segunda-feira, 5 de outubro de 2015

HACKERS OU CRACKERS?

CERTAS PESSOAS SÃO COMO NUVENS: BASTA QUE ELAS SUMAM PARA O DIA FICAR LINDO.

O termo Hacker tem origem nobre. Ele foi cunhado em meados do século passado para designar indivíduos que, movidos pelo desejo de aprimorar seus conhecimentos, utilizam a expertise tecnológica para fins éticos e legítimos, ainda que, por vezes, cruzando a tênue linha que separa o lícito do ilícito.
Para um hacker "do bem", um sistema seguro é como o Monte Everest para um alpinista: um desafio. Bill Gates e Steve Jobs (fundadores da Microsoft e da Apple, respectivamente) são bons exemplos de “Old School Hackers hackers tradicionais, ou da “velha escola” , embora haja quem não se conforme com o fato de Gates ter adquirido o QDOS por módicos US$50 mil e revendido para a IBM depois de trocar o nome para MS DOS, dando início, assim, a sua jornada em direção ao topo da listas dos bilionários da Forbes.

Observação: Segundo algumas fontes, o custo total do MS DOS foi de US$1 milhão, aí considerados os US$925 mil que a Microsoft pagou à Seattle Computers para por fim a uma ação judicial que, soube-se mais tarde, teria sido julgada em favor da demandante, e custado à empresa de Redmond a “bagatela” de US$60 milhões. Ainda assim, o contrato celebrado com a IBM previa o pagamento de R$60 por cada cópia instalada, e isso foi o primeiro passo de Bill Gates em direção ao topo da lista dos bilionários da Forbes, mas isso já é uma história que fica para outra vez (por enquanto, assista a  este vídeo).

Claro que não faltam hackers mal-intencionados (afinal, todo rebanho tem suas ovelhas-negras). Kevin Mitnick, por exemplo, considerado durante anos como “o maior hacker de todos os tempos”, ganhou (má) fama na década de 1980, quando, aos 17 anos, invadiu o Comando de Defesa do Espaço Aéreo Norte-Americano (dizem até que ele chegou a figurar na lista das pessoas mais procuradas pelo FBI).

Embora a língua seja dinâmica e o uso consagre a regra, não é apropriado (para dizer o mínimo) tratar por hacker indivíduos que se dedicam a pichar sites, desenvolver códigos maliciosos e tirar proveito da ingenuidade alheia ou a ganância, em certos casos. Para esses, a Comunidade Hacker cunhou o termo cracker, ainda que, por qualquer razão insondável, essa distinção seja solenemente ignorada, inclusive pela mídia especializada. Há quem divida os hackers em subcategorias, conforme seus propósitos e “modus operandi”. Os “bonzinhos” (White Hats ou “chapéus brancos”) costumam praticar invasões para exercitar seus talentos ou ganhar o pão de cada dia contribuindo para o aprimoramento da segurança de softwares, testando o grau de vulnerabilidade de sistemas e redes corporativas, e por aí vai (alguns chegam a fazer fortuna, como foi o caso de Larry Page e Sergey Brin, p.ex., que, para quem não sabe, são os criadores do Google). Já os “vilões” (Black Hats ou “chapéus pretos”) costumam se valer da Engenharia Social para explorar a ingenuidade ou a ganância dos usuários e obter informações confidenciais, notadamente senhas bancárias e números de cartões de crédito. Claro que eles também se valem de programas em suas práticas escusas, mas a muitos deles nem se dão ao trabalho de desenvolvê-los (até porque nem tem expertise para tanto), já que contam com um vasto leque de ferramentas prontas à sua disposição nas centenas de milhares de “webpages hacker” aspecto que facilita sobremaneira a ação dos newbbies (novatos). Para capturar senhas, por exemplo, os piratas de rede utilizam de simples adivinhações a algoritmos que geram combinações de letras, números e símbolos.

Observação: O método de quebrar senhas por tentativa e erro é conhecido como “brute force attack”, quando consiste em experimentar todas as combinações alfanuméricas possíveis (pode demorar, mas geralmente acaba dando certo), ou como “dictionary attack”, quando testa vocábulos obtidos a partir de dicionários.

Os vírus de computador que sopraram recentemente sua 30ª velinha já causaram muita dor de cabeça, mas como não proporcionam vantagens financeiras a seus criadores, foram substituídos por códigos maliciosos que, em vez de pregar sustos nos usuários dos sistemas infectados, destruir seus arquivos, minar a estabilidade ou inviabilizar a inicialização do computador, passaram a servir de ferramenta para roubos de identidade e captura de informações confidenciais das vítimas (seja para uso próprio, seja para comercializá-las no “cyber criminal undergroud”. Mesmo assim, diante de milhões de malwares conhecidos e catalogados (aos quais se juntam diariamente centenas ou milhares de novas pragas eletrônicas), é preciso tomar muito cuidado com anexos de e-mail e links cabulosos (que representam a forma mais comum de propagação dessas pestes), bem como com redes sociais, programas de mensagens instantâneas, webpages duvidosas, arquivos compartilhados através de redes P2P, e por aí vai.

Dentre diversas outras ferramentas amplamente utilizadas pelos criminosos digitais estão os spywares (programinhas espiões), os trojan horses (cavalos de troia) e os keyloggers (programinhas que registram as teclas pressionadas pelo internauta em sites de compras e netbanking e repassam as informações ao cibercriminoso que dispõe do módulo cliente). Ao executar um código aparentemente inocente, você estabelece uma conexão entre seu computador e o sistema do invasor, que poderá então obter informações confidencias, roubar sua identidade ou transformar sua máquina em um zumbi (ou “bot”) para disseminar spam ou desfechar ataques DDoS (ataque distribuído por negação de serviço).

Para concluir, vale lembrar que quase tudo tem várias facetas e aplicações. Praticamente qualquer coisa de um prosaico lápis ou uma simples faca de cozinha a um veículo automotor, p.ex. pode se transformar em arma letal se utilizada por pessoas mal-intencionadas. E a popularização da internet facilitou o entrosamento dos crackers com pessoas de interesses semelhantes no mundo inteiro, aspecto em grande parte responsável pelo crescimento assombroso da bandidagem digital.

Barbas de molho, pessoal.
Postar um comentário