sexta-feira, 8 de maio de 2015

SMARTPHONES - INTERNET VIA 3G/4G - ARAPUCA DAS OPERADORAS

CINQUENTA ANOS ATRÁS, EU SABIA TUDO. HOJE, SEI QUE NADA SEI. A EDUCAÇÃO É A DESCOBERTA PROGRESSIVA DA NOSSA IGNORÂNCIA.

O minuto de ligação via rede celular no Brasil está entre os mais caros do mundo, segundo um levantamento feito no ano passado pela UIT (União Internacional de Telecomunicações, órgão ligado às Nações Unidas). O SINDITELEBRASIL contesta a metodologia, alegando que a pesquisa teria sido baseada no preço-teto homologado pela ANATEL, e não no preço médio praticado pelas operadoras (em torno de US$ 0,07 por minuto de ligação), embora reconheça que as empresas inflacionam as tarifas que submetem ao órgão regulador e depois oferecem as mais variadas “promoções” para manter a competitividade de seus serviços (tais como ligações gratuitas ou ilimitadas a preço fixo entre números da mesma rede, “pacotes” de torpedos, franquias de dados para navegação na Web, e por aí vai).

A despeito do desconforto proporcionado pelas telinhas dos smartphones, a navegação móvel cativa a clientela e contribui significativamente para encher as burras das operadoras. No entanto, seja por falta de infraestrutura que lhes permitia fazer frente à crescente demanda, seja para forçar os usuários a migrar para planos mais caros, as empresas mudaram as regras do jogo, primeiro estipulando franquias miseráveis, cujo consumo integral implicava na redução da velocidade de navegação, e, mais adiante, com a pura e simples suspensão do serviço (para mais detalhes, clique aqui e aqui).

Felizmente, na última segunda-feira a Justiça do Rio de Janeiro determinou que as operadoras mantenham o acesso à Internet móvel mesmo depois que o usuário esgote a franquia de dados contratada. Em caráter liminar, essa decisão é válida para todo o estado e alcança as quatro principais operadoras de telefonia celular ─ que, em sua defesa, alegam motivos técnicos para o bloqueio do sinal, embora o PROCON classifique a medida como "má-fé", pois os princípios que regem as relações de consumo asseguram ao consumidor informações claras e adequadas sobre os produtos e serviços, bem como o protegem contra publicidade enganosa e práticas comerciais desleais ou coercitivas.

Observação: O Rio não foi o primeiro Estado brasileiro a proibir esse acinte; anteriormente, o Maranhão e o Acre já haviam feito o mesmo. Tomara que os bons ventos espalhem esse fumus boni iuris pelos demais Estados da Federação, mas como estamos no Brasil, nunca se sabe...

Para adicionar um pouco de “cor pessoal” a esta postagem, segue um breve relato da minha experiência com a telefonia celular em solo tupiniquim, que remonta ao apagar das luzes do século passado, quando me tornei cliente da TELESP CELULAR e, mais adiante, da BCP:

Quando a TIM trouxe a tecnologia GSM para São Paulo, fui um de seus primeiros clientes, e assim permaneci até meados da década passada, quando migrei para a CLARO (vale mencionar que, nesse entretempo, usei também serviços da VIVO e da OI, embora como opções secundárias e por períodos relativamente curtos). Enfim, se, com a TIM, o único problema foi alguém tentar adquirir um plano usando meus dados cadastrais (a operadora bloqueou a transação e entrou em contato comigo no primeiro dia útil consecutivo), minha relação com a CLARO foi bem mais pródiga em adversidades, a começar pelo fato de o aparelho e o SIM Card, adquiridos via telemarketing, terem sido entregues em outro endereço, o uso indevido da linha ter gerado uma conta que me foi apresentada anos depois (perdi horas e horas pendurado na linha para convencer a empresa de que a cobrança era indevida). Outro perrengue digno de nota se deu em meados de 2012, quando troquei meu plano pós-pago por um Controle 50 e a partir daí comecei a receber duas contas (para resolver o problema foi preciso pedir socorro à ANATEL). Quando minha fatura passou de R$50 para R$53,90 (sem prévio aviso), descobri pelo site da empresa que meu plano tinha sido descontinuado e que o mais parecido era (e continua sendo) o Controle R$51,90.  Com efeito, as mensagens de texto (SMS), ligações de Claro para Claro e para telefones fixos e celulares de outras operadoras têm custos semelhantes, e a franquia mensal (R$31,90) também empata, mas o valor da fatura não bate e os R$0,99 por dia, que remetem ao uso da rede 4G, são debitados mesmo quando eu não utilizo o serviço.

O jeito será buscar esclarecimentos junto à dona CLARO, mas confesso que isso não me anima, pois é preciso muita sorte e um bocado de paciência para falar com um atendente que tenha boa vontade e capacidade para prestar um atendimento eficiente, e a maioria deles não sabe sequer o que está fazendo ali. Infelizmente.

Mas como hoje é sexta-feira:

As Cinquenta Sombras de Grey (versão alentejana).

Quatro alentejanos costumavam ir pescar sempre na mesma época, montando um acampamento para o efeito. Neste ano, a mulher do João bateu o pé e disse que ele não ia. Profundamente desapontado, João telefonou aos companheiros e disse-lhes que desta vez não podia ir porque a mulher não deixava.
Dois dias depois, os outros chegaram ao local do acampamento e, muito surpreendidos, encontraram lá o João à espera deles, com a sua tenda já armada.
- Atão, João, comé que conseguisti convencer a patroa a deixar-te viri?
- Bêm, a minha mulheri tên estado a ler "As Cinquenta Sombras de Grey" e, ontem à nôte, depois de acabar a última página do livro, arrastô-me para o quarto. Na cama, havia algemas e cordas! Mandô-me algemá-la e amarrá-la à cama e opois disse: Agora, faz tudo o que quiseres...
E Ê ... VIM PESCARI !

Bom final de semana a todos e até mais ler.
Postar um comentário