quarta-feira, 16 de outubro de 2013

WINDOWS PRÉ-INSTALADO - COMO REVERTER O PC ÀS CONFIGURAÇÕES DE FÁBRICA..

meglio vivere un giorno da leone che cent'anni da pecora.


O mercado cinza – de computadores sem marca, montados a partir de componentes de origem "não comprovada" – começou a perder fôlego em meados da década passada, e hoje está restrito quase que exclusivamente a gamers e usuários avançados, que não abrem mão de escolher cada item e assim extrair até a última gota de desempenho de seus aparelhos.
Para os usuários domésticos, a redução no preço, as facilidades do crediário e a garantia de fábrica fazem das máquinas de grife a melhor solução, ainda que isso signifique aceitar as configurações definidas pelos fabricantes para cada modelo, tanto no âmbito do hardware quanto no do software.

ObservaçãoComparando as versões do Seven à luz do custo benefício, a que mais se sobressai, a meu ver, é a Home Premium de 64-bits, embora a maioria dos PCs de baixo custo traga a Starter Edition ou a Home Basic (mais detalhes sobre os diversos "sabores" no post do dia 10 do mês passado).

Oferecendo o Windows pré-instalado, os fabricantes tornam seus produtos mais atraentes, e como as licenças em OEM saem mais em conta do que as versões "em caixinha" (FPP), eles dividem esse ganho com os consumidores e se ressarcem com a divulgação de aplicativos que as empresas de software estão sempre dispostas a bancar (para saber mais, clique aqui).
Seja como for, não deixe de conferir a legitimidade da instalação através do Certificado de Autenticidade (acima, à esquerda) e da Chave do Produto (acima, à direita) cujas etiquetas costumam vir coladas na face posterior do gabinete, no caso dos desktops, ou na base ou compartimento da bateria, no caso dos notebooks. Em caso de dúvida, recorra ao SAC ou ligue para a Microsoft (0800-888-4081).


Levando para casa um computador prêt-à-porter, você pode colocá-lo em uso quase que imediatamente, pois não é preciso inicializar o HD, instalar o Windows ou se preocupar com drivers de chipset e dispositivos. Basta remover o aparelho da embalagem (e conectar monitor, teclado, mouse e demais periféricos, no caso de um modelo de mesa), plugar o cabo de energia (ou o carregador, no caso de um portátil) num no-break ou estabilizador de tensão, configurar a conexão com a Internet, instalar seu arsenal de segurança, atualizar e personalizar o sistema, remover o crapware e adicionar seus aplicativos preferidos. Mas nem tudo são flores nesse jardim.
Licenças em OEM não autorizam upgrades diretos nem o transferência do sistema de uma máquina para outra. Demais disso, PCs mais baratos costumam trazer versões de entrada de linha do Windows (tais como a famigerada Starter Edition ou a espartana Home Basic, no caso do Seven). Caso você não se sinta satisfeito com o "sabor" que lhe foi servido, acesse a página do Windows Anytime Upgrade para ver se dá para fazer a migração online para a Home Premium ou outra versão superior (pagando pela diferença, naturalmente), mas é quase certo que o jeito será comprar uma nova cópia "em caixinha", formatar seu HD e proceder à instalação a partir do zero.
Vale lembrar também que, em vez de virem acompanhadas do DVD original do Windows, máquinas com o software pré-instalado costumam trazer os arquivos de predefinição gravados num disco personalizado pelo fabricante ou, mais frequentemente, numa pequena partição oculta criada no HD, a partir dos quais é possível reverter o software às configurações originais, seja para dar novo fôlego ao sistema, corrigir algum problema lógico que não possa ser resolvido mediante soluções menos invasivas, ou mesmo para "zerar" o computador antes de passá-lo adiante.

Amanhã a gente conta o resto. Abraços e até lá.
Postar um comentário