sábado, 22 de outubro de 2016

GOSTE-SE OU NÃO, DORIA É O HOMEM A OBSERVAR

E é um espanto o tanto de gente que não gosta de Doria, embora mal saiba quem ele é ― ou jamais tivesse ouvido falar dele antes de meados de agosto, quando teve início a campanha pela sucessão municipal.

Não é a primeira vez que uma figura “desconhecida” surge “do nada” e, quando se vai ver, está no comando da maior cidade latino-americana. Pitta e Haddad são bons exemplos: o primeiro ― “foi Maluf que fez” ― saiu do mais merecido anonimato para se tornar o pior prefeito desde João Eanes (eleito em 1561); o segundo ― desafortunada invenção do ex-presidente Lula Lalau ― ainda está no cargo e, portanto, dispensa maiores apresentações.

Para o mundo onde circulam as ideias aceitáveis, parece irritante um ser político tão “incorreto” como Doria ― com suas malhas de cashmere, corte de cabelo, endereço residencial e saldo bancário de herói dos “coxinhas” do Brasil  ― ter reduzido a pó o candidato do “maior gênio político que este país já conheceu”, deixando-o com infames 17% dos votos, notadamente porque, a um mês da votação, os entendidos viam no tucano, em quarto lugar nas pesquisas, o exemplo perfeito do candidato errado, mas que, no dia da decisão, revelou-se o mais certo de todos, e que se elegeu em primeiro turno (fato inédito na capital paulista).

Talvez Doria venha a se tornar apenas “mais um ex-prefeito”, mas enquanto isso não fica definido ele incomoda. Tudo bem que Lula e o PT, com a calamidade que produziram no país, perdessem a eleição ― e não apenas em Sampa, mas em todo o país. Mas não “para esse aí”, que aí já é demais.
Doria é a soma de tudo o que menos se recomenda nos manuais de propaganda a um candidato a prefeito de uma cidade com 9 milhões de eleitores ― a grande maioria composta de gente pobre e empenhada na luta diária pela sobrevivência. Na direção exatamente oposta ao que a esquerda, em geral, e os analistas políticos, em particular, prescrevem a um candidato popular, ele não tem a menor hostilidade contra o automóvel. Quando ouve dizer que esta ou aquela medida “higieniza” a cidade, fica a favor ― acha que higiene é coisa boa. É contra doações à população ― esmolas, casas, mesadas. É a favor da polícia e contra os criminosos, sempre. Não gosta de impostos nem de multas, e acha que propriedades invadidas devem ser desocupadas e devolvidas.

E se isso tudo, ao contrário do que pregam nossas “classes intelectuais”, fizer sentido para as massas populares que imaginam conhecer tão bem? Não parece nenhum absurdo deixar em paz o automóvel numa cidade com 8 milhões de automóveis ― pode até ser errado, mas absurdo não é. Abster-se de propor doações ditas “sociais” parece adequado à grande cidade brasileira menos dependente do Bolsa Família e do governo. Faz sentido, numa metrópole onde milhões aspiram à propriedade privada e não abrem mão de sua defesa, combater invasões ― ou ser contrário à pichação de imóveis. Estará do lado da imensa maioria, também, quem ficar contra à entrega do espaço público a viciados em drogas, moradores de rua e desocupados. Que mal haveria em defender a repressão à desordem perante uma população que jamais ganhou um centavo com a destruição de vidraças de bancos? Ou em ser contra o crime diante de um eleitorado que defende o direito a portar armas? Ou em estar bem de vida quando isso é algo admirável para o paulistano pobre que trabalha e quer ter amanhã mais do que tem hoje? Nenhum, claro, sobretudo quando se pode dizer que esse dinheiro vem do próprio esforço, e não de roubalheira na Petrobras. Em suma: e se João Doria, justamente por ser quem é, for o retrato do político mais bem sintonizado, hoje, com as grandes classes populares de São Paulo?

Os pobres, aparentemente, não querem o que a esquerda quer que eles queiram. Querem coisas diferentes, muitas vezes o oposto ― e aí quem faz política precisa resolver de que lado está. Doria, no começo, foi visto como “uma loucura”. Loucos, como se vê agora, parecem os outros.

