito que deveria ter sido aposentada. E nem pense num upgrade de hardware (para saber mais, clique aqui e aqui ou pesquise o Blog usando os termos-chave adequados). Mesmo que a ideia seja simplesmente adicionar memória, será difícil encontrar módulos compatíveis – muito menos a preços compensadores. Substituir a CPU, então, nem se fala, já que isso exigiria uma nova placa-mãe e novos pentes de memória, e aí já não faria sentido manter em uso um HD de 10 ou 20 GB, não é mesmo? Com um pouco de sorte, você aproveitaria o mouse, o teclado e as caixas de som, de modo que, na ponta do lápis, o molho acabaria saindo mais caro do que o peixe.
Bom feriadão a todos, uma ótima Páscoa e até mais ler.
Postar um comentário