quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

SELFIES – O QUE VOCÊ PODE E O QUE NÃO DEVE FAZER.

A DIFERENÇA ENTRE O REMÉDIO E O VENENO ESTÁ NA DOSE.

Numa tradução livre, o neologismo Selfie significa “auto-retrato”, e já figura no Dicionário Oxford da língua inglesa como “fotografia que alguém tira de si mesmo, em geral com smartphone ou webcam, e carrega numa rede social".
Caso você mesmo não feito, certamente já viu alguém esticando o braço para bater uma foto de si mesmo com o celular (ou batê-la diante do espelho) e em seguida compartilhá-la via Facebook ou outra rede social similar.
Se o termo “selfie” é um neologismo, a ideia nem tanto: consta que, em 1914, a filha adolescente do Czar Nicolau II, da Rússia, tirou uma foto de si mesma diante do espelho e, como ainda não haviam inventado o Instagram (comprado recentemente pelo Facebook por US$ 1 bilhão), compartilhou-a com amigas e amigos através de cartas (é, aquelas mesmo que antigamente a gente enviava pelo serviço postal convencional).
Mas é inegável que os telefones móveis inteligentes, equipados com câmeras e capazes de conectar a Internet, facilitaram sobremaneira a vida dos exibicionistas e daqueles que, por qualquer razão incerta e não sabida, têm uma necessidade patológica de registrar seu estado de espírito e/ou atividades a cada momento do dia.
Imagine que, depois de horas torrando sob um sol senegalês, a ninfeta resolve eternizar aquele tão sonhado bronzeado – que o retorno das férias logo se encarregará de esvanecer. Então, com ou sem a ajuda do espelho ou do timer (temporizador), ela registra seus dotes, enfatizando o contraste da pele queimada com a marquinha minúscula deixada pelo biquíni nos seios, nos glúteos, e para completar seu atentado contra a própria intimidade, segundos depois ela compartilha as fotos pelo Twitter. Depois que o almoço e um cochilo reparador minimizam os efeitos das muitas caipirinhas sob o sol, bate o arrependimento, e ela se apressa em acessar sua conta e remover as imagens, mas se nesse entretempo alguém as viu e copiou, o estrago pode ser irreversível.
Como diz a frase lapidar com que eu iniciei esta postagem (não foi intencional, mas uma feliz coincidência), “a diferença entre o remédio e o veneno está na dose”. Se utilizada com moderação, a prática em questão é uma maneira válida de compartilhar sentimentos e experiências, permitindo que os jovens e adolescentes sintam-se parte integrante de um mundo que é cada vez mais digital, mas é tênue a linha que a separa do exibicionismo ou, pior, do narcisismo.
Enfim, cada um tece como lhe apetece.
Amanhã a gente volta ao assunto com dicas para você aprimorar suas selfies – use-as com moderação (risos).
Abraços e até lá.
Postar um comentário