quinta-feira, 30 de junho de 2016

O REGISTRO DO WINDOWS (CONTINUAÇÃO)


NÃO DÁ QUEM TEM, DÁ QUEM QUER BEM

Conforme vimos na primeira parte desta matéria, a edição manual do Registro do Windows permite uma vasta gama de ajustes e reconfigurações que não são acessíveis pela interface do sistema, e que qualquer modificação deve ser precedida da criação de um ponto de restauração e/ou de um backup da chave envolvida (ou do Registro inteiro).

Para ilustrar essa questão, vamos supor que você migrou para o Windows 10 a partir do Seven e não gostou das fontes em tamanho grande, da paleta de cores em preto e azul e do formato digital que são exibidos quando clica na data que aparecem no final da Área de Notificação. Como não existe uma maneira de modificar isso através da interface do sistema, você terá de editar manualmente o Registro ou se valer de uma ferramenta de Tweak (voltaremos a essa questão mais adiante).

Na primeira hipótese, comece pela criação de um ponto de restauração: dê um clique direito sobre o botão que aciona o menu Iniciar (na extremidade esquerda da Barra de Tarefas), selecione Painel de Controle > Sistema e Segurança > Sistema > Proteção do Sistema, clique no botão Criar e siga as instruções na tela.

Por medida de extrema cautela, faça também um backup do registro: siga os passos sugeridos na postagem anterior para abrir o Editor do Registro ― ou digite regedit na caixa de pesquisas da Barra de Tarefas, clique em regedit (executar comando) e em Sim na caixa de diálogo que é exibida em seguida. Na tela do Editor, abra o menu Arquivo e selecione a opção Exportar. Em “Intervalo de exportação”, marque TODOS para efetuar backup de todo o Registro ou clique em RAMIFICAÇÃO SELECIONADA e digite o nome da chave que você deseja exportar (recomendável). Dê então um nome ao arquivo, indique o local onde quer salvá-lo (Área de Trabalho, por exemplo) e clique em Salvar. Caso queira desfazer as modificações mais adiante, dê um clique direito sobre o arquivo de backup (que é salvo com a extensão .REG), escolha a opção Mesclar e confirme a restauração.

Observação: No âmbito do software, tudo é reversível; na pior das hipóteses, basta reinstalar o Windows para que tudo volte a ser como antes no Quartel de Abrantes. Mas podendo evitar essa trabalheira, melhor.

Tomadas essas precauções, volte à janela do Editor, expanda a chave HKEY_LOCAL_MACHINE, navegue por SOFTWARE > Microsoft > Windows NT, dê duplo clique sobre CurrentVersion, clique no menu Editar, selecione Novo > Chave, nomeie a nova pasta (que será criada automaticamente) como MTCUVC, selecione-a, abra o menu Editar, clique em Valor DWORD (32 bits) e atribua a ele o nome EnableMtcUvc. Feito isso, dê duplo clique no valor criado e, em Dados do Valor, insira 0 (zero) e confirme em OK. Finalmente, expanda a chave HKEY_LOCAL_MACHINE, navegue por SOFTWARE > Microsoft > Windows > CurrentVersion > ImmersiveShell, crie um novo valor DWORD de 32 bits, nomeie-o como UseWin32TrayClockExperience, dê um clique direito para abrir a janela de detalhes e, no campo dos dados do valor, digite 1, clique em OK. Finalmente, feche o Editor, reinicie o PC e confira o resultado.

Observação: Caso queira restabelecer a configuração padrão do Windows 10, torne a acessar o valor DWORD “UseWin32TrayClockExperience” e, em Dados do Valor, mude o parâmetro 1 para 0.

Sempre que fazemos ajustes no Windows ― modificamos o plano de fundo, alteramos as propriedades da Barra de Tarefas, instalamos aplicativos, e assim por diante ― estamos promovendo alterações no Registro, embora não nos demos conta disso porque usamos comandos disponíveis na interface do sistema (ícones no Desktop, snap-ins do Painel de Controle, entradas de menus, etc.). 
Aliás, isso facilita também a reversão das modificações ― que pode ser mais complicada quando se edita manualmente o registro, especialmente se o usuário não se lembra por onde navegou e quais valores modificou, daí a importância do ponto de restauração e do backup que eu recomendei criar.

Note ainda que é possível usar o Editor do Registro para neutralizar uma eventual ação de malwares, por exemplo, ou para remover resquícios indesejáveis de desinstalações incompletas ou malsucedidas de aplicativos (a propósito, recomendo a leitura desta postagem).

Para evitar que este texto fique longo demais, vou deixar a conclusão para a próxima postagem. Abraços e até lá.
Postar um comentário