terça-feira, 30 de outubro de 2012

PC - MÁQUINA PRONTA OU MONTAGEM PERSONALIZADA?

Antes de passar ao assunto do dia, resolvi aproveitar um comentário deixado no post anterior para dizer o seguinte:

É certo que cada povo tem o governo que merece, mas é igualmente certo que nem todos os paulistanos merecem amargar quatro anos sob a batuta do PT – partido de cuja alta cúpula o julgamento do “escândalo do mensalão” expôs entranhas tão fétidas quanto gaiolas de coelhos Claro que, diante do fato consumado, só resta torcer para que Haddad não nos brinde com uma gestão do quilate das de suas predecessoras Erundina e Marta – coisa que só o tempo dirá. Por outro lado, é curioso que a ladainha de Lula tenha logrado êxito em Sampa, mas não em Campinas (SP), Fortaleza (CE), Salvador (BA) e Manaus (AM). Talvez lá o povo ainda se lembre de que sua excelência pediu desculpas aos brasileiros quando Roberto Jefferson jogou merda no ventilador, embora tenha tirado o seu da reta e venha posando de vítima, achando que é ele, agora, quem deve exigir desculpas. Aliás, segundo o festejado jornalista J.R. Guzzo, essa combinação de mártir, profeta e herói de si próprio tem razão ao dizer que sua biografia não será escrita pelos Ministros do STF: ela está sendo escrita por ele mesmo, e os atos que a contaminaram, do mensalão à aliança pública com Paulo Salim Maluf (um foragido da polícia internacional) são de sua exclusiva responsabilidade.
Enfim, durmamos nós, paulistanos, com um barulho desses.     


Com o final do ano chegando e a mais recente versão do Windows já no mercado, é possível que você se anime a trocar seu PC velho de guerra por um modelo estalando de novo. No entanto, devido à redução no preço das máquinas de grife, a integração de um “Frankenstein” deixou de ser considerada uma opção interessante, embora harmonize a relação entre os componentes e ajude a priorizar aquilo que realmente importa à luz do perfil e das expectativas de cada usuário.
Se uma configuração personalizada é importante para você, mas lhe falta habilidade manual e/ou expertise para montar o PC, a “integração virtual pode ser um excelente “meio-termo”. Para tanto, clique aqui, anote a configuração sugerida pela Intel para seu perfil e simule uma integração no site da Dell; com o resultado em mãos, procure máquinas de outros fabricantes com características semelhantes, coteje preços e condições de pagamento e então faça sua escolha.
Se você se acha apto a fazer o serviço pesado, confira algumas dicas importantes:

·        Procure adquirir todos os componentes do mesmo fornecedor, de modo a minimizar o risco de incompatibilidades e facilitar a troca no caso de defeitos (exija sempre nota fiscal). Compras no mercado informal podem resultar em alguma economia, mas a falta de confiabilidade e a ausência de garantia podem tornar “o molho mais caro que o peixe”.

Observação: Tome especial cuidado na escolha do case (ou gabinete). Ele deve ser compatível com a placa-mãe que você tenciona utilizar, e sua fonte de alimentação nativa (caso exista) deve fornecer potência que dê e sobre para todos os componentes (e, se possível, para um futuro upgrade). Tenha em mente que os modelos mais caros não são necessariamente os mais funcionais.

·        Escolha um local tranqüilo para trabalhar – livre de crianças, animais de estimação, curiosos, palpiteiros e quaisquer objetos estranhos à montagem (cinzeiros, copos, xícaras de café, etc.). Deixe as ferramentas numa posição de fácil acesso e tome especial cuidado com parafusos e outros objetos de dimensões reduzidas, que parecem ter vocação para cair e desaparecer.
·        Mantenha as peças embaladas até o momento em que as for utilizar, descarregue a eletricidade estática antes de manuseá-las e evite tocar os pinos do processador e as trilhas de contatos dos módulos de memória e placas de expansão.
·        Os procedimentos em relação à placa-mãe variam conforme a marca e o modelo; leia as instruções, faça a montagem na ordem sugerida pelo fabricante (para prevenir o incômodo de ter que remover e reinstalar esse componente) e evite apertar demais os parafusos (para não espanar as frágeis roscas dos espaçadores).
·        O processador só encaixa na posição correta, mas é preciso que o alinhamento com o soquete seja perfeito e que a alavanca (ou outro mecanismo de trava) esteja totalmente liberada. Tome especial cuidado com modelos da AMD, pois os pinos entortam facilmente (se necessário, realinhe-os com auxílio de um crédito, tomando cuidado para não danificar os demais). Antes de instalar o dissipador, aplique uma gota de pasta térmica e espalhe até formar uma camada lisa e uniforme. Siga as instruções do fabricante para fixar o conjunto e confira duas (ou três) vezes o resultado.
·        A instalação dos módulos de memória é tida e havida como um procedimento extremamente simples, pois o encaixe só é possível na posição correta e o reconhecimento pelo sistema é automático. No entanto, configurações em dual, triple ou quad-channel só proporcionarão o desempenho esperado se os slots forem ocupados corretamente, sendo imperativo seguir as instruções do fabricante.
·        O mesmo vale para a placa gráfica, que, salvo disposição expressa em contrário, deverá ser acomodada no slot PCI EXPRESS GRAPHICS mais próximo do processador (caso ela necessite de alimentação extra, utilize uma fonte de alimentação que ofereça potência suficiente e não se esqueça de conectar os cabinhos).

Observação: Falando em cabinhos, instalar os pequenos conectores para os botões de Power e reset, alto-falante e LEDs de atividade sempre foi – e continua sendo – uma tarefa extremamente aborrecida, especialmente por não existir um esquema padrão de cores que facilite o trabalho. Mais uma vez, o jeito é consultar o manual da placa e seguir fielmente as instruções.

·        No que concerne ao HD, o padrão SATA costuma ser a escolha natural (o IDE/ATA é coisa do passado e o SSD continua com o preço nas alturas). Mesmo que sua placa ofereça suporte somente ao SATA1, o cabo e o conector são compatíveis com drives SATA2, que irão funcionar normalmente, embora com taxa de transferência de dados reduzida. Note que a fonte precisa disponibilizar os conectores exigidos por essa tecnologia (caso contrário, você deve adquirir um adaptador), e que é necessário ajustar o jumper do drive para a posição SATA2 (caso haja suporte da placa), ou a transferência de dados ficará limitada a 1,5GB/s (50% da velocidade proporcionada pelo SATA2).

Observação: HDs SATA não dispensam as rotinas de formatação e criação de partições para a instalação do sistema operacional (como era feito nos drives PATA). No entanto, considerando que esse tema já foi abordado em outras postagens, não vou abusar da paciência do leitor com informações redundantes.

Amanhã a gente conclui; abraços e até.
Postar um comentário