terça-feira, 8 de novembro de 2016

SCANDISK/CHKDSK

SE O INIMIGO DEIXA UMA PORTA ABERTA, PRECIPITE-SE POR ELA.

O CHKDSK ― herança do velho DOS ― voltou à ativa com o Windows XP, substituindo o SCANDISK das versões 9x/ME. Mas ambos fazem basicamente a mesma coisa, ou seja, corrigem erros no sistema de arquivos e tentam recuperar clusters problemáticos.

Para convocar o utilitário, abra o Windows Explorer, dê um clique direito no drive que deseja examinar, clique em Propriedades/Ferramentas/Correção de erros/Verificar agora... e siga as instruções na tela. Note que, se houver erros a corrigir e/ou setores defeituosos a reparar, será preciso reiniciar o computador, pois o chkdsk só terá acesso exclusivo à unidade de sistema se for executado antes de o Windows ser carregado.

Você pode também rodar o utilitário a partir do prompt de comando. Para tanto, pressione simultaneamente a tecla com o logo do Windows e a da letra X e, no menu suspenso que será exibido, selecione a opção Prompt de Comando (Admin). Na janela do prompt, digite o comando CHKDSK X: /F (substitua o “X” pela letra correspondente à unidade desejada) e pressione a tecla Enter.

Observação: Se você não incluir o parâmetro /F, o chkdsk será executado no modo de leitura e se limitará a identificar eventuais problemas sem proceder às devidas correções.

Note que algumas suítes de manutenção, como a excelente Advanced System Care, da IOBit, integram módulos que realizam essa tarefa de maneira mais simples e rápida e menos burocrática. Para baixar a versão gratuita dessa suíte (que está de bom tamanho para uso doméstico, a despeito da versão comercial ser mais completa) e ter acesso a informações detalhadas sobre seus recursos e como utilizá-los, clique aqui.

Abraços a todos e até mais ler.


CLINTON X TRUMP E A ESCOLA DA PEDRADA

Depois de 16 intermináveis meses, encerra-se a mais bizarra, sangrenta (e de baixo nível) campanha presidencial norte-americana, com os postulantes ao cargo mais importante do planeta empatados tecnicamente, a despeito da pequena vantagem atribuída à candidata democrata Hillary Clinton, que, se confirmada, será a primeira mulher a presidir os EUA. Que “God bless America”, pois, no Brasil, a primeira “presidanta mulher” protagonizou um fiasco sem precedentes e pariu a maior crise político-econômica desde os tempos do Cacique Tupinambá Pena Abunda. No entanto, em que pese a importância dessa questão (e sua repercussão mundo afora, inclusive aqui pelas nossas bandas), acho melhor esperar o fait accompli a tecer conjecturas baseadas em especulações de segunda-mão.

Feito esse preâmbulo, segue um excerto adaptado de um (mais um) excelente artigo do jornalista Guilherme Fiuza ― autor do livro “NÃO É A MAMÃE ― PARA ENTENDER A ERA DILMA” ―, publicado na edição desta semana da revista ÉPOCA sob o título “A ESCOLA DA PEDRADA”.
Através de invasões a estabelecimentos de ensino, “revolucionários” protestam contra o ajuste fiscal proposto pelo governo Temer ― PEC 241 ― e contra o projeto de reforma do ensino médio em 21 estados, mais o DF (a Federação tem cinco estados alienados).

Como quem ainda lê algo além de disparates no Facebook sabe, a ideia das mudanças no ensino médio visa tornar o currículo menos disperso, aproximando-o dos interesses específicos de cada aluno – enfim, ajudando o estudante a estudar, como acontece em vários dos países mais letrados. Também não é segredo que o projeto é um projeto ― ou seja, está colocado para discussão por parte de todos que queiram discutir, pensar e outras ações não tão emocionantes quanto jogar pedra.

Desde que o governo Temer pôs o assunto na pauta, a proporção tem estado mais ou menos em uns 5% de debate e 90% de pedrada (descontando-se uns 5% de “isentões” ― os que têm pedras nas mãos, mas não a coragem de jogá-las). Se você tentar discutir ― no sentido nobre do termo ― com algum dos críticos da reforma proposta, provavelmente ele vai gritar que querem acabar com a educação física, tornar o país sedentário e matar todos os inocentes de colesterol alto. Só lhe restará perguntar se o aguerrido interlocutor também não abre mão de moral e cívica. Mas o maior enigma dessa revolução está num elemento impressionante: no governo da saudosa companheira Rousseff, essa reforma hedionda já estava em discussão ― sem uma única sala de aula invadida por causa disso. Não restam mais dúvidas: Dilma é que era legal.

