quinta-feira, 31 de outubro de 2013

MAIS SOBRE SEGURANÇA DIGITAL – PHISING SCAM, CRIMES DIGITAIS E CIA.

GOSTE DE SI MESMO. OS QUE NÃO GOSTAM DE VOCÊ NÃO SABEM O QUE ESTÃO PERDENDO.

Ensina o professor Sérgio Rodrigues que, na nossa cultura, é comum a gente dizer, equivocadamente: “Quem tem boca vai a Roma”. Ainda que esse adágio valorize quem não se envergonha de perguntar, a forma correta desse ditado é: “Quem tem boca vaia Roma”. A propósito, é justamente isso que as pessoas faziam em relação aos “deslizes” dos imperadores e as formas de governo que definhavam o império: vaiavam Roma... 
Em última análise, parece que o povo brasileiro tem muito o que aprender com os antigos romanos. Ou não???

Segurança é o mote deste Blog, e se eu a revisito regularmente, não o faço por falta de assunto, mas para
deixar os leitores atualizados e familiarizar os recém-chegados com uma questão altamente relevante, ainda que bastasse inserir os termos-chave adequados no nosso campo de buscas para localizar centenas de remissões (dentre as quase 1.900 postagens já publicadas) envolvendo o tema em pauta.
Passando ao que interessa, o PHISHING é uma modalidade de SPAM voltada ao ESTELIONATO DIGITAL, que se vale da ENGENHARIA SOCIAL (conjunto de técnicas que exploram a inocência, ingenuidade ou confiança das pessoas) para levar os incautos a abrir anexos suspeitos ou clicar em links mal intencionados. Para emprestar credibilidade às mensagens, os cibercriminosos imitam o visual de um site acima de qualquer suspeita (como o do seu Banco, de uma rede social em voga, do seu provedor de internet, do fabricante do seu antivírus, e por aí vai), mas se você fizer uma análise criteriosa, irá encontrar indícios de maracutaia (tais como erros ortográfico/gramaticais ou URLs parecidas, mas não idênticas às das páginas legítimas – como https://www.youtobe.com/watch?v=bdKIDaig_7w, por exemplo).

Observação: Os três navegadores mais populares atualmente (Chrome, IE e Firefox) incluem sistemas de navegação segura, mas há diversas maneiras de aprimorar essa proteção (para mais detalhes, clique aqui).

No mais das vezes, o risco não está em abrir os emails, mas sim em rodar os executáveis a eles anexados ou clicar nos links integrados ao corpo de texto das mensagens. Embora seja possível instalar programinhas maliciosos mediante a exploração de vulnerabilidades no sistema operacional, navegador e demais aplicativos que tenham acesso à Internet, a maioria dos ataques conta com a participação ativa das vítimas.

Observação: Descarte de imediato qualquer email que dê conta de que você ganhou na loteria, herdou uma fortuna de um ditador nigeriano, precisa fazer ajustes na declaração de imposto de renda, está negativado na praça,, sendo chifrado pelo cônjuge, precise recadastrar sua conta, token ou evitar o cancelamento do CPF, TÍTULO DE ELEITOR ou outros documentos que tais. Saudações “genéricas” (tipo “olá”, “oi”, “caro amigo”, etc.) sugerem maracutaias, da mesma forma que erros de digitação, ortografia, gramática, concordância e frases com letras ou palavras faltando (mesmo que os vigaristas digitais venham se esmerando na redação, esses “deslizes” ajudam a burlar a fiscalização dos filtros anti-spam). 

O ideal seria que seu antivírus bloqueasse esses emails, mas como isso não acontece em todos os casos, salve os anexos na sua Área de Trabalho e fiscalize-os manualmente (clique com o botão direito e selecione a opção respectiva). Na dúvida, obtenha uma segunda opinião com serviços online de confiança (para mais detalhes, clique aqui) e ateste a legitimidade dos links com o TRENDPROTECT, o URLVOID e o SUCURI (este último é mais indicado para LINKS ENCURTADOS).

Observação: Falando em links, verifique sempre para onde eles apontam pousando o ponteiro do mouse sobre cada um deles e checando o endereço exibido na barra de status do navegador (se observar um “@” no meio do link, fique esperto: empresas idôneas utilizam domínios próprios, tipo https://www.empresa.com.br, e ainda que o link contenha algo sugestivo – como “bancobrasil”, “playboy”, “receitafederal” –, isso não basta para que você o tome por legítimo).

Redobre os cuidados diante de banners ou janelinhas pop-up dando conta de que seu browser está desatualizado, que é preciso instalar um componente qualquer para visualizar determinada página, ou que seu sistema está infectado ou repleto de erros críticos. Nessas circunstâncias, jamais clique no “X” ou em qualquer outro botão com a inscrição “Fechar”, “Sair” ou “Cancelar”, pois isso costuma disparar a instalação do código malicioso. Em vez disso, tecle ALT+F4 ou feche a aba que exibe a página em questão – ou, melhor ainda, encerre o navegador.
Suspeite de sites que se ofereçam para atualizar o Adobe Flash, o Java, ou outros complementos do seu browser. Se necessário, faça a atualização manualmente ou, melhor ainda, execute o Secunia OSI semanalmente e instale o UPDATE CHECKER, que o avisa quando existem atualizações/novas versões de drivers, add-ons e aplicativos. Demais disso, habilite as atualizações automáticas do Windows (para mais detalhes, clique aqui, e aproveite o embalo para obter informações adicionais clicando aqui e aqui).  


Um ótimo dia a todos e até mais ler.
Postar um comentário