sexta-feira, 29 de abril de 2016

WINDOWS 10 ― O “EMPURRÃOZINHO” QUE FALTAVA?

DEFEITOS DO MEU AMIGO, LAMENTO MAS NÃO MALDIGO.

Visando agilizar a popularização do Windows 10, a Microsoft optou por oferecer o upgrade gratuitamente pelo prazo de um ano, contado a partir do lançamento oficial do novo sistema, no final de julho do ano passado. Três meses depois, a empresa festejou os 110 milhões de instalações, fechou 2015 com cerca de 200 milhões já encerrou o mês passado com 270 milhões ― uma evolução impressionante, sem dúvida, embora a meta de 1 bilhão de usuários continue a anos-luz de distância.

Observação: É interessante lembrar que, nos tempos do Windows 9.x/ME/XP, bastava uma nova edição ser lançada para que os usuários se apressassem a adotá-la, mesmo que isso exigisse o desembolso de uma quantia considerável. Já o Windows Vista, lançado em 2007 com aparato publicitário digno do nascimento de um príncipe, foi um fiasco de crítica e de público, e a despeito de o Seven ter repetido o sucesso comercial do XP, o Eight foi outro fracasso monumental.

Sensível ao fato de que apenas a gratuidade não impulsionaria a adesão ao novo sistema com a rapidez desejada, a Microsoft criou um “estímulo” a mais, ou seja, passou a forçar a instalação do Windows 10 sem o consentimento dos usuários. Não faltam relatos de instalações compulsórias, à revelia dos proprietários do equipamento, e, pior, o problema é recorrente: em novembro passado, a empresa reconheceu que o pacote com o novo sistema estaria forçando a atualização em equipamentos com o Windows 7 ou 8, conquanto atribuísse o fato a uma “falha” que implicava na marcação da atualização como padrão, pedisse desculpas publicamente pelo ocorrido e prometesse solucionar o problema com a possível urgência.  

Observação: Particularmente, nunca me deparei com problemas dessa natureza nos seis meses em que continuei usando o Seven após o lançamento do Ten (que adotei somente no mês passado, e mediante a aquisição de uma máquina nova, com o sistema pré-carregado de fábrica).

Agora, novos relatos dão conta de que a Microsoft teria voltado a classificar o upgrade como atualização padrão, deixando aos contemplados descontentes somente a opção de retornar à versão anterior (Windows 7 ou 8) no prazo de até um mês contado da evolução ― a partir de então, os arquivos necessários ao downgrade são descartados, e quem quiser reverter o PC ao “status quo ante” terá de formatar o HD e reinstalar a versão anterior.

A empresa nega a coerção. Segundo ela, “os consumidores continuam com o controle completo sobre os seus aparelhos e podem escolher não instalar o upgrade do Windows 10 ou remover o upgrade a partir do Windows Update ao mudar as configurações do WU”. Mas não foi isso que alguns usuários alegam ter acontecido nas últimas semanas.

Segundo o engenheiro e desenvolvedor de software Josh Mayfield, o upgrade compulsório pode ocorrer se o PC estiver configurado para instalar automaticamente os updates do Windows, ou se essas configurações forem alteradas pela Microsoft. Para saber mais, inclusive como se prevenir, não deixe de ler esta matéria.

E como hoje é sexta-feira:

O índio vai ao cartório e pede ao escrevente:
― Índio quer mudar nome.
― Mas os nomes indígenas são parte de suas raízes culturais. O senhor tem certeza de que deseja mudar o seu?
― Sim, índio ter certeza, já não ter sentido usar este nome.
― E qual é o seu nome?
― GRANDE NUVEM AZUL QUE LEVA MENSAGENS PARA TRIBO DO OUTRO LADO DA MONTANHA E DO MUNDO.
― E como deseja se chamar?
― Email!


Valeu, pessoal. Abraços e até a próxima dica.

Postar um comentário