quarta-feira, 14 de setembro de 2016

VOCÊ SABE USAR O GOOGLE IMAGENS?

A BELEZA INTERESSA NOS PRIMEIROS QUINZE DIAS E MORRE, EM SEGUIDA, NUM INSUPORTÁVEL TÉDIO VISUAL.

O Google nasceu em 1996 com a missão de “organizar a informação mundial e torná-la universalmente acessível e útil”, e, em menos de 20 anos, tornou-se a maior empresa de internet do mundo. Sua sede, na pacata Mountain View (cidadezinha californiana de 74 mil habitantes), recebe 30 mil funcionários e 3 mil estagiários por dia e é formada por dezenas de prédios agrupados em blocos ― e já teria sido duplicada se a prefeitura não condicionasse a ampliação à construção de 10.000 casas (ao custo de US$ 6 bilhões).

Observação: Mountain View tem déficit de 20 mil residências, o que inflaciona barbaramente o preço do aluguel e leva a maioria dos funcionários do Google a viver em cidades próximas, como San Jose e San Francisco. Para minimizar os congestionamentos monstruosos, a empresa investe em carros autônomos (que podem andar praticamente colados uns nos outros) e estimula o home office.  

Para a maioria das pessoas, porém, o nome Google (*) remete “apenas” ao mecanismo de buscas mais popular do mundo ― que, aliás, não foi o primeiro e nem é o único ―, embora essa seja somente a parte visível de um “iceberg” formado por um amplo leque de tecnologias, dos populares aplicativos disponibilizados no website da empresa a sofisticados projetos de inteligência artificial.  

(*) Google é uma corruptela de “Googol” ― termo que, no âmbito da matemática, designa um número 1 seguido de 100 zeros.

Ainda que o Google Search seja capaz de realizar pesquisas e apresentar milhares de resultados em milésimos de segundo, a enormidade da Web pode exigir que o internauta vasculhe dezenas de links até encontrar a resposta mais adequada aos seus propósitos. Isso se deve, pelo menos em grande parte, à maneira como a pesquisa é comandada, até porque, a despeito de terem evoluído significativamente nos últimos anos, os algoritmos usados pelo buscador partem dos termos-chave digitados, ou por outra, não são capazes (ainda) de ler pensamentos. Por essas e outras, o Google Imagens é muito útil no nosso dia a dia. Com ele, podemos pesquisar por fotos livres de direitos autorais, buscar imagens por tamanho e usar diversos filtros gratuitos.

Para buscar uma imagem por URL, por exemplo, basta dar um clique direito na figura em questão, selecionar a opção “Copiar endereço da imagem”, abrir o Google Imagens (clicando no link que fica no canto superior direito da página inicial do Google) e colar o link na barra de buscas. Se, em vez de realizar a busca a partir de uma imagem publicada na Web, você quer pesquisar uma figura salva no seu computador, clique em “Envie uma imagem”, em “Selecionar arquivo”, indique a imagem em questão e veja que serão carregadas na página dezenas de opções iguais ou semelhantes.

Caso queira localizar imagens onde a cor predominante seja o azul (ou outra opção da paleta de 12 cores disponíveis), faça a busca com a palavra-chave no Google Imagens e, na barra do topo, selecione “Ferramentas de Pesquisa”, clique em “Cor”, selecione uma das opções e confira os resultados sugeridos. Note que que também é possível usar a ferramenta para exibir resultados em “preto e branco”, “colorida” ou com fundo “transparente”.

Para encontrar facilmente imagens em formatos específicos, selecione “Ferramentas de Pesquisa” e clique em “Tipo” e selecione uma das opções disponíveis (Rosto, Foto, Clip Art, etc.). Para filtrar as figuras por tamanho, clique em “Tamanho” e selecione uma das opções ― por exemplo, você pode filtrar a busca por “Grande”, “Médio” “Ícone” e “Maior que” para padrões desde 400x300 pixels até 9600x7200 pixels; para selecionar um tamanho específico, use a opção “Exatamente” (basta digitar as medidas de largura e altura e comandar a busca).

Para não violar direitos autorais, digite o termo chave na barra de pesquisas do Google Imagens, selecione a opção “Ferramentas de Pesquisa” e, no item “Direitos de Uso”, escolha uma das opções disponíveis (“Marcadas para reutilização com modificação”, “Marcadas para reutilização”, “Marcadas para reutilização não comercial com modificações” e “Marcadas para reutilização não comercial”).

Supondo que você queira usar uma imagem publicada na Web como plano de fundo no seu PC, a maneira mais simples de fazer isso é clicar sobre a figura com o botão direito e escolher a opção “Definir como papel de parede”. Caso seu navegador não ofereça essa opção, clique em “Salvar imagem como”, nomeie o arquivo, defina o formato e o local onde ele será salvo (para facilitar, sugiro a área de trabalho, mas você pode escolher outra pasta qualquer, como a Imagens, por exemplo), dê um clique direito no ícone do novo arquivo e, no menu suspenso, selecione a opção “Definir como tela de fundo da área de trabalho”.

Vale lembrar que nem toda imagem fica bem como plano de fundo, e ainda que a gente possa ajustá-la utilizando as opções de configuração disponibilizadas pelo próprio Windows (preencher, ampliar, centralizar, etc.), o resultado nem sempre é satisfatório. Felizmente, o Google Imagens pode ajudar também nessa questão, como veremos em detalhes no post de amanhã. Abraços e até lá.

(Fonte: TECHTUDO).
Postar um comentário