quarta-feira, 11 de novembro de 2015

COMO FUGIR DE SITES SUSPEITOS E PRESERVAR O PC LIVRE DE PRAGAS DIGITAIS.

O CÃO QUE MORDE UMA VEZ SEMPRE VOLTA A MOSTRAR OS DENTES. 

Navegar na Web já foi como passear no parque, mas hoje em dia está mais para safári na Jungle. Além de centenas de milhares de malwares (ou milhões, conforme a metodologia utilizada na contabilização das pragas) que nos espreitam a cada marola, corremos o risco de ter nosso sistema invadido e controlado remotamente, de ver nossos arquivos sequestrados, de participar involuntariamente de ataques DDoS (sigla em inglês para ataque distribuído de negação de serviço), e por aí afora.

Para piorar, foi-se o tempo em que bastava instalar um antivírus e deixar o barco correr solto. Atualmente, é imperativo contar com uma boa suíte de segurança ─ ou municiar o arsenal de defesa com um firewall poderoso e um antispyware responsável, além de programinhas anti-spam, anti-phishing, anti-rootkit e outros que tais. Demais disso, como nenhum aplicativo é 100% idiot-proof, é fundamentar cultivar hábitos que promovam uma navegação segura, tais como criar senhas fortes, habituar-se a fazer logoff ao usar serviços de netbanking e compras online, webmail e assemelhados, recorrer à  navegação anônima sempre que possível, jamais abrir anexos suspeitos ou clicar em links maliciosos sem os devidos cuidados, e etcetera, etcetera, e tal.

A pergunta é: como diferenciar um anexo (ou um link) confiável de outro potencialmente inseguro? A resposta é inverter o velho axioma jurídico segundo o qual todos são inocentes até prova em contrário. Então, se você receber um email com um arquivo em anexo, salve o dito-cujo na sua área de trabalho, varra-o com o seu antivírus e, na dúvida, consulte um serviço online como o VIRUSTOTAL, que realiza uma bateria de testes utilizando mais de 50 ferramentas de segurança diferentes.

Para concluir, vale dedicar algumas linhas aos sites suspeitos ─ nos quais a navegação deve ser evitada ou, quando muito, feita com cuidados redobrados. Note que, por motivos óbvios, eles são difíceis de diferenciar de seus correspondentes legítimos ─ em muitos casos, sites legítimos são adulterados por cibercriminosos, o que os torna ainda mais perigosos. E como "separar o joio do trigo" a olho nu é quase impossível, o jeito é recorrer ao auxílio de ferramentas dedicadas, como o AVG ONLINE WEB PAGE SCANNER, que permite conferir de maneira simples, rápida e segura a idoneidade das webpages. Basta clicar aqui, preencher o campo "NÃO TEM CERTEZA SE UM WEBSITE É SEGURO?", clicar em VERIFICAR e aguardar alguns segundos para ter acesso à resposta.

Observação: Dentre outros serviços dignos de nota que funcionam basicamente da mesma maneira, vale citar o URLVOID, o SUCURI e o NORTON SAFE WEB.

Lembrem-se: Cautela e canja de galinha não fazem mal a ninguém.
Postar um comentário