quarta-feira, 7 de maio de 2014

CRAPWARE, SPYWARE, etc. (parte 2)

SONHE COMO SE FOSSE VIVER PARA SEMPRE; VIVA COMO SE FOSSE MORRER AMANHÃ.

Como dito no post anterior, blindar totalmente o sistema contra os PUPs exigiria deixar de baixar aplicativos – solução na qual, como se costuma dizer, o remédio traz mais mal do que a doença. Seria o mesmo que deixar de conectar a Internet para evitar a ação de malwares, ou, mal comparando, ter uma Honda Gold Wing (como a da imagem acima) e andar com ela somente no quintal de casa. No entanto, é possível reduzir sensivelmente os riscos seguindo as instruções abaixo. Acompanhe:
  • Seja seletivo ao baixar e instalar aplicativos. Mesmo que você possa desinstalar os que forem desnecessários, o processo costuma deixar resíduos no disco e no Registro, o que, com o passar do tempo, acaba comprometendo o desempenho do computador (para saber mais, clique aqui.
  • Procure baixar os arquivos de instalação a partir dos websites de seus respectivos desenvolvedores, de grandes portais (como UOL, TERRA, GLOBO, etc.) e de páginas de downloads confiáveis, como o SUPERDOWNLOADS, GRATIS.COM, etc. (para mais informações, clique aqui).
  • Salve os arquivos de instalação no Desktop (ou em outro diretório de sua preferência), dê um clique direito sobre o ícone respectivo e escolha a opção Scan with ou Escanear com, seguida do nome do seu antivírus. Na dúvida, obtenha uma segunda opinião com um antivírus online (HouseCallActiveScanKasperskyF-Secure ou BitDefender, por exemplo) ou 50 opiniões de uma só vez acessando o site do VirusTotal e fazendo o upload do arquivo suspeito.
  • O fato de o arquivo ser aprovado pelos antivírus não significa que ele não contenha outros programinhas além daquele que seria de se esperar. Procure mais informações na EULA (ou recorra ao EULALYZER, que analisa rapidamente os contratos e apresenta uma resenha do conteúdo potencialmente perigoso).
Observação: Mesmo que sua suíte de segurança conte com um módulo anti-spyware, não deixe de conhecer - e instalar, se for o caso - a versão gratuita do SuperAntispyware, que costuma localizar e eliminar PUPs que a maioria das demais ferramentas deixa passar.
  • Crie um ponto de restauração do sistema antes da instalação, que deve ser acompanhada atentamente, tela após tela, já que desenvolvedores responsáveis costuma facilitar a identificação dos caronistas e sua exclusão (às vezes, basta desmarcar uma caixinha de verificação).
Há casos em que a gente só se dá conta de ter levado gato por lebre depois do ponto sem retorno, e devido à trabalheira que dá neutralizar a ação de alguns desses intrusos, acabamos chutando o pau da barraca e reinstalando o sistema – uma excelente solução, sem dúvida, mas que deve ser aplicada somente quando não houver alternativa.
Amanhã a gente continua; abraços e até lá.
Postar um comentário