quarta-feira, 22 de maio de 2013

Laptop, Notebook, Upgrade e outros que tais


Por conta da configuração espartana, preço elevado, manutenção difícil (e cara) e impossibilidade de receber upgrades, durante um bom tempo os notebooks ficaram restritos quase que exclusivamente a executivos e usuários cujo trabalho exigisse mobilidade e portabilidade, mas hoje a história é bem outra. Claro que a manutenção/expansão de recursos continua sendo mais cara e complicada do que no tradicional PC de mesa, mas você já não corre o risco de ser internado se consultar seu Computer Gay sobre a possibilidade de adicionar memória, substituir o HD ou mesmo trocar o processador do seu aparelho.
Por outro lado, um upgrade tecnicamente possível nem sempre é economicamente viável: cotejando o preço dos componentes e o custo da hora técnica e considerando que, com menos de mil reais, você pode adquirir um note de entrada de linha que substitui com vantagens seu velho desktop, pode valer a pena partir para computador novo, de concepção mais avançada, e gozar da garantia oferecida pelo fabricante (para mais detalhes, clique aqui e aqui).
Enfim, se sua ideia for mesmo atualizar seu note velho de guerra, providencie um backup dos seus dados e dedique especial atenção aos arquivos insubstituíveis, tais como fotos e vídeos das férias, e-mails antigos e documentos pessoais (para mais informações, clique aqui e aqui). Feito isso, peça um orçamento para um técnico de confiança – se possível, incluindo também os componentes, pois as chances de incompatibilidade são bem maiores que nos PCs convencionais – e veja se realmente compensa levar o upgrade adiante.

Observação: No que tange à RAM, recorra ao Configurador disponível no site da Kingston para descobrir qual o limite imposto pelo seu note e o tipo de memória você pode usar. Quanto ao disco rígido, drives mais espaçosos e velozes refletem positivamente no desempenho global do computador, mas é preciso consultar o manual ou pesquisar no site do fabricante para saber se o modelo que você tem em vista é compatível (laptops geralmente utilizam HDs de 2.5 polegadas, mas a interface pode variar conforme a marca, modelo e idade da máquina).

Inclua na sua lista de compras uma bateria, já que esse componente perde a capacidade de armazenar carga depois de dois ou três anos de uso. Se você usa o Windows 7, digite cmd na caixa de pesquisa do menu Iniciar, dê um clique direito sobre a opção que será exibida no campo Programas, clique em Executar como administrador e, na linha de comando, digite powercfg –energy. Ao final, tecle exit para fechar a janela, localize o arquivo energy-report.html (em C:\Windows\System32), abra-o no seu navegador e analise as informações fornecidas. Os valores de DESIGN CAPACITY e LAST FULL CHARGE, bem no finalzinho do arquivo, remetem à capacidade de armazenamento da bateria – quando maior a diferença entre eles, menor a eficiência do dispositivo.

Amanhã a gente conclui; abraços e até lá.
Postar um comentário