sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

O CALVÁRIO DO MCAFEE INTERNET SECURITY


QUEM QUER, FAZ; QUEM NÃO QUER, MANDA.

Depois de três anos de uso intenso e a despeito dos procedimentos de manutenção preventivo/corretiva realizados regularmente nesse entretempo, meu Seven, como se incorporado pelo espírito de um burro temperamental, de uma hora para outra passou a empacar, ou melhor, a travar com uma irregularidade irritante.
Embora quase sempre fosse possível contornar o problema reiniciando o explorer.exe ou saindo e reentrando no sistema, decidi pesquisar a causa da anormalidade e aí tropecei num antipayware instalado à minha revelia, cuja remoção fez cessar os travamentos. Só que isso não bastou para reduzir o tempo que o aparelho vinha demorando para iniciar e encerrar o sistema, de modo que resolvi aproveitar o Carnaval para reverter o software às condições de fábrica.
Conforme já comentei em outras oportunidades, reinstalar do zero as versões mais recentes do Windows não é nenhum bicho de sete cabeças; atualizá-las, personalizá-las, restaurar backups e baixar e configurar os demais aplicativos, todavia, são etapas trabalhosas e vorazes consumidoras de tempo. Mas vamos tornar curta uma longa história (que começou no sábado, 14, e está sendo relatada no início da noite de terça, 17), passando sem mais delongas ao mote desta postagem:

Uma das primeiras providências “pós-reinstalação” que devemos adotar remete à proteção do sistema, e como licença do AVAST INERNET SECUITY estava para expirar, resolvi instalar o MCAFEE INTERNET SECURITY que veio de brinde com o meu PC. Durante o processo, o fabricante informou que não havia mais suporte para aquela versão, mas da feita que eu procedi ao registro, recebi as atualizações – e assim ganhei 60 dias para escolher com calma qual a ferramenta que ira sucedê-la.

Observação: Bem que o antivírus chinês Baidu postulou a vaga, surgindo como num passe de mágica na minha lista de aplicativos instalados. Felizmente, ele respondeu bem à remoção pelo desinstalador nativo do Windows (caso isso não ocorresse, a solução seria dar um clique direito sobre o atalho criado no desktop e, no menu suspenso, selecionar a opção Abrir Local do Arquivo, clicar em Uninstall e seguir as instruções na tela).
Cerca de 30 horas depois (distribuídas ao longo de três dias), eu me dai por satisfeito com o resultado do trabalho, e como estava acostumado a usar o excelente TUNEUP UTILITIES (que eu não reinstalei porque licença também estava nas últimas), aproveitei a promoção de Carnaval da AVG para adquiri-lo em conjunto o INTERNET SECURITY com 30% de desconto e em seis parcelas no cartão.
Depois de preencher o cadastro, efetuar o pagamento e receber as chaves de ativação, fiz o download dos arquivos de instalação e fui remover a suíte da McAfee... e aí começou a aporrinhação.
Por medida de cautela, sempre que posso eu uso um desinstalador dedicado – como o REVO UNINSTALLER, o ASHAMPOO MAGIC UNINSTALL ou o IOBIT UNINSTALLER – que, ao final da desinstalação padrão, remove a maioria das sobras indesejáveis. E foi o que fiz. Em seguida, instalei os programinhas que acabara de baixar do site da AVG, procedi às necessárias atualizações e, em vez de comandar mais uma reinicialização (a pobre da máquina nunca foi reiniciada tantas vezes em seus 3 anos de existência), desliguei o PC e deixei o resto para o dia seguinte.
Na manhã de terça-feira, tão logo liguei o computador, o antivírus foi atualizado e realizou uma varredura completa (a primeira da sua gestão). Como nenhum item suspeito foi identificado, instalei Superantispyware – que, como sempre, removeu dezenas de PUPs (potentially unwanted programs) – e o Malwarebytes Antimalware – famoso por identificar e remover pragas que mesmo os melhores antivírus pagos costumam deixar para trás. Momentos depois, reparei que o escudo do McAfee Internet Security "me observava" da Área de Notificação, e bastou que eu clicasse sobre ele para que a janela principal do programa se abrisse, como um Egum mal despachado que resolvesse me assombrar. E por mal dos pecados, agora não havia entradas em Todos os Programas ou na lista dos desinstaladores, até porque, ao menos tecnicamente, a suíte fora defenestrada com sucesso no dia anterior.
Livrei-me dos plugins associados à McAfee e apaguei todas as pastas e arquivos relacionados com seu IS que consegui localizar via caixa de pesquisas do Menu Iniciar, mas, curiosamente, nada disso teve o efeito desejado: qual uma Phoenix digital, o programinha simplesmente ressurgias das cinzas.
Para encurtar a conversa – até porque não interessam ao leitor os detalhes do perrengue em que me meti, mas sim saber o que fazer para se safar de uma sinuca de bico como essa –, vamos à solução do problema:

O primeiro passo é baixar e executar o McAfee Consumer Product Removal. Clique aqui para fazer o download e salve o arquivo na sua Área de Trabalho.

Observação: Não guarde a ferramenta para uso futuro, pois ela é atualizada periodicamente, à medida que novos produtos são lançados, e a execução de uma versão antiga pode causar problemas.

Se nem isso resolver o problema, acesse sua conta da McAfee e desative a licença do computador, de modo a garantir que ela será liberada para uma instalação posterior (mesmo que você não pretende reinstalá-lo). Para isso, navegue até http://home.mcafee.com, clique em Minha conta (no canto superior direito), digite o e-mail e a senha cadastrados, clique Efetuar login, identifique o computador cuja licença deseja suspender, clique em Desativar e siga as instruções na tela.

Quando visualizar a mensagem Limpeza bem-sucedida, reinicie o sistema para efetivar a remoção dos produtos McAfee.

Espero ter ajudado.

Passemos agora ao nosso tradicional humor de sexta-feira.


Uma velhinha caminhava pela calçada arrastando 2 sacos plásticos de lixo. Uma das sacolas estava rasgada e deixava ver, pelo buraco, várias notas de 20 reais .
 Um policial que passava a parou e disse:
 — Senhora, tem notas de 20 caindo desse saco plástico.
 — É mesmo? Que droga! — respondeu a velhinha. — Melhor eu voltar e ver se eu pego as que caíram. Obrigado seu guarda por me avisar.
 — Pera aí senhora, onde conseguiu todo esse dinheiro? A senhora não andou roubando, né?
 — Não, não… sabe seu guarda, o meu quintal dá para um campo de golfe, e os golfistas urinam por um buraco que tem na minha cerca, direto no meu canteiro de flores. Isso realmente me incomodava; sabe, matava minhas flores. Então eu pensei: Porque não me aproveitar dessa situação? Agora eu fico bem quieta, atrás do buraco na cerca, com a minha tesoura de jardim. Toda vez que algum golfista enfia o “instrumento” através da minha cerca, eu pego ele de surpresa, agarro o instrumento e digo: OK amigão, ou me paga 20 reais ou eu corto essa coisa.
 — Parece justo, — diz o policial rindo da história. — OK, boa sorte! Mas, a propósito, o que tem no outro saco?
 — Bem, você sabe… — diz a velhinha. — Nem todos pagam…


Em tempo: Para os não-oriundi, a tradução do que está escrito na figura que ilustra esta postagem é a seguinte: JAMAIS DISCUTA COM UM IDIOTA; AS PESSOAS PODEM NÃO NOTAR A DIFERENÇA.

Tenham todos um excelente final de semana.
Postar um comentário