segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

MEMÓRIA RAM DDR4

VOCÊ CUIDA DE MIM E EU CUIDO DE VOCÊ. SE VOCÊ NÃO CUIDAR DE MIM, DAÍ EU CUIDO DE VOCÊ.

Depois de longo e tenebroso inverno (quase seis anos), as memórias RAM DDR4 estão chegando ao mercado. Segundo a Crucial, além de proporcionar o dobro da velocidade da sua antecessora, essa nova tecnologia economiza energia, gera menos calor, acelera o carregamento dos aplicativos, oferece respostas mais rápidas do sistema aos comandos e proporciona ganhos na execução de operações em multitarefa.
Claro que a migração deverá ocorrer de forma progressiva, até porque os novos módulos (de até 16 GB) não serão intercambiáveis com os DDR3. Em outras palavras, quem quiser usufruir esse benefício terá de adquirir um novo computador ou, na melhor das hipóteses, substituir a placa-mãe por outra que lhe ofereça suporte.
Vale lembrar que o PC usa diversos tipos de memória, mas é na RAM que o Windows e os aplicativos são carregados e executados, e os arquivos, processados (clique aqui para mais detalhes). No entanto, pelo fato de esse tipo de memória ser volátil, continuamos reféns dos jurássicos HDs – responsáveis por armazenar as informações de maneira persistente – embora isso venha mudando progressivamente com o barateamento e a popularização dos drives SSD.

Na pré-história da computação pessoal, a gente mandava um documento para a impressora e ia tomar um cafezinho. A partir dos 386, a multitarefa (*) já permitia a execução simultânea de dois ou mais aplicativos, mas o preço estratosférico do megabyte de RAM levou a INTEL a desenvolver um paliativo que ficou conhecido como Memória Virtual – um “arquivo de troca dinâmico” criado no HD para funcionar como extensão da memória física do sistema (digite swap file, arquivo de paginação ou memória virtual no campo de buscas do Blog para obter mais detalhes sobre esse recurso, que continua sendo utilizado até hoje).

(*) A rigor, o processador é capaz de executar uma única tarefa por vez, razão pela qual a multitarefa, num sistema monoprocessado, não passa de uma ilusão obtida a partir da alternância rápida entre as diversas tarefas.

O upgrade de RAM é simples e costuma proporcionar bons resultados (pesquise o Blog para mais detalhes), mas é preciso se ater às limitações impostas tanto pela placa-mãe quanto pelo sistema operacional (versões de 32-bits são capazes de gerenciar “apenas” algo entre 2,8 e 3,5 gigabytes).
Para saber de quanto RAM você dispõe, dê um clique direito na Barra de Tarefas e clique em Iniciar Gerenciador de Tarefas e confira as informações exibidas no campo Memória Física (MB). Para saber qual o tipo de memória adequado à sua placa e a quantidade máxima que ela suporta, recorra ao Hwinfo ou à ferramenta disponibilizada no site da Kingston

    

Abraços e até mais ler.
Postar um comentário