segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

UTILÍSSIMOS, MAS PERIGOSOS, PENDRIVES (DESCONHECIDOS) NÃO SÓ OFERECEM RISCOS DE INFECÇÕES DIGITAIS, MAS TAMBÉM PODEM DESTRUIR (LITERALMENTE) SEU COMPUTADOR

UMA IMPRUDÊNCIA QUE VINGA COMPROMETE A INTELIGÊNCIA DA CORAGEM.

Aqui vai um alerta para quem não resiste à tentação de espetar no computador pendrives desconhecidos, como aqueles encontrados entre as almofadas do sofá da sala de espera do dentista ou no banco do táxi, por exemplo: um dispositivo com aparência de memory stick, mas capaz de causar sobrecarga elétrica suficiente para torrar os componentes do PC ao qual é conectado, foi criado recentemente por um pesquisador russo.

Embora o “pai da criança” não tenha publicado os esquemas para a montagem, o aparato em questão é composto basicamente por um conversor de corrente e alguns capacitores soldados a uma pequena placa de circuito (componentes encontrados facilmente em lojas de suprimentos eletrônicos, tanto do mundo físico quanto online; siga este link para mais detalhes), de modo que pessoas habilidosas e com algum conhecimento de engenharia elétrica podem partir do conceito e chegar ao mesmo resultado sem grandes dificuldades.

Observação: Quando o dispositivo é conectado, os capacitores são carregados e, descarregados por um transistor repetidas vezes, até que a tensão vença as proteções elétricas e cause uma sobrecarga suficiente para correr pelas trilhas de contatos da placa-mãe, danificando capacitores e  fulminando tudo o que estiver pela frente, inclusive o processador (em tese, o efeito será igualmente devastador se o gadget for conectado a tablets, smartphones, televisores, aparelhos de som ou qualquer outro aparelho que disponibilize uma interface USB).

Então, fica a recomendação: espetar chaveirinhos de memória desconhecidos em qualquer máquina, notadamente na de trabalho, quase sempre é uma péssima ideia. E se até agora o risco era de “apenas” uma indesejável infecção por malware, logo o resultado poderá ser bem mais “devastador”.

Lembre-se: A CURIOSIDADE MATOU O GATO.
Postar um comentário