segunda-feira, 14 de setembro de 2015

COMPUTADOR "DE GRIFE" VEM MESMO PRONTO PARA USO?

QUEM TEM CAUTELA AJUDA O SOL COM UMA VELA.

Como sabemos, o passar do tempo e o uso normal do PC degradam o desempenho do sistema, e a respectiva reinstalação, como praga de madrinha, pode até tardar, mas jamais falhar. Entretanto, por uma série de razões que discutiremos no transcurso desta e da próxima postagem, isso não significa que seu aparelho esteja em sua "melhor forma" no momento em que você o tira da caixa. Acompanhe.

Observação: Felizmente, manutenções preventivo-corretivas podem espaçar as reinstalações, especialmente quando o usuário se vale de suítes dedicadas (como o festejado CCleaner, que a agente analisou recentemente), pois as ferramentas nativas do Windows atuam somente sobre o HDD e se limitam a remover arquivos inúteis, excluir erros e desfragmentar os dados, embora fosse desejável que a Microsoft oferecesse também um utilitário para limpeza e compactação do Registro.

Até poucos anos atrás a maioria dos PCs era composta por máquinas sem marca, montadas por integradores independentes ou pelos próprios usuários (não por acaso, esses foram também os "anos dourados" dos cursos de montagem e manutenção de micros). Todavia, o fim da reserva de mercado (um das poucas heranças positivas do governo Collor), somado à estabilidade econômica promovida pelo Plano Real e a outros fatores que agora não vêm ao caso, propiciou um progressivo barateamento das "máquinas de grife" e levou boa parte dos consumidores a abandonar o "mercado cinza", ainda que isso implicasse em abrir mão da possibilidade de escolher "a dedo" a configuração de hardware, e restringisse as opções a aceitar ou recusar os modelos disponibilizados por empresas como Acer, Dell, HP, Positivo, etc. (para saber mais, reveja esta postagem e a complementação subsequente).

Note que a aquisição de um PC "pronto para uso" oferece diversas vantagens, dentre as quais a garantia do fabricante (que nem sempre funciona a contento, mas isso é uma história que fica para outra vez) e a comodidade de trazer SO pré-instalado. Desse modo, dentre outras providências essenciais numa "integração independente", você está desobrigado de adquirir uma cópia licenciada do Windows e proceder pessoalmente à instalação, de configurar o CMOS Setup, instalar adequadamente os drivers da placa-mãe (chipset) e dos dispositivos, e por aí afora.

Por outro lado, colocar o computador novo em uso vai além de retirá-lo da embalagem, conectar os periféricos, plugar o cabo de energia, pressionar o botão de Power e voilà. Para saber por que, volte amanhã e leia a continuação desta matéria. Abraços e até lá.
Postar um comentário