sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

ANTIVÍRUS PARA SMARTPHONES E TABLETS SÃO REALMENTE NECESSÁRIOS? CASO AFIRMATIVO, QUAIS AS MELHORES OPÇÕES?

SE NOS MANTIVERMOS CALADOS, PENSARÃO QUE SOMOS FILÓSOFOS.

A partir do momento em que se tornaram verdadeiros computadores pessoais de tamanho reduzido, os celulares (e os tablets, convém não esquecer) ficaram vulneráveis a pragas digitais e códigos maliciosos afins, devendo, portanto, ser protegidos da mesma forma que os PCs convencionais. Aliás, isso não é novidade para quem acompanha minhas despretensiosas postagens, como também não o é o fato de antivírus específicos para esses gadgets serem menos eficientes do que as versões desenvolvidas para computadores de mesa e notebooks. Então, vamos pular essas explicações e apresentar uma lista de ferramentas de segurança gratuitas testadas pelo AV TEST, que, com base numa amostragem composta por mais de 3 mil ameaças, checou desde o nível de detecção até a facilidade de utilização dos apps, passando pelo seu comportamento diante de ameaças falsas e reais e pelo impacto no desempenho do aparelho e na autonomia de sua bateria. Afinal, estamos usando cada vez mais nossos smartphones para verificar o saldo da conta no banco, acessar redes sociais, gerenciar emails e uma porção de outras tarefas que exigem senha e envolvem dados pessoais e outras informações confidenciais — coisa que, até algum tempo atrás, fazíamos exclusivamente a partir do PC.

Ainda que a proteção contra malwares seja o principal objetivo dessas ferramentas, os recursos extras oferecidos por cada uma delas — tais como função antirroubo, travamento remoto, limpeza dos dados e rastreamento por GPS; bloqueio de chamadas de números específicos e/ou desconhecidos; filtro de mensagens; navegação segura na Web; controle parental; backup em nuvem ou cartão SD e a existência de algum tipo de encriptação — também foram levados em consideração, e os resultados foram os seguintes:

O ESET Mobile Security & Antivirus se saiu muito bem nos testes de detecção, proteção, usabilidade e impacto na performance global do aparelho e na autonomia da bateria, e não acusou falsos positivos nem reclamou durante a instalação de apps legítimos. No âmbito dos recursos extras, ele dispõe de bloqueador de chamadas, filtro de mensagens e navegação segura, embora não ofereça controle parental, backup e encriptação de arquivos.

O Kaspersky Internet Security combina agora, em um único app, os recursos do Kaspersky Mobile Security e do Kaspersky Tablet Security. Ele detectou 100% dos malwares sem comprometer o desempenho ou a autonomia da bateria ou acusar falsos positivos, além de oferecer um respeitável conjunto de funções extras — como travamento remoto, limpeza remota, rastreamento de localização, bloqueador de chamadas, filtro de mensagens e a navegação segura. 

O Avira Free Android Security identificou todos os malwares da amostragem sem degradar a performance do telefone ou aumentar o consumo de energia, não apresentou falsos positivos, não interrompeu a utilização e instalação de aplicativos legítimos e ainda se destacou pelo excelente módulo antifurto (com bloqueio remoto, limpeza remota e  rastreamento do aparelho) e por permitir permitem bloquear chamadas de estranhos ou números específicos, filtrar mensagens e navegar com segurança na internet.

O BullGuard Mobile Security também obteve a pontuação máxima em “eficiência” e se saiu igualmente bem nos demais quesitos, além oferecer um número de recursos adicionais maior que o da concorrência (com destaque para o controle parental).

O Norton Mobile Security, da festejada Symantec, escorregou na eficiência — seu índice de detecção ficou em 99,97% —, embora não tenha impactado seriamente o desempenho do aparelho ou a autonomia da bateria. Ele conta com diversos recursos extras, dentre os quais o antifurto com travamento remoto, a limpeza remota, o rastreio de localização, o bloqueador de chamadas, o filtro de mensagens, a navegação segura e o backup de arquivos, porém, quando por mais não seja, o fato de ser uma solução paga (a licença válida por um ano custa R$29,90) já o coloca final da fila das opções avaliadas.

Observação: O PSafe apresentou o pior resultado na detecção de malwares (96,04%), ainda que tenha obtido uma pontuação satisfatória nos demais quesitos e ofereça basicamente os mesmos serviços e recursos adicionais que os concorrentes. O fato de não ter apontado falsos positivos não tranquiliza, considerando que nem as ameaças verdadeiras ele foi capaz de detectar — uma surpresa, em se tratando da ferramenta de segurança para smartphones mais popular entre usuários tupiniquins.

E como hoje é sexta-feira:

Lula foi a NYC negociar com o FMI e desembarcou no JFK debaixo do maior temporal. Vaidoso, ele dobrou a barra da calça e saltitou pelas poças d’água até chegar à limusine que o levaria até o local onde se reuniria com os banqueiros americanos. Lá pela tantas, o pau quebrando na reunião, Mercadante, que estava na comitiva, reparou nas calças dobradas do presidente e cochichou:
- Agora já pode baixar as calças!
Ao que Lula prontamente respondeu:
- Calma aí! Primeiro vamos tentar um acordo.

Lula estava sendo julgado por corrupção, e aguardava em casa o resultado da ação, quando toca o telefone. Era seu advogado, eufórico:
- Finalmente a justiça foi feita!
O petralha rebate no ato:
- Então vamos apelar, companheiro! 

Bom Carnaval a todos e até quarta, se Deus quiser.
Postar um comentário