terça-feira, 16 de julho de 2013

HD – ESPAÇO NUNCA É DEMAIS.

Já caí inúmeras vezes achando que não conseguiria me reerguer, e já me reergui inúmeras vezes achando que não iria mais cair.

O espaço disponibilizado pelos HDs da década de 80 ia de algumas dezenas a poucas centenas de Megabytes – o que era considerado compatível com as exigências dos softwares de então, já que o Windows 3.1, por exemplo, vinha numa caixinha com nove disquetes de 3½ polegadas e 1.44 MB de espaço cada.
Mais adiante, as mídias ópticas – desenvolvidas originalmente com vistas ao mercado fonográfico – se tornaram a solução ideal para abrigar arquivos de programas, pois eram mais resistentes, ofereciam muito mais espaço e não estavam sujeitas a problemas de desmagnetização e emboloramento.
Na virada do século, a maioria dos PCs de entrada de linha já integrava drives com capacidades entre 10 e 20 Gigabytes, mas os usuários queriam mais, e os fabricantes não se fizeram de rogados: atualmente, qualquer máquina de configuração chinfrim integra discos rígidos de centenas de Gigabytes – as mais parrudas chegam a 1 Terabyte (o que dá e sobra para armazenar 250 mil músicas em .MP3 ou 1 milhão de e-books), embora já existam modelos que ultrapassam a marca do Petabyte.
Quem tem um PC de fabricação relativamente recente dificilmente irá precisar de mais espaço do que a configuração padrão da máquina lhe proporciona – a menos, é claro, que não jogue nada fora, e, pior, armazene toneladas de games, filmes em alta resolução e faixas musicais em .MP3. Sendo o seu caso, a boa notícia é que drives internos de ½ TB podem ser encontrados por menos de R$ 150, e que instalá-los num PC velho de guerra é relativamente simples. Acompanhe:

·        Consulte o manual do PC e atente especialmente para a interface do HD, que provavelmente será SATA, embora máquinas mais antigas possam brindá-lo com o jurássico padrão ATA/IDE.

·        De posse do drive adequado, escolha um local tranqüilo (livre de crianças, animais de estimação, curiosos, palpiteiros), desligue o cabo de energia do No-Break ou Estabilizador de Tensão, desconecte todos os periféricos (monitor, teclado, mouse, caixas de som, etc.), acomode o gabinete sobre uma mesa ou bancada limpa (livre de objetos estranhos à montagem, tais como cinzeiros, copos, xícaras de café, etc.) e remova a tampa lateral.
 
·        Depois de descarregar a eletricidade estática, ajuste o jumpeamento do drive de maneira a não limitar seu desempenho (consulte o respectivo manual).

·        Introduza o novo componente na baia mais adequada, fixe-o com todos os parafusos (vibração excessiva não só resulta em barulho como também abrevia a vida útil do componente) e plugue os cabos (lógico e de energia, tanto no drive quanto na placa/chicote da fonte).
 
·        Feche o gabinete, reconecte os periféricos, religue o cabo de força, ligue o computador e acesse o CMOS Setup para conferir se o novo drive foi devidamente reconhecido.

Observação: HDs SATA dispensam configuração MASTER/SLAVE, conquanto exijam interfaces e cabos diferentes dos utilizados pelos modelos PATA, tanto para dados quanto para energia. Nessa tecnologia, cada interface controla um único disco, mas as placas-mãe geralmente oferecem de duas a quatro delas. Note que, embora seja tecnicamente possível, não é recomendável adaptar um drive SATA numa placa-mãe que ofereça suporte exclusivo ao padrão IDE/ATA.

Por último, mas nem por isso menos importante, vale lembrar que todo HD precisa ser inicializado (processo que envolve a criação e formatação das partições) para se tornar utilizável. No entanto, como esse procedimento já foi detalhado em outras oportunidades, não vou abusar da paciência dos leitores com informações redundantes (em sendo o caso, basta recorrer aos campos de busca do Blog).
Para outra explanação sobre esse assunto, não deixe de dar uma passada no Blog da minha amiga Andy e acessar a postagem http://infodicasandy.blogspot.com.br/2009/07/instalando-um-hd.html.

Abraços e até mais ler.
Postar um comentário