segunda-feira, 29 de agosto de 2016

AINDA SOBRE A BATERIA... (FINAL).

SE OS FATOS SÃO CONTRA MIM, PIOR PARA OS FATOS.

Como vimos no post anterior, há diversas maneiras de fazer com que a bateria do smartphone dure mais ― do ponto de vista da autonomia, não da vida útil do componente, que isso já é outra conversa. Uma delas é recorrer a um app dedicado ― como os que a gente analisou naquela oportunidade ―, mas talvez você obtenha melhores resultados ajustando as configurações do aparelho de maneira reduzir o consumo de energia. Por exemplo, se você diminuir o brilho da tela e o tempo que ela leva para escurecer automaticamente, desativar a maioria das funções que só se justificam em determinadas condições (tais como o flash, o alerta vibratório, o Bluetooth, o 4G, o Wi-Fi, etc.), certamente obterá uma economia considerável e talvez até consiga usar o aparelho durante um dia inteiro sem precisar conectá-lo a uma tomada, carregador veicular ou interface USB do computador.

Igualmente importante é, no momento da compra, escolher um smartphone com bateria de longa duração, já que o aumento da gama de recursos e funções dos aparelhos superou em muito o da capacidade das baterias. Então, verifique no manual do usuário (ou no resumo das especificações técnicas que costuma vir impresso na embalagem) a grandeza expressa em mAh (miliampere/hora) ― via de regra, quanto maior for esse valor, mais tempo o aparelho irá funcionar longe de uma tomada, carregador veicular ou porta USB do computador.

Para quem é fã da Apple, o iPhone 6 Plus é a melhor opção, pois sua bateria (de 2.750 mAh) costuma durar pelo menos um dia, mesmo que você seja um heavy user. O sistema operacional do Google é mais “gestão”, mas você estará razoavelmente bem servido com o Moto X Force (3.760 mAh), o Moto Maxx (3.900 mAh), o Moto X Play (3.630 mAh), o LG G4 e Galaxy Note 5 (ambos com baterias de 3.000 mAh), por exemplo.

Observação: O miliampere/hora) é um submúltiplo do Ah (ampère/hora) e corresponde a 3,6 coulombs (ou seja, a quantidade de carga elétrica transferida por uma corrente estável de um milésimo de ampère durante uma hora). Vale ressaltar que essa grandeza não quantifica a "potência" da bateria (que costuma ser expressa em joule ou watt/hora), mas sim sua capacidade de fornecer energia (que, em última análise, corresponde à autonomia do aparelho que ela alimenta).

Devido a diferentes configurações de hardware (processador, memórias, câmeras, display e uma série de outros componentes), de software (sistema operacional e apps instalados pelo fabricante) e da gama de recursos e funções, aparelhos similares de marcas, modelos e/ou versões diferentes podem consumir mais ou menos energia no mesmo espaço de tempo, daí não ser incomum uma bateria de 3.000 mAh “durar menos” que outra de 2.500 mAh, por exemplo. Aliás, quem ouve música o tempo todo, grava vídeos frequentemente e costuma assistir a clipes ou programas de TV na telinha do smartphone dificilmente consegue passar um dia inteiro sem recarregar a bateria.

Por essas e por outras, tenha em mente que:

― Tanto os carregadores quanto as baterias modernas controlam o fluxo de energia de maneira inteligente, de modo que não há risco significativo de sobrecarga se você deixar seu aparelho carregando durante toda a noite, por exemplo. No entanto, como seguro morreu de velho, o mais indicado é desconectá-lo da tomada assim que a bateria estiver 100% carregada.

― Manter o telefone desligado durante a recarga agiliza o processo, como também ligar o carregador à tomada da rede elétrica. Devido à baixa amperagem, o acendedor de cigarros do carro e a portinha USB do PC devem ficar para situações em que não houver alternativa.

― Com o passar do tempo, as conexões entre a bateria e o telefone tendem a acumular poeira e outras impurezas que prejudicam o contato. A cada dois meses, limpe as interfaces (tanto da bateria quanto dos conectores internos) com um pano macio.

― Remova a bateria somente quando necessário ― se seu aparelho permitir, naturalmente. E ainda que os modelos atuais não sofrem o famigerado “efeito memória” e, portanto, podem ser recarregadas a qualquer momento, o melhor é esperar que a energia remanescente fique entre 40% e 15%.

