segunda-feira, 30 de março de 2015

SMART TV, BROADCAST, CHROMECAST E CIA. LTDA.

NÃO EXISTE NADA PIOR PARA UM MAU PRODUTO DO QUE UMA BOA PROPAGANDA.

A Televisão chegou ao Brasil em setembro de 1950, por iniciativa Assis Chateaubriand. Mais adiante vieram os televisores portáteis, o Vídeo Tape, a transmissão em cores, o sinal por satélite, o controle remoto sem fio, o videocassete, a TV por assinatura e os DVD Players não necessariamente nessa ordem , bem como as telas de plasma e LCD, a transmissão digital e a TV 3D, dentre outros aprimoramentos jamais sonhados pelo “magnata das comunicações”, falecido em 1982, quando a Tupi (da qual ele foi fundador) e suas afiliadas não estavam mais no ar.

Para mim, que ainda lembro dos programas em preto-e-branco da década de 1960 e dos caríssimos televisores em cores da primeira safra, é difícil de acreditar que uma elegante Smart TV LCD com recursos de fazer inveja aos famosos canivetes Victorinox custe menos do que um almoço com a família numa churrascaria de boa estirpe.

Observação: No Fogo de Chão, p. ex., com o rodízio o R$ 130 por cabeça e aperitivos, bebidas e sobremesas com preços nas nuvens, uma família de 5 pessoas dificilmente gasta menos de R$ 1.000 valor que dá para comprar uma Smart TV Semp Toshiba DL 40L5400 FULL HD Wi-Fi 3 HDMI 2 USB 60 HZ na Americanas.com (R$ 999 ou 12 x R$ 89,87, que em tempos de coxão-mole a quase R$ 30 o quilo, é uma oferta e tanto).

Mas a evolução tecnológica também vem mudando nossos hábitos: se até algum tempo atrás víamos TV na sala (ou no quarto) e usávamos o computador no escritório (ou em algum cômodo da casa que lhe fizesse as vezes), hoje assistimos a filmes no PC, usamos a TV como monitor de grandes dimensões e, se temos uma SMART TV, conectamos a Internet através dela para, dentre outras coisas, aproveitar o aumento da oferta de conteúdo interativo e criar nossa própria programação.

As SMART TVs estão para os televisores convencionais como os smartphones para os primeiros telefones celulares aqueles tijolões com telas monocromáticas que mal serviam para fazer e receber ligações por voz. Seu principal diferencial (das TVs inteligentes, não dos telefones) é disponibilizar vários níveis de conectividade, seja através da Internet, seja mediante sua integração com outros gadgets multimídia.

Observação: Note que alguns modelos oferecem navegador nativo e Wi-Fi integrado, ao passo que outros proporcionam somente suporte ao Wi-Fi (ou seja, requerem um adaptador que normalmente é conectado ao televisor via USB). Outros, ainda, disponibilizam apenas a arcaica conexão via cabo de rede, mas os mais sofisticados (e mais caros) permitem usar comandos de voz e gestos, navegar na Web, rodar aplicativos e até realizar videoconferências.

Como eu disse numa postagem de janeiro de 2013, logo teremos telas flexíveis e capazes de incorporar as cores e o layout do ambiente, tornando-se transparentes quando o televisor estiver desligado; o controle remoto será substituído por um sensor de movimento, com suporte a reconhecimento facial, e a exibição das imagens em 3D dispensará o uso de óculos. Já a iTV, ainda em desenvolvimento pela Apple, promete projetar as imagens sob a forma de hologramas e exibir simultaneamente quatro telas, permitindo que pessoas num mesmo ambiente executem atividades distintas, tais como assistir a filmes, navegar na Web ou jogar games. Enfim, é esperar para ver.


Para evitar que esta postagem se estenda demasiadamente, vamos deixar o CHROMECAST e demais assuntos para amanhã. Abraços e até lá.
Postar um comentário