quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

DE VOLTA À BANDA LARGA VIA CABEAMENTO DA REDE ELÉTRICA

QUEM PARTE, REPARTE E NÃO FICA COM A MELHOR PARTE, OU É BURRO OU NÃO TEM ARTE.

Desde meados da década passada, quando meu então parceiro Robério e eu editávamos o saudoso Curso Dinâmico de Hardware (publicado pela Editora Escala), eu anunciava “para breve” o uso do cabeamento da rede de energia elétrica na distribuição do sinal de Internet em banda larga por todos os cômodos da casa. Com isso, os usuários ficariam livres da abominável quebradeira de paredes para passar o cabeamento de rede – que naquela época era a maneira mais comum de compartilhar a conexão entre vários PCs – ou mesmo dos (bem mais recentes e amigáveis) roteadores wireless, já que essa modalidade de conexão exige apenas que o interessado espete um modem específico em qualquer tomada da casa para transformá-la num ponto de acesso à Internet.
Em dezembro de 2008, eu postei uma matéria aqui Blog dando conta de que a tecnologia ia muito bem, obrigado, e que já estava sendo testada por algumas concessionárias de energia elétrica, embora ainda dependesse de regulamentação por parte da ANATEL. Em meados do ano seguinte, publiquei uma nova matéria dizendo que era só uma questão de tempo para que a solução em questão – que já funcionava a pleno vapor em países como Estados Unidos, Espanha, França, Índia e China – favorecesse também os internautas tupiniquins, até porque a infra-estrutura necessária para a disponibilização do sinal (a própria rede elétrica) já se encontra instalada e tem penetração maior do que a de telefonia e beeeem maior do que a das TVs por assinatura. Demais disso, uma concorrência saudável sempre trás vantagens para o consumidor final, tanto em relação ao preço quanto à qualidade do serviço prestado (se não em ambas essas vertentes).
Volto agora ao assunto por conta de um newsletter que recebi em agosto passado – mas que ficou perdido na minha caixa de entrada –, que na verdade era um convite para participar da primeira Conferência Latino-Americana da HomePlug Alliance, que seria realizada no dia quatro daquele mês e reuniria empresas globais de TIC – como Cisco, Qualcomm Atheros, Duke Energy e Broadcom Corporation – em torno de tecnologias que permitem entrega de serviços de telecomunicações por meio da rede elétrica. Foi uma pena não ter dado uma sapeada por lá.

Observação: A HomePlug® Alliance integra dezenas de empresas que trabalham em conjunto para desenvolver especificações de tecnologia, programas de certificação e selos para equipamentos alimentados pela corrente elétrica. Com a tecnologia HomePlug, o cabeamento elétrico pode ser usado em ambientes residenciais para distribuir internet banda larga – além de vídeo em alta definição, musica digital, aplicações inteligentes de energia, etc. – com desempenho na casa do Gbps.

Enfim, fuçando a Web em busca de informações mais recentes, descobri que a ANATEL já regulamentou oficialmente a “nova” tecnologia, e que ela está sendo testada em diversas cidades tupiniquins. E utilizá-la é muito simples: com o Gigaset HomePlug AV200 Duo, da Siemens (veja a cara do dito-cujo na figura que ilustra este post), basta proceder à conexão dos módulos na tomada e no computador; o alcance é de 50 metros e velocidade nominal, de 200 Mbps.
No Brasil, ainda não existe um padrão definido, e não é difícil que algum desocupado de plantão resolva repetir o feito das novas tomadas, criando mais um formato “jabuticaba”, sem paradigma em parte algum do planeta.
A conferir.
*******

Será uma luz no fim do túnel?

Segundo a coluna de Merval Pereira (*) publicada na edição de ontem em O GLOBO sob o título O COMEÇO DO FIM, “mais uma etapa da desconstrução da hegemonia petista foi cumprida na noite de domingo com o alijamento do partido das principais funções da Câmara, como presidências de comissões ou postos na nova direção da Mesa, que será presidida, contra a vontade do Palácio do Planalto, pelo peemedebista Eduardo Cunha, que transformou a maioria megalômana que o governo teria teoricamente na Câmara em minoria de 136 votos, menos de 1/3 do plenário.

