sexta-feira, 24 de junho de 2016

VOCÊ SABIA?


O MEDO É O CAMINHO PARA O LADO SOMBRIO.

Você já parou para pensar por que as coisas que perdemos estão sempre no último lugar em que procuramos? Ou por que o pão cai sempre com o lado da manteiga para baixo? Ou ainda por que aquela sua estimada taça de cristal se espatifou em mil pedaços, a passo que a repulsiva caneca plástica do Corinthians (ou do Palmeiras, dependendo do time para o qual você torce) que você atirou no seu cunhado durante o último jogo continuou inteirinha?

Bem, a primeira é fácil: porque deixamos de procurar o objeto perdido a partir do momento em que o encontramos, pouco importa se isso se dá na primeira ou na décima tentativa.

No que diz respeito ao pão, muita gente ache que é mito, que só reparamos nisso quando o lado da manteiga cai virado para o chão; quando não, a coisa passa despercebida, já que catamos a fatia e comemos, como se nada tivesse acontecido. Todavia, cientistas ingleses derrubaram cem torradas de uma mesa com 76 cm de altura e constataram que, em 81% dos casos, valeu a “Lei de Murphy”. A conclusão foi que a face besuntada com manteiga (ou geleia, ou requeijão, ou seja lá o que for) tem sua textura alterada, o que interfere na rotação durante uma eventual queda. Além disso, para a fatia poder girar 360 graus e, assim, cair com o lado besuntado virado para cima, a mesa teria de ser bem mais alta do que as convencionais (2,4 m em relação ao chão).

Já a história do vidro é ainda mais complexa: diferentemente dos outros sólidos ― como o plástico, para nos atermos ao nosso exemplo ―, as ligações do vidro são desordenadas, como se na verdade ele fosse um líquido. Aliás, por mais estranho que pareça, o fato de o vidro ser um material amorfo ainda causa discussão entre os cientistas, pois alguns os consideram um líquido de altíssima viscosidade e outros, um sólido sem estrutura cristalina.

Enfim, ao cair ou sofrer um impacto com energia maior do que a força das ligações que mantêm suas moléculas unidas, o vidro se parte ― ou estilhaça, na maioria dos casos. No entanto, as partes do material em que as ligações são mais resistentes podem resultar em cacos grandes, com bordas e pontas afiadas.

Para prevenir consequências piores do que o simples dano material, portas giratórias e boxes de banheiros são feitas de vidro temperado. Nesse caso, o material ainda mole é submetido jato de ar frio, para que sua superfície endureça mais rapidamente que seu interior. Isso cria uma tensão interna no objeto que, em caso de quebra, se parte em fragmentos minúsculos, evitando a formação de pontas.

Já o vidro usado nas telas de celulares é resfriado lentamente, de modo a evitar tensões internas entre as moléculas. Isso resulta em lâminas finas, leves e com a condutividade necessária para se tornarem sensíveis ao toque (função touch screen).

Os vidros blindados, por seu turno, são “sanduíches” formados a partir de diversas lâminas de vidro 
temperado, unidas por uma resina transparente, o que lhes permite absorver o impacto de alguns projéteis e também garantem que eles não se estilhacem.
Por último, mas não menos importante, a fibra óptica ― amplamente utilizadas nos cabos de transmissão de dados ― nada mais é do que vidro aquecido até o estado viscoso (o vidro não derrete totalmente nem entra em combustão) e espichado até adquirir a espessura de um fio de cabelo, o que é possível graças à sua grande resistência à tração. Quando esfria, o material pode ser dobrado sem quebrar.




Valeu, pessoal. Até a próxima.

4 comentários:

Martha disse...

Oi Fernando
Muito legal o post!!!
Bastante elucidativo....
Quanto à Lei de Murphy....só a misericórdia!!!! É implacável....rsrsrs
Bjs e obrigada sempre!!!!

Reflexos Espelhando Espalhando Amig disse...

Bom dia Fernando!
Adorei mais essa matéria.
Vim desejar um feliz fim de
semana.
Saudades.
Bjins
Catiaho Alc.

Fernando Melis disse...

Oi, Martha.
Como sempre, sou eu quem agradece, doutora.
Beijos, bom sábado e um ótimo f.d.s.

Fernando Melis disse...

Oi, Cátia.
Parece transmimento de pensação. Eu havia acabado de deixar um comentário lá no seu espaço quando vi que você havia passado por aqui. Pelo horário, acho que quase "nos encontramos".
Beijos, bom f.d.s. e N.É.N.E.O.R.É.B.