Com excerto do artigo FORA DA LINHA, de J.R. GUZZO


CUNHA VAI OU NÃO DELATAR? OH, DÚVIDA CRUEL!

De acordo com o jornalista Reinaldo Azevedo, existe uma disputa surda de estratégias e pontos de vista entre os procuradores da Lava-Jato e os delegados da Polícia Federal, para os quais é chegada a hora de pôr fim às delações premiadas ― não para frear, mas para não desmoralizar a investigação.

Para a oposição, o governo Temer pode ser alvo da eventual delação ― possibilidade que não foi descartada por Paulinho da Força, fiel escudeiro do ex-deputado. O governo e os governistas preferiram não comentar o episódio — no que, convenhamos, fizeram muito bem, pois qualquer pronunciamento impensado vira um tsunami de problemas.

A petralhada vê essa possibilidade com bons olhos, já que, em tese, apertaria o cerco em torno de Temer e do PMDB, embora Palocci esteja preso por, dentre outras acusações, ter criado facilidades para a Odebrecht, e a situação de Lula vir se agravando a cada dia que passa. E mais: Temer não tinha instrumentos para aquinhoar este ou aquele; até onde se sabe, ninguém o relacionou diretamente às safadezas. Talvez não se possa dizer o mesmo de alguns ministros de Estado, mas isso não quer dizer que o governo vai “desmoronar” se Cunha botar a boca no trombone, pois o presidente sempre poderá substituir os assessores comprometidos.

Por essas e outras, talvez os petistas devessem comemorar a coisa com mais parcimônia e focar seu próprio partido. Afinal, uma eventual queda do governo Temer não teria, por si só, o condão de lhes devolver o poder, como o resultado das eleições municipais deixou bem claro. E ainda que se queira ligar Cunha a Temer, o fato é que aquele nunca foi tão próximo deste quanto Palocci foi de Lula.

Volto ao assunto numa próxima postagem. Abraços e até lá.
 
Confira minhas atualizações diárias sobre política em www.cenario-politico-tupiniquim.link.blog.br/

2 comentários:

Martha disse...

Oi Fernando
Eu só conheço o Doria pela televisão e não sei nada sobre sua vida e conduta. Espero que se revele uma criatura disposta a melhorar Sampa.
Acho ridícula essa discussão sobre direita e esquerda...estamos no século XXI e isso fez sentido ( se é que fez) no século passado.
Li um artigo do Jabor sobre a boçalidade americana e brasileira e suas raízes....
O embasamento histórico é fundamental para compreendermos a atual situação mas o mundo mudou e o que todos nós queremos é apenas ter o direito de ir e vir , escolher nossos representantes e termos a vida que desejarmos sem que haja uma filosofia barata que se esconde atrás de hipócritas que se locupletam e aparentam uma vida virtuosa, pregando uma divisão de riquezas utópica....
Como bem dizia Tom Jobim, ter fama e dinheiro no Brasil é pecado...
O melhor modelo , com todos os defeitos inerentes, ainda é a saudável democracia....
Eu preciso do direito de ser quem sou e não quero ninguém no poder me negando isso...
Viva a ética e a democracia pura e não distorcida!!! Viva o povo brasileiro!!!
Bjs e obrigada sempre!!!

Fernando Melis disse...

Oi, Martha.
Sem dúvida, doutora. Na falta de coisa melhor, continuemos com a "saudável democracia", que, no Brasil, não é tão saudável quanto gostaríamos, mas enfim...
Acredito que o Doria fará um trabalho melhor que o do seu deplorável predecessor - petista metido a intelectual e "poste" com que o igualmente deplorável Lula nos empalou em 2014. A conferir.
No mais, assino embaixo. O que interessa às pessoas é ter condições de viver de forma digna suas próprias vidas, se a indesejável intervenção do Estado em coisas que não lhe cabe intervir. E nas que cabe, que intervenha em prol dos interesses da nação, em detrimento de interesses próprios (dos políticos que "nos representam", quero dizer), que não raro visam benefícios pessoais e corporativos, quando não um projeto espúrio de poder como o do PT.
E falando em eleições municipais, aposto, sem chance de errar que vocês, aí no Rio, terão o Marcelo à frente da prefeitura. Se o Freixo ou o Crivella, isso as urnas irão dizer no próximo domingo (risos).
Beijo grande e até mais ler.