segunda-feira, 14 de março de 2016

WINDOWS 10 - COMO CRIAR UM DISCO DE RESGATE (UNIDADE DE RECUPERAÇÃO)

MANDA E FAZ, E SERVIDO SERÁS.

Sem embargo do que vimos nos posts anteriores ― sobre a restauração do sistema e as opções de restauração do computador no Windows 10 ―, há casos em que só mesmo um tratamento de choque é capaz de resgatar a estabilidade do computador ― conforme, aliás, a gente discutiu numa tríade de postagens baseadas no Seven, que, na época, era a “bola da vez” (não que tenha deixado de ser, até porque o Eight foi um fiasco e o mais novo rebento da família Windows ainda precisa “comer muito feijão”). Entretanto, a despeito de a maioria das informações conceituais e dicas práticas vistas naquela oportunidade se aplicarem igualmente ao Ten, sempre há uma ou outra diferença na nomenclatura dos comandos e menus e/ou na maneira de chegar até eles, de modo que resolvi revisitar o tema na postagem de hoje.

Há muito que os PCs de grife deixaram de trazer os arquivos de instalação do Windows em mídia removível (disquetes até o Win 95, CD a partir do 95SE e DVD do XP em diante) ― para economizar alguns trocados, os fabricantes passaram a armazená-los numa partição (oculta) criada no HD exclusivamente para esse fim. Reverter o aparelho às configurações originais a partir desses arquivos é uma tarefa relativamente simples, mas a maneira de fazê-lo pode variar ligeiramente conforme a marca e o modelo do PC. Então, para não errar, você deve consultar a documentação que acompanha seu aparelho ou obter informações junto ao suporte do fabricante.

Na postagem O WINDOWS 10 DEU PAU? VEJA COMO RESOLVER, publicada dias atrás, foi explicado como reinstalar o Ten a partir das opções de restauração do Windows (não confunda com a Restauração do Sistema, que é apenas uma delas). No entanto, reza a sabedoria popular que seguro morreu de velho e que prevenir acidentes é dever de todos, não custa nada você criar um disco de resgate e mantê-lo em local certo e sabido, “just in case”.
Note que “disco de resgate” é apenas força de expressão. Embora seja possível armazenar os arquivos de resgate num DVD, isso requer a criação de um arquivo .ISO e um gravador de mídia óptica para queimá-lo num DVD ― dispositivo que a maioria dos notebooks não oferece. Felizmente, você pode suprir essa lacuna usando um pendrive ou um HD externo.

Observação: Note que é possível acessar o conteúdo de arquivos .ISO sem regravá-los em mídia óptica. Para isso, basta instalar um “leitor virtual” (como o  MagicISO), dar um clique direito no ícone que será adicionado à sua Área de Notificação, selecionar Virtual CD/DVD-ROM > Media > Mount, clicar no arquivo .ISO  e acessá-lo via menu Iniciar > Computador (para encerrar, dê um clique direito no ícone que representa o drive virtual e selecione Ejetar).

Nas versões mais antigas do Windows, gravar esse tipo de arquivo exigia aplicativos de terceiros (como o Free ISO Burner ou o Roxio Easy Creator, dentre outros), mas, no Seven, basta clicar com o botão direito do mouse no arquivo em questão, selecionar Abrir Com > Gravador de Imagem de Disco do Windows, indicar o gravador de mídia óptica (se houver mais de um) e clicar no botão Gravar (por garantia, marque também a opção Verificar Disco Após Gravar).

Veja a seguir como criar seu disco de resgate no Windows 10 usando um pendrive.

·         Primeiramente, certifique-se de estar conectado à Internet e de que o pendrive oferece pelo menos 4GB de espaço livre.
·         Feito isso, descubra qual versão do Ten equipa seu PC. Para tanto, abra o menu Iniciar, clique em Configurações > Atualização e Segurança > Ativação e anote a informação que será exibida na tela (por exemplo, Windows 10 Home Single Language).
·         Acesse então a página de downloads da Microsoft, localize a opção adequada entre as diversas possibilidades disponíveis, baixe a ferramenta de criação de mídia e execute-a na sua máquina. Na janela que será exibida em seguida, assinale a opção Criar mídia de instalação para outro computador e clique em Avançar.
·         Na tela seguinte, selecione o idioma, a edição (Windows 10 Home, no caso do nosso exemplo) e a arquitetura (x86 para 32-bits ou x64 para 64-bits, conforme o caso). No campo Edição, escolha a versão que você anotou anteriormente.
·         Na próxima tela, marque Unidade flash USB se for usar um pendrive (que é o caso do nosso exemplo) ou um HD externo, e Arquivo ISO se for criar a unidade de recuperação em mídia óptica. Espete então o pendrive numa portinha USB do PC, clique em avançar na tela seguinte e aguarde a conclusão do processo.

Ao final, identifique seu pendrive como “unidade de resgate” ou outro nome que faça sentido para você, de maneira a não utilizá-lo inadvertidamente para outros fins. Se for preciso recorrer a esse “salva-vidas”, basta conectar o dispositivo a uma portinha USB, ligar o computador e seguir as instruções nas telas.

Era isso, pessoal. Espero que vocês não venham a precisar desse recurso, mas, como diz outro velho ditado, melhor ter e não precisar do que precisar e não ter.
Postar um comentário