Mas tem também a PEC demoníaca, já apelidada por algum discípulo de João Santana de “PEC do fim do mundo”. Um voluntarioso exército propagador, com seus diligentes repetidores nas artes, nas universidades e na imprensa, espalhou que essa PEC aí é para tirar dinheiro da Educação e da Saúde. Alguns vão além, explicando que é uma manobra para beneficiar os banqueiros. Eles só não revelam que o Lobo Mau comeu a Vovó e está prestes a devorar Chapeuzinho porque a criançada revolucionária poderia não suportar tanta crueldade.

A notícia de que a PEC 241 vai tirar dinheiro da Educação e da Saúde não corresponde à realidade dos fatos. Ou, em português mais claro: é mentira. Alguns poderão argumentar que se trata de um mal-entendido, mas estarão equivocados. A turma que espalhou a historinha da PEC do fim do mundo sabe bem do que está falando ― e tem plena confiança de que a multidão de inocentes úteis dispostos a repetir a falácia jamais se dará ao trabalho de ler uma linha séria sobre ela. A PEC 241 tem o único e singelo objetivo de tentar começar a arrumar a casa após o cataclismo financeiro da última década. Mas os revolucionários não vão cair nessa: a ruína da Dilma é que era legal.

Se a PEC dos homens brancos, velhos, recatados e do lar passar, a Educação e a Saúde vão ter mais dinheiro. Não é naquele futuro imaginário do pré-sal, vendido pelos companheiros como terrenos na Lua: é do médio para o curto prazo. E mais importante ainda do que a apreciação orçamentária dos setores sociais será, se tudo der miseravelmente certo, a descontaminação da gestão dessas áreas ― entregues pelos heróis petistas a seus parasitas de estimação. Aí a ocupação das escolas terá de ser para protestar contra o assassinato da moral e cívica.

Quando a PEC passar, a grita vai ser contra Moro e a perseguição à alma mais honesta do mundo, e assim por diante, até que os brasileiros parem de dar tapinhas nas costas de quem lhes atira pedras fingindo defendê-los.

Confira minhas atualizações diárias sobre política em www.cenario-politico-tupiniquim.link.blog.br/

2 comentários:

Martha disse...

Oi Fernando
Que post!!!!
Eu estou sem suíte de manutenção no momento...uso o Norton, o CCLEANER e o SpyHunter.
Já usei o Advanced por um bom tempo e é excelente mas antes da trapalhada com o novo PC achei-o muito invasivo ultimamente...
Só uso o Driver Booster que é ótimo.
Quanto ao restante: assino embaixo.
Do jeito que a polarização se apresenta temos até medo de falar alguma coisa...a que ponto chegamos!
Como foram décadas de lavagem cerebral....
Bjs e obrigada sempre!!!!

Fernando Melis disse...

Oi, Martha.
Obrigado, doutora.
Já disse a você (e aos leitores, em mais de uma postagem) que gosto muito do Advanced System Care, especialmente pela diversidade de ferramentas que a suíte oferece, com destaque para desinstalação de aplicativos, desfragmentação do HD, limpeza e desfragmentação do Registro, atualização de drivers, e por aí afora. Pena que alguns recursos só estejam disponíveis na edição PRO (paga), mas não são muitos e a quantidade de módulos gratuitos justifica plenamente a instalação da suíte.
A propósito, para tratar do Registro, eu não abro mão do Wise Registry Cleaner - versão gratuita disponível para download em http://www.wisecleaner.com/wise-registry-cleaner.html). Semana sim, semana não, ou quando eu acho que meu Ten está meio devagar para encerrar e reiniciar, eu faço uma faxina, desfragmento e compacto o Registro com esse excelente programa, e tudo volta a ser como antes no Quartel de Abrantes.
No mais, não podemos fazer muito, mas não devemos nos calar. Tão prejudicial quanto fazer o mal é ser conivente com quem cultiva esse pernicioso hábito. Por isso que eu venho "batendo" no PT, em Lula, na Dilma (acho que fui um dos maiores defensores do impeachment da sacripanta, lá no .Link). Se perdi seguidores, tanto lá quanto aqui no Blog e no G+, paciência. Aliás, estamos numa democracia, e a porta da rua é serventia da casa (risos).
Beijos, obrigado pela presença e pelas palavras gentis de sempre, e até mais ler.