sábado, 8 de outubro de 2016

AINDA SOBRE O PT E O DEUS PAI DA PETELÂNDIA

Conforme ÉPOCA revelou no ano passado, Lula fazia lobby para a ODEBRECHT sob o pretexto de palestras, valendo-se do status de ex-presidente para viabilizar obras fora do país bancadas pelo banco estatal. Agora, uma nova matéria traz novidades sobre o assunto ― que eu não vou reproduzir aqui, até porque basta seguir o link para ler a íntegra da reportagem (vale a pena conferir).

Seguindo adiante: Conforme VEJA antecipou na semana passada, Lula e seu sobrinho torto Taiguara Rodrigues dos Santos foram indiciados pela Polícia Federal.  Durante as buscas e apreensões realizadas em maio passado, foi encontrado um contrato que faz referência a um acordo firmado entre a empresa de Taiguara e a Uno (União Nacional dos Eventos e Outdoor e a Três Meios), objetivando a “intermediação (...) de relação comercial a ser viabilizada entre a segunda contratante (UNO) e o Partido dos Trabalhadores para a realização de campanhas publicitárias eleitorais em mídia exterior para campanhas políticas para as eleições de 2010”. De acordo com a PF, a empresa do sobrinho do petralha receberia, em troca da intermediação, cerca de 20% do faturamento obtido pela real prestadora de serviços para o PT. Preocupado com a situação de Taiguara, “titio” pediu ao deputado federal petista Paulo Teixeira que prestasse assistência jurídica ao rapaz. O parlamentar indicou o criminalista Roberto Podval, que topou trabalhar de graça para ajudar Taiguara, e a estratégia deu certo, ao menos por enquanto: o sobrinho de Lula, que iria prestar um novo depoimento à PF, resolveu ficar em silêncio.

Em outra matéria (publicada ontem, 6), VEJA informa que o ministro Teori Zavascki, relator dos processos da Lava-Jato no STF, atendeu ao pedido da PGR e fatiou o inquérito que apura a formação de quadrilha no esquema do petrolão ― chamado pelos investigadores de “quadrilhão”. Com a decisão, Lula passa a ser alvo de investigação, juntamente com outros políticos do PT e do PMDB, e o inquérito, que tinha 39 investigados, passa agora a ter 66.

Na cúpula petista, além do ex-presidente, Janot afirma haver provas do envolvimento dos ex-ministros Edinho Silva (Comunicação Social), Ricardo Berzoini (Secretaria de Governo), do ex-chefe da Casa Civil Jaques Wagner, além do ex-ministro Antonio Palocci, da ex-ministra Erenice Guerra, do ex-líder do governo no Senado Delcídio do Amaral, do ex-chefe de gabinete de Dilma, Giles Azevedo, do pecuarista e amigo de Lula, José Carlos Bumlai, do presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, e do ex-presidente da Petrobras José Sergio Gabrielli (todos, como se vê, todos integrantes da mais fina flor da petelândia).

No âmbito dos membros do PT, os novos elementos probatórios indicam uma atuação da organização criminosa de forma verticalizada, com um alcance bem mais amplo do que se imagina no início e com uma enorme concentração de poder nos chefes da organização: Edinho Silva, Ricardo Berzoini, Jacques Wagner, Delcídio do Amaral”, disse o procurador-geral Rodrigo Janot, segundo o qual havia um conluio comandado e articulado por políticos, que atuavam em um esquema de propinas, desvio de dinheiro público, financiamento ilegal de campanhas e enriquecimento ilícito com o objetivo de “garantir a perpetuação no poder”. No âmbito do núcleo do PT, a organização, ao que tudo indica, era especialmente voltada à arrecadação de valores ilícitos, por meio de doações oficiais ao Diretório Nacional, que, posteriormente, fazia os repasses de acordo com a conveniência da organização criminosa.

