terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

PROCESSADOR: INTEL ou AMD?

AS PREVISÕES ECONÔMICAS SERVEM APENAS PARA EMPRESTAR CREDIBILIDADE À ASTROLOGIA.

Como ensina o mestre Morimoto, todo computador – seja um PC, um Mac ou servidor de grande porte – é composto por cinco componentes básicos: CPU, memória RAM, disco rígido, dispositivos de entrada e saída de dados e softwares.
A CPU é tida e havida como o cérebro do sistema computacional, mas como uma andorinha não faz verão, tanto sua performance quanto o desempenho global da máquina dependem da contrapartida dos demais componentes – para entender isso melhor, acesse as postagens do mestre Fernando (brincadeirinha; este que vos escreve não passa de um mero autodidata curioso) clicando aqui e aqui.

Observação: A arquitetura aberta foi um dos pilares do sucesso da plataforma PC, pois permitia (e ainda permite) montar as máquinas a partir de componentes de diversos fabricantes, impulsionando o mercado cinza, no qual integradores independentes vendiam seus Frankenstains por preços bem aquém dos praticados pelos fabricantes (ou montadores) de modelos de grife.
No alvorecer da computação pessoal, diversos fabricantes de processadores brigavam por um lugar ao sol, mas logo foram pulverizados pelas gigantes Intel e AMD, que passaram a disputar à tapa (ou a ciclo de clock, melhor dizendo) a preferência dos usuários. Depois de muitas idas e vindas, a Intel superou sua arqui-rival – que, diga-se, continua abastecendo o mercado com excelentes microchips a preços bem mais palatáveis.

De lá para cá, muita água rolou, e discutir as variáveis que concorreram para formar o contexto atual não é o mote desta postagem. A rigor, ambas as empresas demarcaram seus territórios, notadamente durante a acirrada disputa entre o Pentium e o Athlon.
Atualmente, a supremacia da Intel é inquestionável, e a família Core (i3, i5 e i7, já na quarta geração) é o que existe de mais avançado em CPUs, não só na opinião dos especialistas, mas também dos fabricantes de PCs e respectivos consumidores. Entretanto, conforme a aplicação, a AMD se mostra superior, e considerando, por exemplo, que seu Phenom II X6 de seis núcleos (que pouco fica devendo ao Core i7 980-X da Intel) custa cerca de 30% do preço do concorrente, talvez devamos rever nossos conceitos.
De uns tempos a esta parte, ambas as gigantes passaram a investir em chipsets (conjunto de circuitos integrados que constituem o “sistema venoso” da placa-mãe), abandonado parceiros tradicionais (como NVIDIA e VIA, dentre outros), o que se explica, ao menos em parte, pelo fato de chipsets e CPUs desenvolvidas pelo mesmo fabricante trabalharem mais harmoniosamente e proporcionarem melhor desempenho. E o mesmo vale para o subsistema de vídeo, ainda que aceleradoras gráficas offboard, com GPU e memória dedicada, continuem oferecendo resultados mais expressivos do que os dos sistemas onboard.
Ambas as empresas disponibilizam também processadores de excelente qualidade para notebooks, mas a estratégia de marketing da Intel parece ser mais eficaz, e como os fabricantes se curvam à imposição do seu público alvo, o selinho “Intel Inside” está em nove de cada dez laptops (força de expressão; não sei exatamente qual é a proporção, mas sei que a liderança da Intel é indiscutível, embora a HP e outras empresas de renome confiam na AMD e oferecem opções com preços palatáveis e desempenho além do esperado).
Em última análise, a escolha fica por conta de preferência de cada um, como, mal comparando, no caso dos carros da Ford e da GM. Eu, particularmente, já montei PCs com CPUs de ambas as grifes (inclusive no tempo do multiprocessamento lógico e dos então incipientes chips dual core) e usei notebooks idem, sem jamais ter do que me queixar, nem de Pedro, nem de Paulo.
Mas continuo preferindo os processadores da Intel e, com a possível exceção do Mustang, os carros da Chevrolet...
Fazer o quê?

Abraços e até mais ler.
Postar um comentário