segunda-feira, 1 de setembro de 2014

PROGRAMINHAS POTENCIALMENTE INDESEJÁVEIS (PUPs)


MINHA MÃE NASCEU ANALFABETA (LULA)

Uma das grandes vantagens de se utilizar o SO para PCs mais popular do planeta é a quantidade astronômica de programinhas destinados a ampliar seus recursos e funções, inclusive em versões freeware (gratuitas), que, em muitos casos, pouco ou nada ficam devendo a suas correspondentes pagas. Por outro lado, a gratuidade não é justificativa para que você instale tudo o que se vê pela frente. Quanto mais aplicativos houver no PC, maiores serão as chances de travamentos, incompatibilidades e problemas que tais, sem mencionar a queda de desempenho do sistema como um todo, pois cada software disputa ciclos de clock do processador e espaço no HD e na memória RAM. Para piorar, a remoção dos aplicativos ociosos, embora seja um providência mais do que recomendável, costuma deixar resíduos que acabam minando a estabilidade do Windows.

Observação: Ao remover programas, procure sempre utilizar o REVO UNINSTALL FREE, o ASHAMPOO MAGIC UNINSTALL ou o IOBIT UNINSTALLER 4 BETA em vez de recorrer ao desinstalador nativo do aplicativo ou ao link PROGRAMAS E RECURSOS do Painel de Controle, que nada mais faz além de disparar esse mesmo desinstalador.

Passando agora ao cerne desta postagem, uma prática cada vez mais recorrente entre os desenvolvedores de software é embutir programinhas de terceiros nos arquivos de instalação das versões freeware de seus aplicativos, de maneira a amealhar alguns trocados – que, dependendo da quantidade de instalações, podem atingir valores bastante representativos.
Conhecidos como PUPs (sigla em inglês para programas potencialmente indesejáveis), esses penduricalhos são softwares de reputação duvidosa que nem mesmo os internautas mais ingênuos instalariam de moto próprio. Dentre eles estão os adwares, que raramente são nocivos, embora sejam sempre incomodativos – numa analogia rudimentar, eles funcionam como os comerciais na TV aberta, ou seja, destinam-se a custear as versões gratuitas dos aplicativos.
Muitos adwares usam nomes aleatórios para dificultar sua identificação e recorrem a técnicas de rootkit para se esconder no sistema. Demais disso, se são capazes de colher e enviar às empresas de marketing digital informações sobre o usuário do PC e seus hábitos de navegação, não impede que sejam transformados em spywares (tais como trojans, keyloggers, hijackers e outros códigos maliciosos com propósitos escusos). E como eles não trazem desinstaladores nativos, sua remoção acaba sendo bastante trabalhosa.

Observação: Spywares (softwares espiões) são programinhas destinados a monitorar o uso do computador. Ainda que existam spywares comerciais (utilizados por empresas para fiscalizar seus funcionários e para fins de marketing), os preocupantes são aqueles que se instalam de maneira sub-reptícia, sem promover qualquer modificação perceptível no sistema. E é aí que mora o perigo: eles podem até capturar e enviar para o cracker tudo que você digita no teclado, inclusive senhas bancárias e números de cartões de crédito.

Agora ouça esta:



Amanhã a gente vê como fazer para se proteger desses programinhas inescrupulosos.
Abraços e até lá.
Postar um comentário