quinta-feira, 16 de junho de 2016

EIKE BATISTA, CUNHA, LULA E DILMA ― E VIVA O BRASIL!

O Conselho de Ética da Câmara dos Deputados, no processo mais longo de sua história, decidiu aprovar, na última terça-feira, o parecer favorável à cassação do mandato de Eduardo Cunha, que presidia a casa até ser afastado pelo STF, no início do mês passado (vale salientar que ele só perderá definitivamente o mandato se pelo menos 257 dos 512 parlamentares que compõem o plenário da Câmara votar nesse sentido, daqui a 3 semanas, mas isso já é outra história).

A notícia em apreço teve grande repercussão na mídia, merecendo até mesmo destaque pelo “Plantão da Globo”, que interrompeu a novela das 19h para dar conta do voto decisivo, dado por Tia Eron, que assim conquistou seus 15 minutos de fama. Segundo a Folha, a deputada baiana atacou colegas que criticaram seu sumiço, afirmando não ter sido "abduzida", que estava se resguardando e que iria resolver “o problema que os homens não conseguiram resolver”.

Em seu discurso final, o relator ponderou que os parlamentares estavam diante do maior escândalo que aquele colegiado já julgou, uma trama para mascarar uma sucessão de crimes, uma verdadeira “laranjada”. Eduardo Cunha, por seu turno, continua alegando inocência, afirmando que vai recorrer da decisão, que as tais contas na Suíça não são dele e blá, blá, blá ― com uma cara-de-pau tão acintosa quanto a de Dilma, que se diz injustiçada e afirma que só “pedalou” para manter os projetos sociais do seu nefasto governo, e de Lula, que tempos atrás se autodeclarou “a alma viva mais honesta do Brasil”. Enfim, um acinte capaz de dar enjoo até mesmo a porcos da Tasmânia!

Como dito linhas atrás, esse assunto foi abordado pelos principais jornais ― e certamente terá desdobramentos que me levarão a retomá-lo nas próximas semanas ―, razão pela qual não vou perder meu tempo nem cansar o leitor com detalhes desnecessários. Em vez disso, vou relembrar um assunto que também mereceu destaque na mídia, no final do ano passado, protagonizada pela bancarrota de Eike Batista, que personificou de forma lapidar a ascensão e a queda da economia brasileira nos últimos anos.

A trajetória do criador do império EBX está umbilicalmente ligada ao desempenho da era Lula-Dilma, e seu fracasso espelha o modelo de gestão petista na condução das finanças públicas. Como o leitor deve estar lembrado, o empresário passou de aspirante a homem mais rico do mundo ― ao mesmo tempo em que o Brasil assomava como potencial gigante da economia mundial ― a um exemplo do que não fazer: mentir, esconder, mascarar.

O homem que chegou a ser chamado de “orgulho do Brasil” por Dilma hoje enfrenta, dentro e fora do país, cobranças de dívidas, denúncias de crimes contra o mercado financeiro, de lavagem de dinheiro, falsidade ideológica e formação de quadrilha. No início do ano passado, seu patrimônio negativa atingia a marca de R$1 bilhão, devido a manobras equivalentes às pedaladas da sacripanta afastada.

Mais do que apenas uma história malsucedida, a derrocada de Eike Batista entrará para os manuais de administração como uma lição a ser diariamente estudada. O tombo do antigo Midas tupiniquim causou prejuízos a milhares de investidores ― incluindo o BNDES ― e quebrou centenas de empresas fornecedoras. Somente o ITAÚ viu R$2,4 bilhões virarem fumaça com o derretimento do império EBX. No total, o estrago causado por Eike chegou a R$29,2 bilhões!

Se vivesse num país sério, o ex-bilionário estaria muito provavelmente atrás das grades. Como Lula e Dilma, vale lembrar. Mas isso já é outra história e fica para outra vez.

(Com informações extraídas de um artigo de Hugo Cilo, editor de negócios de IstoÉ Dinheiro).    

2 comentários:

Martha disse...

Oi Fernando
Não sabia desse prejuízo todo não...
Acho que é uma mistura de arrogância, ambição , má gestão e irregularidades....pobre alma!!!!
Pobre país!!!!
Estamos no processo de limpeza moral para reencontrarmos o caminho de ordem e progresso....
Viva o povo brasileiro!!!!
Bjs e obrigada sempre!!!!

Fernando Melis disse...

Oi, Martha.
Realmente, devemos nos manter otimistas, pois desanimar não leva a nada. Todavia, diante da podridão que jorra aos borbotões, conspurcando até mesmo a (suposta) honra e a (aparente) probidade de políticos que a gente julgava "mais ou menos íntegros" - já que honestidade absoluta e política são conceitos mutuamente excludentes -, é difícil não perder a fé, não chutar o pau da barraca e mandar todos para a pqp. Que Sarney era desonesto, disso todo mundo sabia (ou pelo menos sabiam os que são minimamente capazes de raciocinar). Que Maluf meteu as patas no pote durante toda a sua vida pública, idem na mesma data - até a Interpol reconheceu tal fato, como comprova o mandado de prisão expedido contra sua insolência, que, desafiando os limites do crível e do admissível, continua deputado e tem trânsito livre no congresso nacional. Também nunca pus a mão no fogo pelo esbirro petralha que preside o senado (leia-se Renan Calheiros), por Aécio, por Temer ou por quem quer que seja, mas está difícil manter a fé diante de tantas revelações surpreendentes que se sucedem sucessivamente sem cessar.
Beijos e até mais ler. E que Deus nos ajude com isso tudo.