sábado, 17 de dezembro de 2016

COM AMIGOS COMO ESSES...

Vimos na última quarta-feira que a delação de Cláudio Melo Filho, o “homem da Odebrecht em Brasília”, atingiu a alta cúpula do governo, e que dentre os nomes suscitados está o do próprio presidente da República, cuja campanha de 2014, segundo o delator, foi patrocinada por um aporte de R$ 10 milhões, parte dos quais teria sido entregue no escritório de José Yunes, em dinheiro vivo, por um emissário da empreiteira.

Observação: Yunes é assessor especial da presidência da República e amigo pessoal de Temer. Ou era, melhor dizendo, já que pediu demissão após tomar conhecimento de que Marcelo Odebrecht avalizou, em sua própria delação, a acusação feita por Melo Filho (esta não é foi primeira vez que o nome de Yunes é associado a supostas movimentações financeiras de Temer; o ex-deputado Eduardo Cunha já havia levantado suspeitas sobre a relação entre eles e um suposto caixa dois).

O dinheiro, segundo o “Príncipe das Empreiteiras”, foi solicitado durante um jantar no Palácio do Jaburu, em maio de 2014, que contou com a presença de Temer, então vice-presidente, e do hoje ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha. No entanto, Marcelo não deu detalhes sobre a operacionalização do dinheiro, que, de acordo com Melo Filho, foi feita por Padilha (segundo a Folha, os três negam qualquer tipo de irregularidade, e a empreiteira não se manifesta sobre o teor dos acordos). Em sua carta de demissão, Yunes afirmou que seu nome foi “jogado no “lamaçal de abjeta delação e enxovalhado por irresponsáveis denúncias” ― e, claro, negou enfaticamente qualquer participação ou mesmo conhecimento da história dos 10 milhões de reais.

Como se vê, cada presidente tem seu José Carlos Bumlai. Para quem não se lembra, o pecuarista era uma espécie de “consiglieri” da Famiglia Lula da Silva e tinha acesso irrestrito ao gabinete presidencial. Depois que foi preso e sentenciado pelo juiz Sérgio Moro a 9 anos e 10 meses de prisão por gestão fraudulenta de instituição financeira e corrupção, o amigão de Lula passou a “não ser tão amigo assim” ― segundo o próprio molusco abjeto, que até hoje nega ser o dono do famoso sítio Santa Bárbara, em Atibaia, e do não menos notório tríplex no Guarujá, a despeito da cachoeira de evidências que demonstram o contrário do que ele afirma. Mas isso já é outra história.

A que se aplaudir a iniciativa de Yunes, que minimiza o constrangimento imposto ao presidente pela suposta associação de mais um assessor e amigo pessoal a práticas nada republicanas. Seu exemplo deveria ser seguido por outros “amigões” de Temer, como o angorá e o primo ― leia-se Moreira Franco e Eliseu Padilha ―, até porque o governo já vai mal das pernas, e manter-se cercado de suspeitos (ainda que por enquanto sejam “apenas suspeitos”) não melhora em nada a credibilidade de quem, como a mulher de César, além de ser honesto, precisa parecer honesto. Será que já não bastava vermos o presidente se curvar ao todo-poderoso cangaceiro das Alagoas ― que, através de nefanda meia-sola constitucional urdida em conluio com o STF, foi afastado da linha sucessória, mas mantido Senador e presidente do Congresso Nacional “em prol da governabilidade” ―, a pretexto da uma eventual cassação pôr em risco a aprovação da PEC dos gastos e outras medidas caras ao governo?

Enfim, sua insolência se despediu nesta quinta-feira da presidência do Senado e do Congresso Nacional. Depois do recesso parlamentar de final de ano, haverá nova votação para a escolha do novo presidente. E Renan já vai tarde. E queira Deus que não tarde a ser devidamente despachado para a carceragem da PF em Curitiba. Até porque nada menos que 12 processos contra ele tramitam no STF,  num dos quais o dito-cujo já é réu. Isso sem falar numa nova denúncia apresentada contra por Janot na última segunda-feira, por crimes de lavagem de dinheiro e corrupção passiva na contratação da empresa Serveng Civilsan pela Petrobras. De gente assim, o povo já está até os tampos!

Voltando a Temer, com amigos desse tipo, quem precisa de inimigos?

Confira minhas atualizações diárias sobre política em www.cenario-politico-tupiniquim.link.blog.br/
Postar um comentário