Entre os peemedebistas, o chefe do MP alega haver uma divisão no partido entre Câmara dos Deputados e Senado Federal e indica que precisam ser investigados Eduardo Cunha, o ex-ministro do Turismo Henrique Alves, os deputados Alexandre dos Santos, Altineu Cortes, André Moura, Arnaldo Faria de Sá, Carlos William, João Magalhães, Manoel Junior, Nelson Bornier e a atual prefeita de Rio Bonito (RJ), Solange Almeida ― todos aliados de Cunha. No núcleo do PMDB do Senado as provas indicam haver evidências da participação do senador Jader Barbalho, do ex-ministro de Minas e Energia Silas Rondeau, dos lobistas Milton Lyra e Jorge Luz, além de Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro. “Estes dois grupos, embora vinculados ao mesmo partido, ao que parece, atuam de forma autônoma, tanto em relação às indicações políticas para compor cargos relevantes no governo quanto na destinação de propina arrecadada a partir dos negócios escusos firmados no âmbito daquelas indicações”, disse Janot.

O Partido Progressista, que tem o maior número de parlamentares já investigados no escândalo do petrolão, também teve nomes citados no novo pedido de ampliação do inquérito sobre a Lava-Jato. O procurador-geral disse ao Supremo que devem ser incluídos na investigação sobre a quadrilha que atuava no propinoduto da Petrobras os deputados federais Eduardo da Fonte e Aguinaldo Ribeiro. E o pior é que políticos desse naipe são os que vão debater e votar, no Congresso, as tão necessárias medidas anticorrupção. Para mim, isso é o mesmo que colocar a raposa para tomar conta do galinheiro.

Enfim, por essas e outras que o PT (para não dizer a classe política em geral) marcha inexoravelmente rumo à lata de lixo da história. Não é partido ferido, anêmico ou doente terminal, mas um partido morto, que jamais se livrará da pecha de corrupto. Volto a lembrar que seu líder máximo e fundador, o ex-presidente Lula, já é réu em três inquéritos criminais, além responder a outros cinco. E o resultado se viu nas eleições do último domingo, e provavelmente se repetirá em 2018. 

A convicção de que o PT e seus integrantes são corruptos e coniventes com práticas criminosas é compartilhada por pelo menos 80% da população brasileira, e isso tende a se acentuar ainda mais, à medida que novos fatos venham à tona e novos membros dessa fação criminosa sejam indiciados e presos. Alguns defensores fanáticos ainda pregam que a legenda deve renascer a partir do trabalho junto aos jovens, mas, quando usam o termo "renascer", atestam que o partido está morto, e que o passar do tempo só vai torná-lo um cadáver ainda mais fétido e insuportável.

Confira minhas atualizações diárias sobre política em www.cenario-politico-tupiniquim.link.blog.br/

4 comentários:

Martha disse...

Oi Fernando
Realmente é lamentável o cenário político e mais lamentável ainda ver a que ponto chegamos.
Não há atualmente um político ( acredito na idoneidade e brilhantismo do Cristóvão Buarque- exceção) em que possamos acreditar e ver uma atitude de realmente servir ao país. Houve uma deturpação tão grande, em algum momento, que agora fica difícil ver uma luz a curto e médio prazo.
Temos que manter a esperança de reformas morais profundas mas a resistência é muito grande...e a ignorância do povo, maior ainda. Por isso a insistência na mesma tecla: sem educação, no seu sentido mais amplo, não há futuro!
O povo está tão espoliado e descrente...a manutenção da pobreza junto à alienação é a meta dessa classe que vem se desprestigiado a cada minuto.
Que o Brasil consiga dar a volta por cima e ver em seu comando pessoas mais ilibadas...
Bjs e obrigada sempre!!!!

Reflexos Espelhando Espalhando Amig disse...

Bom dia Fernando.
Como sempre ótimas postagens
e bem atualizadas.
Feliz domingo.
Bjins
Catiaho Alc.

Fernando Melis disse...

Oi, Martha.
Que os anjos digam amém, doutora.
Beijos e uma ótima semana para todos nós.

Fernando Melis disse...

Oi, Catia.
Feliz em ter notícias suas, dona menina.
Estou lhe devendo mais de uma visita, mas o tempo anda curto e eu não gosto de sair sem pelo menos um café e dois dedos de prosa.
Beijos e até breve.