segunda-feira, 10 de agosto de 2015

WINDOWS 10 / DESKTOP, ALL IN ONE OU NOTEBOOK, QUAL A MELHOR OPÇÃO?

QUEM NÃO É COMUNISTA NA JUVENTUDE NÃO TEM CORAÇÃO, MAS QUEM CONTINUA COMUNISTA NA IDADE MADURA NÃO TEM CÉREBRO.

Conforme eu comentei recentemente na minha comunidade de informática, o upgrade gratuito para o Windows 10 é uma estratégia de marketing que visa agilizar a adoção do novo sistema. Todavia, segundo alguns analistas a coisa vai mais além. Até porque o upgrade é gratuito, mas o restante, do MS Office ao Cortana e ao Xbox, foi planejado para encher as burras da empresa. Isso sem mencionar que, se você não tem uma versão do Windows elegível para a atualização gratuita, terá de gastar, no mínimo, R$ 330 numa cópia selada do novo sistema (a menos que se valha do estratagema que eu sugeri nesta postagem, naturalmente, que evita a clandestinidade e reduz significativamente o desembolso). Para não estender demais este preâmbulo e passar de vez ao post do dia, o link que remete à minha comunidade, onde você poderá ler a íntegra da matéria, é http://vai.la/fHE5.  

Os notebooks já foram conhecidos como laptops e destinados quase que exclusivamente a um segmento de usuários composto por executivos que precisavam de mobilidade e novos ricos que buscavam notoriedade, mas de uns tempos a esta parte eles vêm se mostrando cada vez mais vocacionados a substituir o velho PC de mesa. Aliás, eu mesmo fui um dos precursores dessa prática, e como os pioneiros são reconhecidos pela flecha espetada no peito, meu primeiro note, comprado em agosto de 2003, custou o equivalente a 22 salários mínimos!      

Portáteis de configuração mediana ainda custam mais do que desktops com recursos equivalentes, mas são excelentes para quem dispõe de pouco espaço e tem ojeriza àquela incomodativa macarronada de cabos e fios. Se dinheiro não é problema, não é preciso abrir mão do desempenho para ter mobilidade ─ e conforto: com um roteador Wi-Fi estrategicamente posicionado, é possível usar o aparelho enquanto toma a fresca da tarde na varanda ou mesmo enquanto atende um "chamado da natureza".

PCs "ALL IN ONE" também são excelentes alternativas aos modelos convencionais, pois trazem a placa-mãe e demais componentes internos embutidos na face posterior do monitor de vídeo, proporcionando um visual clean e uma significativa economia de espaço sobre a mesa de trabalho (onde, além do próprio monitor, será preciso manter somente o teclado e o mouse (de preferência wireless). Existem até modelos com telas de 27 polegadas, que podem ser pendurados na parede da sala e usados também para assistir a filmes em DVD ou streaming de vídeo, jogar games radicais, e por aí vai.

Observação: A vantagem adicional do notebook é a possibilidade de desligá-lo da tomada a qualquer momento e levá-lo para um final de semana na praia ou alguns dias de férias no campo, por exemplo, evitando, dentre outros aborrecimentos, o risco inerente ao uso de máquinas públicas em lanhouses, cybercafés, etc. Por outro lado, se você é adepto do "faça você mesmo", convém pensar duas vezes antes de abandonar a plataforma desktop, já que, quando de trata de manutenção e eventuais upgrades de hardware, nos portáteis "o buraco é mais embaixo".

Embora a preferência dos usuários por máquinas menores, mais leves e fáceis de transportar venha se delineando, nem pense em usar smartphones ou tablets como substitutos do desktop (ou mesmo do notebook). Os smartphones são celulares "metidos a besta", que posam de computador de bolso, mas ficam sem energia assim que você se anima a utilizá-los como tal. Já os tablets não são nem uma coisa nem outra: como telefone, eles lhe dão a sensação de estar falando numa tábua de fatiar churrasco, e como computador... Bom, é de se convir que suas telas de dimensões maiores que as dos dumbphones facilitam a navegação, mas digitar mais do que uma ou duas palavras naqueles incômodos teclados virtuais já é outra história.       

Para concluir, cumpre dedicar algumas linhas aos netbooks e ultrabooks:

·        Os netbooks surgiram quando a popularização da Web 2.0 delineava um cenário onde os serviços online substituiriam os aplicativos residentes e os discos virtuais se tornariam a opção primária para armazenamento dos dados. Com o trabalho pesado sendo realizado na nuvem, os fabricantes cortaram custos suprimindo o drive óptico, reduzindo o número de portas para conexão de periféricos e restringindo ao mínimo indispensável a quantidade de memória de massa e de memória RAM, bem como do poder de processamento da CPU. Mais adiante, com o sucesso do iPad e a subseqüente disseminação dos tablets em geral, os netbooks se tornaram uma opção a ser evitada (da mesma forma que os carros 1.0; afinal, quem gosta de motorzinho é dentista).

·        Os ultrabooks são aparelhos que priorizam a mobilidade e a portabilidade, como os netbooks, mas oferecem desempenho compatível com o dos notebooks. Esse conceito, formulado pela INTEL em 2011, era de início um tanto impreciso, mas as definições mais recentes exigem explicitamente telas sensíveis ao toque compatíveis com o Windows 8, suporte a comandos de voz e ao Intel Wireless Display, autonomia de 6 horas de reprodução de vídeo em full HD e/ou 9 horas com o sistema carregado, mas ocioso, além da capacidade de "acordar" da hibernação em menos de 3 segundos (isso só é possível graças aos drives de estado sólido, cuja utilização também é obrigatória). Adicionalmente, todos os ultrabooks devem vir com uma solução antivírus e oferecer suporte às tecnologias antifurto e de proteção à identidade da Intel (é por isso que a empresa desembolsou mais de US$ 7 bilhões na compra da McAfee em 2010).

Fica a critério do freguês. Abraços a todos e até a próxima.  
Postar um comentário