segunda-feira, 9 de março de 2015

WINDOWS 7 – PARTICIONAMENTO DO HD

TUDO BEM QUE AS COISAS NÃO DEEM SEMPRE CERTO, MAS SEMPRE ERRADO É UM POUCO DEMAIS, NÉ?

Até o início da década passada, a maioria de nós se arrepiava só de pensar em reinstalar o Windows. Não porque o procedimento fosse especialmente complicado – embora também não fosse o obelisco da simplicidade, é bom que se diga –, mas, sim, devido à indefectível perda de arquivos pessoais, às vezes de difícil recuperação. Naquela época, vale lembrar, os computadores de grife dificilmente traziam o HDD particionado, e alterar essa configuração com o sistema já instalado era um procedimento arriscado e que só podia ser levado a efeito com ferramentas de terceiros, como o então famoso Partition Magic

Assim, ao backup restava o velho disquete, cujo problema de espaço (1,38 MB por unidade, o que corresponde a pouco mais de um minuto de música em MP3) era contornado mediante a divisão e distribuição dos arquivos por dois ou mais discos (o próprio Windows foi comercializado dessa maneira até sua versão 95, que ocupava 13 unidades, mas bastava uma delas embolorar ou desmagnetizar – o que não era raro acontecer – para comprometer todo o conjunto).

Observação: O disquete foi criado pela Sony na década de 70 e viveu seus anos dourados nas de 80 e 90, período em que foi amplamente utilizado no armazenamento externo e transporte de arquivos digitais, a despeito de embolorar e desmagnetizar com facilidade, e de sua capacidade miserável. Em 2011, a absoluta falta de demanda levou a Sony a jogar a toalha – e uma pá de cal sobre esse tipo de mídia.
     
Por volta de 1995, a IOMEGA lançou o Zip Drive (figura à direita), com capacidade inicial de

100 MB, mas o preço elevado e outros fatores que agora não vêm ao caso deram cabo dele em poucos anos. Nesse entretempo, o CD-ROM – criado nos anos 1980 com vistas ao mercado fonográfico – começou a ser usado na distribuição dos arquivos de instalação de softwares, e sua popularização levou os usuários a agregarem “kits multimídia” aos seus PCs, de modo a capacitá-los tanto a tocar música quanto a instalar novos aplicativos. No entanto, como esse tipo de mídia óptica não podia ser gravada e regravada pelos usuários, os anacrônicos drives de disquete acompanharam nossos PCs até poucos anos atrás – mais por uma questão protocolar do que por real necessidade, diga-se de passagem.

Enfim, as leitoras cederam lugar aos gravadores de mídias ópticas, que, nas versões R e RW, continuam sendo amplamente utilizados, inclusive no armazenamento de backups – até porque a capacidade de um CD é de 700 MB, e a de um DVD, 4,7 GB – embora o preço dos drives de HD USB (externos) e dos pendrives de grandes capacidades tenha caído bastante, de uns tempos para cá. 

Seja como for, só temos a ganhar dividindo nosso HD interno em duas partições e separando o SO e os programas dos arquivos pessoais – espaço para isso é o que não falta, já que modelos mais recentes permitem armazenar de 500 GB a 6 TB. Com isso, blindamos nossos arquivos pessoais contra a ação de malwares, pois, caso precisemos formatar a unidade de sistema para reinstalar o Windows do zero, a partição dos dados permanecerá intocada.

Observação: Vale salientar que esse procedimento não protege os dados em caso de pane física do HD, situação em que ambas as unidades lógicas podem restar inacessíveis.

Para não estender demasiadamente este post, continuaremos amanhã. Abraços a todos e até lá.

Postar um comentário