segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

FIM DA REDUÇÃO DE VELOCIDADE NA INTERNET MÓVEL

O HOMEM DE CULTURA É AQUELE QUE VALORIZA A DÚVIDA.

Conforme eu havia antecipado na postagem do último dia 21, as operadoras de telefonia móvel celular irão começar a cobrar um adicional de quem quiser continuar acessando a Web depois de consumir sua franquia diária de dados. A mim, isso não causa espécie, já que o brasileiro é frequentemente feito de palhaço, seja na condição de eleitor, de consumidor ou de “contribuinte” – eufemismo que designa quem trabalha cerca de cinco meses por ano para sustentar a corja de políticos insaciáveis e seus sequiosos apaniguados, que também é conhecida como “máquina pública”.
Enfim, a partir do próximo dia 28, a CLARO vai acabar com a assim chamada “velocidade reduzida” – que, em última análise, me fazia lembrar dos tempos pouco saudosos da conexão discada. Note, porém, que isso vale apenas para clientes pré-pagos e controle, que, se não se contentarem com a miserável cota diária (10 MB, no meu caso), terão de pagar por um pacote de dados adicional ou contratar um novo plano mensal.
Na VIVO, essa nova modalidade foi implementada a partir do dia 6 de novembro passado. Usuários com planos pré-pagos de 75 MB, que custam 6,90 reais por semana, terão de desembolsar mais R$ 3 por semana para ter acesso a mais 50 MB, caso esgotem sua franquia antes do final do prazo. Na OI, a nova política passou a valer a partir do último dia primeiro, e o pacote adicional avulso de 50 MB sai por R$ 2,99, enquanto que na TIM, até onde eu consegui apurar, velocidade reduzida continua e os pacotes adicionais saem por preços equivalentes ao da concorrência (confira aqui).

Observação: Segundo o Procon-SP, a prática em questão contraria o Código de Defesa ao Consumidor, cujo artigo 90 da resolução 632 prevê que o corte do serviço só pode acontecer em casos de inadimplência, e a cobrança extra é igualmente abusiva, pois precisa estar prevista no contrato. Então, quem se sentir lesado pode abrir uma reclamação direto no Procon-SP, levando o contrato original firmado com a operadora e o protocolo de atendimento que comprove a tentativa amigável de solucionar o problema.

Abraços a todos e até mais ler. 
Postar um comentário