terça-feira, 13 de outubro de 2015

VOCÊ SABE O QUE SÃO COOKIES?

O QUE VOCÊ PENSA DE MIM NÃO VAI MUDAR QUEM EU SOU, MAS PODE MUDAR O QUE EU PENSO DE VOCÊ.

Se você fica com água na boca quando ouve falar em cookies, sinto desapontá-lo, mas o foco desta matéria não são os deliciosos biscoitinhos assados, e sim seus homônimos digitais, que correspondem a “pedaços de dados” enviados por websites e armazenados em pequenos arquivos de texto no HDD do PC.
Essa tecnologia foi projetada originalmente para “antecipar” ao servidor as nossas atividades e dispensar-nos de inserir dados de login ou preencher cadastros em páginas que visitamos anteriormente, mas também serve para medir o acesso aos sites, identificar o meio pelo qual chegamos até eles e quais as seções que mais despertaram nosso interesse, de maneira a exibir mensagens publicitárias adequadas ao nosso perfil.

Observação: Os cookies podem ser próprios ou de terceiros. Os próprios são definidos pelo domínio do site que figura na barra de endereço, ao passo que os de terceiros provêm de outras fontes do domínio que têm itens como anúncios ou imagens incorporados às páginas. Convém não confundir cookies com arquivos temporários de Internet, que, no Windows, ficam armazenados na pasta Temporary Internet Files. Diferentemente do histórico de navegação, por exemplo, que exibem para quem quiser ver o roteiro da nossa navegação, os cookies não costuma oferecer risco à nossa privacidade, embora possam se tornar perigosos quando acessados por pessoas mal-intencionadas (segundo a Symantec, crackers utilizam golpes em XSS e até técnicas de Phishing para colher os dados disponíveis nos cookies).

Conhecendo o caminho das pedras (que varia um pouco de um navegador para outro), você pode deletar os cookies já salvos no seu PC e criar regra para a gravação dos novos. Veja como:

No Chrome (que desbancou o MS Internet Explorer em meados de 2012 e desde então não parou de crescer na preferência dos usuários do mundo inteiro), todos os cookies são permitidos por padrão. Para ajustar essa configuração, clique no botãozinho com três linhas horizontais - no canto superior direito da janela do navegador, logo após a barra de endereços –, selecione Configurações, clique em Mostrar configurações avançadas e, na seção Privacidade, pressione o botão Configurações de conteúdo. Na seção Cookies, você pode excluir os ditos-cujos, permitir ou bloquear sua gravação por padrão, mantê-los salvos somente até que a sessão de navegação seja encerrada, criar exceções para itens de sites ou domínios específicos, e por aí afora. 

No MS Internet Explorer, acesse o menu Ferramentas, clique em Opções de Internet e, na guia Privacidade, escolha um dos níveis de bloqueio (que vão desde aceitar até bloquear todos os cookies). Para excluir os cookies, clique na guia Geral e, em Histórico de navegação, pressione o botão Excluir e faça os ajustes desejados. Ao final, caso queira que o navegador se encarregue de apagar aos dados automaticamente, ao final de cada sessão, clique na guia Geral e marque a caixa Excluir histórico de navegação ao sair.

No Mozilla Firefox, clique no botão com três traços horizontais (que, como no Chrome, fica na extremidade superior direita da janela), selecione Opções > Privacidade e, no campo Histórico, selecione a opção Usar minhas configurações e faça os ajustes através das caixas de verificação e dos botões Exceções e Exibir cookies. Se quiser automatizar a exclusão dos dados de navegação quando fechar o browser, marque a caixa respectiva, pressione o botão Configurar e defina o que deve ou não ser excluído.

Observação: Para manter os cookies dos sites confiáveis, clique em Exceções e, em Endereços do site, insira as URLs cujos cookies primários você deseja manter; clique em Permitir para cada uma delas, clique em Fechar e dê OK.

Vale lembrar que muitos sites não irão funcionar se os cookies forem bloqueados; o Flickr e alguns serviços Google, como Orkut, Gmail e Blogger são bons exemplos deles.

Abraços e até mais ler.
Postar um comentário