‘O governo, em uma só eleição, perdeu o controle que sempre tentou manter sobre o Legislativo e já não é possível garantir que CPIs perigosas para ele, como a da Petrobras, deixarão de funcionar, ou terão sua constituição controlada pelo governo. Mesmo por que já não se sabe mais quem é governo e quem é oposição na Câmara, e tudo terá que ser negociado ponto a ponto, com ministros responsáveis pela articulação política tendo saído desgastados desse embate para a presidência da Câmara.

‘O ministro em teoria responsável maior pelas relações institucionais, o petista Pepe Vargas, que já não tinha o apoio do próprio PT, mostrou que não se sai bem também com os demais aliados. Ainda provocou Cunha ao dizer que o presidente da Câmara "pode muito, mas não pode tudo", o que é uma verdade, mas o muito que ele pode é mais do que Pepe parece perceber.

‘Não se saiu melhor o Chefe do Gabinete Civil Aloísio Mercadante em sua primeira prova de fogo como o mais importante ministro do segundo governo Dilma, e potencial candidato à sua sucessão. O PT mal começa o governo já parece sem capacidade para comandar uma base aliada que desde a eleição presidencial dava sinais de que não caminharia unida nesse segundo mandato, conseguido às custas de desgastes institucionais que cobrarão seu custo ao longo dele.

‘A presidente Dilma, por sua vez, ampliou a distância que a separa do ex-presidente Lula, que tentou um acordo com o PMDB temendo a derrota, que afinal veio no primeiro turno, maior do que previam os articuladores governistas. O que separa Lula de Dilma não são princípios e valores, mas o pragmatismo, que o ex-presidente tem de sobra e a atual, não.

“A disputa com o PMDB, que volta a ocupar as presidências da Câmara e do Senado, leva o Palácio do Planalto a uma situação de confronto que não serve aos seus interesses imediatos e, ao contrário, serve aos do PMDB, que se prepara para apresentar candidatura própria em 2018 ou, no limite, pode ter a presidência da República no seu colo caso as trapaças da sorte encaminhem o processo de desgaste petista para um desfecho político provocado pelo julgamento do petrolão.

“A presidente Dilma tem horror a Eduardo Cunha, dizem, por sua característica marcadamente fisiológica, e teria razão se fosse esse o motivo. Mas, na presidência da República, e dirigindo um governo montado na base do fisiologismo, Dilma não tem mais o direito de alegar questões éticas para tomar decisões políticas.

“Desde quando era a chefe do Gabinete Civil de Lula, pelo menos, ela sabe como o jogo do poder é jogado e já teve a experiência dolorosa no seu primeiro governo de ter que chamar de volta ao ministério partidos que haviam sido expulsos por questões éticas. Ganhou as duas eleições a bordo de uma aliança política construída à base de mensalões e petrolões, e já não tem mais condições de convencer ninguém de que é contra esses métodos.

“Eduardo Cunha de um lado, potencialmente de oposição, e Renan Calheiros de outro, potencialmente de situação, podem trocar de lado com a maior tranquilidade, e representam a maneira de fazer política do PMDB. No embate entre correntes dissidentes nas duas eleições, o DEM assumiu sua vontade de derrotar o PT e foi com Cunha já no primeiro turno.

“O PSDB iria com ele no segundo turno, mas seguiu a máxima expressa pelo senador José Serra de que para derrotar o PT não vale qualquer coisa. Arlindo Chinaglia achou que era apoio à sua candidatura, mas na realidade Serra estava acompanhando a orientação do presidente do partido, o senador Aécio Neves, que levou os tucanos a apoiar Julio Delgado para dificultar a volta do PSB ao seio governista.

‘PSDB e PSB fizeram a coisa certa, apresentaram alternativas às candidaturas favoritas, e ajudaram a derrotar o governo, que agora tem uma base de apoio imprevisível para anos políticos imprevisíveis.


(*) Merval Pereira é colunista do GLOBO e comentarista da CBN e do Globo News, além de membro da Academia Brasileira de Letras, Academia Brasileira de Filosofia e do Board of Visitors da John S. Knight Fellowships da Universidade Stanford. 

Um ótimo dia a todos e até amanhã.
Postar um comentário