terça-feira, 23 de outubro de 2012

A HORA E A VEZ DO WINDOWS 8



Seven é, indubitavelmente, a melhor edição do Windows lançada até hoje e, portanto, o sucessor ideal do XP, que será aposentado em 2014. O Eight – que será lançado oficialmente no final desta semana – ainda é um enigma, e adotá-lo antes de decifrá-lo, uma temeridade.
Parece ser consenso entre os analistas que o novo Windows ainda não está pronto e acabado, mas a Microsoft depende dele para aumentar sua inexpressiva participação no mercado de tablets (os bugs serão corrigidos oportunamente, mediante a liberação de patches e atualizações). E como essa edição se destina tanto a substituir o Seven na plataforma PC quanto a equipar o tablet Surface, resta saber se as futuras atualizações serão gratuitas (como no iOS e Android) ou pagas (como nas versões anteriores do Windows), além da frequência com que elas serão disponibilizadas.
Falando em preço, o Eight deve custar US$39,99 (nos EUA) e, findo o prazo promocional, passar a US$69,99 o upgrade e US$139,99 a versão full. Já o Surface tanto pode sair por R$200 quanto acompanhar o preço dos seus concorrentes diretos (a conferir).

Observação: Quem acompanha o desenvolvimento do Windows 8 e RT sabe que o primeiro deverá rodar em máquinas com processadores x86 (feitos pela Intel e AMD) e o segundo, em máquinas com processadores de arquitetura ARM. No entanto, essa questão deverá suscitar dúvidas para usuários comuns, para os quais importa menos a arquitetura do processador do que a eficiência do aparelho.

Ainda que seja cedo para previsões, todo esse vuco-vuco me faz lembrar do malsinado Vista – lançado em 2005 com um aparato publicitário digno do nascimento de um príncipe –, que acabou se revelando um dos maiores fiascos da história do Windows. Demais disso, o momento ideal para uma migração dessa magnitude é logo após o lançamento do SP1 do novo sistema; se você for incapaz de resistir ao canto da sereia, ao menos considere a possibilidade de adquirir um PC novo, já com o sistema pré-instalado pelo fabricante.

Observação: Embora a Microsoft afirme que máquinas capazes de rodar o Seven rodem também o seu sucessor, na prática a teoria costuma ser outra. Para piorar, diferentemente das versões anteriores, o Eight não oferece um Upgrade Advisor separado, e checar individualmente a compatibilidade de cada componente e aplicativo (clique aqui e aqui) é um trabalho insano. A melhor solução consiste em baixar a versão Release Preview, já que o próprio instalador fará a checagem de compatibilidade (não é preciso instalar o novo sistema, basta rodar o instalador).


Por essas e outras, torno a dizer que o melhor é deixar a poeira assentar. Para controlar a ansiedade, experimente o Windows 8L, que personaliza as janelas e barra de tarefas do Seven com o estilo do seu sucessor. E lembre-se: os pioneiros são reconhecidos pela flecha espetada no peito.

Amanhã a gente conclui; abraços e até lá.
Postar um comentário