terça-feira, 26 de agosto de 2014

BAIXA VELOCIDADE DE CONEXÃO, BITS, BYTES E OUTRAS QUESTÕES AFINS.

UM NÚMERO BAIXO DE VOTANTES É UMA INDICAÇÃO DE QUE MENAS (sic) PESSOAS ESTÃO A VOTAR (Lula).

A baixa velocidade de conexão incomodava os internautas desde o tempo em que o dial-up era padrão, quando os usuários alegavam não alcançar os 56 Kbps "prometidos" pelos fabricantes de seus modems. Aliás, no saudoso Curso Dinâmico de Hardware, eu até publiquei um artigo explicando como configurar adequadamente esse dispositivo e salientei que navegar entre 48 e 52 Kbps estava de bom tamanho, considerando que a má qualidade das linhas telefônica, as condições nem sempre adequadas do cabeamento dos imóveis, a distância entre a central e o ponto de acesso, e por aí vai. Com a popularização da banda larga e a melhoria dos serviços, todavia, os 128/256 Kbps iniciais – que então pareciam astronômicos para os recém-chegados – logo viraram coisa do passado: hoje, a velocidade média da banda larga tupiniquim fica por volta dos 2,5 Mb/s, e os principais provedores já oferecem planos de 100 Mbps, (embora nem sempre cumpram o que prometem), como veremos numa sequência de postagens que começa com a de home. Acompanhe:

Apesar de realizar cálculos monstruosos em frações de segundo, o computador só opera com enormes conjuntos de zeros e uns. Tudo o que ele carrega na memória, processa, lê e grava (de letras, símbolos e algarismos a músicas, imagens, vídeos e instruções operacionais) é representado através de números binários. Uma faixa musical gravada em MP3, p. ex., pode ter 3 MB3.072 KB3.145.728 bytes ou 25.165.824 bits – no fundo, dá tudo na mesma, o que muda é somente a forma de expressar a grandeza.
Isso causa certa confusão entre nós, seres humanos, já que estamos acostumados a fazer cálculos utilizando a base 10, mas é possível converter qualquer valor decimal em binário dividindo-o sucessivas vezes por 2, marcando 0 se o resultado for exato e 1 no caso de sobrar resto e então lendo os resultados de baixo para cima, como no exemplo à direita (a recíproca também é verdadeira, mas os detalhes fogem ao escopo desta postagem e, portanto, ficam para outra vez).
bit (abreviatura de dígito binário) é a menor unidade de informação que o computador consegue manipular, e pode representar apenas dois estados opostos – fechado/aberto, desligado/ligado, falso/verdadeiro, etc. –, expressos, por convenção, pelos algarismos 0 ou 1. Já o byte (pronuncia-se báite), é composto por oito bits consecutivos e corresponde a uma letra, número, sinal ou caractere que enviamos através teclado (com base na tabela ASCII) ou outro dispositivo de entrada de dados e instruções.
Por uma questão de convenção, o bit e seus múltiplos são usados para exprimir velocidade (taxa de transferência de dados), ao passo que o byte e seus múltiplos remetem a tamanho (de arquivos) e capacidade (armazenamento de dados). Um Kb é igual a 1024 bits; um Mb, a 1024 Kb; um GB, a 1024 MB, e assim por diante (para não errar na conversão, clique aqui).

Observação: Tanto os múltiplos do bit quanto do byte são representados pelos prefixos Kilo, Mega, Giga, Tera, Peta Exa, Zetta e Yotta, e correspondem, respectivamente, a 210, 220, 230, 240, 250, 260, 270 e 280. Ao abreviar essas grandezas, use sempre o “b” minúsculo para representar o bit e o “B” maiúsculo para representar o byte.

Diversos dispositivos seguem a notação binária, dentre os quais os módulos de memória, cartões SD, pendrives, e CDs/DVDs. Um pente de memória de 1 GB, por exemplo, contém exatamente 1.073.741.824 bytes, enquanto um CD de 650 MB é dividido em 333.000 setores de 2048 bytes cada um, totalizando 681.984.000 bytes, ou 650.39 MB.

Amanhã a gente continua. Até lá, delicie-se com a entrevista que a nossa presidenta concedeu a William Bonner dias atrás, no Jornal Nacional (clique aqui).

FORA, DILMA, LULA, PT, PETRALHAS E O ESCAMBAU! 



Tenham todos um ótimo dia.
Postar um comentário