― O uso normal do aparelho reduz progressivamente a autonomia da bateria, mas como esses componentes costuma suportar cerca de 1.000 recargas, chegam a durar mais de cinco anos se forem recarregados dia sim, dia não, razão pela qual, muito provavelmente, você trocara seu telefone bem antes de a bateria “abrir o bico”. Não sendo o caso, prefira sempre usar componentes de reposição originais (ou compatíveis de boa qualidade) e adquiri-los no mercado formal, com nota fiscal e garantia.

― Evite expor o smartphone a fontes de calor ― deixá-lo dentro do carro sob o sol, por exemplo --, já que temperaturas elevadas aceleram a descarga da bateria.
― Telas grandes e taxas de resolução elevadas aumentam o consumo de energia, mas você pode obter uma economia significativa reduzindo o brilho da tela e o timeout (modo de espera). Se o seu aparelho dispuser de flash, ajuste-o para atuar somente em condições de baixa luminosidade.

― Os smartphones varrem constantemente o ambiente para identificar redes disponíveis, e isso consome um bocado de energia. Assim, só habilite o Wi-Fi, o Bluetooth, a rede 4G/3G e o GPS em situações em que esses recursos sejam realmente necessários. E o mesmo vale para notificações irrelevantes (avisos sonoros ou vibratórios que acusam o recebimento de um SMS ou email, por exemplo). Quanto mais aplicativos permanecerem abertos, maior será o consumo de energia. Habitue-se a encerrar os apps que estejam sendo executados desnecessariamente em segundo plano e a proceder manualmente à sincronização de emails, Facebook, Twitter, etc.

― Use um ringtone como alerta de chamada e deixe o vibra call para situações ou ambientes onde “não cai bem” o telefone berrar o hino do Corinthians ou outro toque musical de gosto igualmente discutível (note que, em termo de consumo, tanto faz usar os toques-padrão do aparelho quanto trechos de arquivos MP3, pois o que voga é o número de vezes que o toque é reproduzido até que a chamada seja atendida).

Era isso, pessoal. Abraços e até a próxima.

4 comentários:

Victor Faria disse...

Olá, Fernando!

Estando tão envolvido no mundo da tecnologia, acredito que vc seja uma raridade ao admitir que não é usuário tão assíduo da internet e demais recursos que vieram com o advento dos smartphones.

Abraço!

Fernando Melis disse...

Oi de novo, Victor.
Verdade, amigo. Mas o pior é que essa "tendência" deve se popularizar. Ou pelo menos é o que recomendam os guardiões da saúde, já que o uso exagerado dos smartphones está sendo considerado um vício como as drogas, e pode causar problemas sérios se o usuário não se conscientizar disso.
O que me levou a desabilitar o 4G, todavia, foi o fato de a dona Claro me cobrar 1 real por dia pelo serviço (no meu anacrônico, mas satisfatório plano "Controle"), independentemente de eu acessar ou não a Web. No mais, Facebook e WhatsApp não fazem a minha cabeça. Aliás, depois que eu criei as comunidades de informática, política e gastronomia na Rede .Link, passo a maior parte do tempo em que permaneço conectado colhendo e atualizando informações, de modo que vejo os momentos em que estou fora da base como uma lufada de ar fresco, digamos assim. E isso não seria possível se eu estendesse para o celular as atividades que executo nos meus PCs - mais no fixo do que no móvel, mas ainda assim...).
Abraços, amigo, e até mais ler.

Martha disse...

Oi Fernando
Excelente post!!!!
Melhor explicado, impossível!!!!
Eu segui a recomendação do post anterior sobre o tema e instalei o Battery Doctor. Removi o anterior e gostei pois ele vai fechando os apps de fundo. Normalmente eu faço isso e sigo a maioria das sugestões.
No meu smartphone vi uma função chamada Ultra Economia que realiza isso mas desabilita o Wi-Fi e o 4G...não posso ficar sem eles.
Bjs e obrigada sempre!!!!

Fernando Melis disse...

Oi, Martha.
Obrigado, doutora.
Beijos e até mais, que o cenário político tupiniquim está fervendo. A propósito, selecionei uma das muitas atualizações que publiquei lá no .Link para reproduzir também aqui. Não deixe de conferir.