quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

PREFETCH E SUPERFETCH — DESABILITAR OU NÃO (CONCLUSÃO)

(O AMOR) QUE NÃO SEJA IMORTAL, POSTO QUE É CHAMA, MAS QUE SEJA INFINITO ENQUANTO DURE.

O PREFETCH foi implementado no XP, rebatizado como SUPERFETCH no Vista e mantido com esse nome no Windows 7, 8 e 10, embora venha sendo aprimorada a cada nova edição do sistema. A Microsoft desenvolveu esse recurso visando aprimorar a performance do computador. Em linhas gerais, esse “pulo-do-gato” consiste em pré-carregar na memória as aplicações mais utilizadas, de modo a permitir que elas inicializem mais rapidamente. Mal comparando, seria como um uma “lista” dos aplicativos acessados com maior frequência, que o Windows utiliza e atualiza regularmente, de acordo com eventuais mudanças de hábito do usuário.

Face ao exposto, desabilitar o recurso em questão com o propósito de melhorar o desempenho do sistema parece um contrasenso. Mas basta pesquisar na Web para constatar que não faltam dicas recomendando essa medida (inclusive aqui no Blog, como você pode conferir revendo esta postagem — publicada em Julho de 2008).

Observação: Note que, então, a sugestão fazia sentido, quando nada porque limpar a pasta PREFETCH liberava uma quantidade significativa de memória (vale lembrar que, naqueles tempos, os PCs dispunham apenas de algumas centenas de megabytes de RAM, ao passo que qualquer máquina de entrada de linha atual integra, no mínimo, 2 gigabytes).       

Enfim, para o bem ou para o mal, mesmo que o SUPERFETCH venha sendo aprimorado a cada nova edição do Windows, é bom saber como fazer para desabilitá-lo. Como não existe um consenso entre os analistas — nem muito menos entre os usuários —, não custa nada tentar, até porque sempre se pode reverter ao status quo ante se o resultado não corresponder às expectativas. Observação: Tenha em mente que carregar um programa do zero, a partir da leitura do disco-rígido, leva bem mais tempo do que a partir de um "cache" na memória, e que, apesar de consumir memória, o SUPERFETCH aloca seu "cache" de maneira “inteligente”, com prioridade baixa em relação a outras aplicações — ou seja, se algum aplicativo em execução precisar de mais memória RAM, a quantidade reservada anteriormente para o serviço será automaticamente disponibilizada. Vale lembrar também que, para usuários do Seven, o SF é automaticamente desativado se a unidade de disco for de alto desempenho (um SSD por exemplo), sendo recomendável, nesse caso, deixar que o próprio Windows se encarregue de decidir se o melhor a fazer é usá-lo ou não.

— Para conferir se o SUPERFETCH está ativado, tecle Win+R, digite services.msc na caixa do menu Executar, pressione Enter, localize o SUPERFETCH e confira seu status na coluna respectiva (se estiver como Iniciado, é porque o serviço está ativo).

— Se quiser fazer um teste para verificar como o sistema irá se comportar se você o desabilitar, dê um clique direito sobre a entrada respectiva, clique em Propriedades e, em Tipo de inicialização, selecione Desativado, pressione Aplicar, confirme em OK e reinicie o computador.

— Para retornar à configuração original, repita os mesmos passos e altere o padrão para Automático.

Até a próxima.
Postar um comentário