domingo, 15 de janeiro de 2017

AINDA SOBRE POLÍTICOS E HELICÓPTEROS

O gosto do governador petista Fernando Pimentel por mordomias (vide postagem anterior), notadamente no que concerne a voar à custa do contribuinte, parece ser compartilhado por políticos dos mais variados partidos (e olhe que partido político é o que não falta no Brasil, haja vista o número de legendas registradas no TSE, ávidas por morder uma fatia do fundo partidário e vender a peso de ouro seu tempo na mídia durante as campanhas eleitorais).

Observação: Torno a lembrar que, ironicamente, as caudalosas denúncias de corrupção contra o governador mineiro começaram precisamente em virtude de um avião: a Operação Acrônimo teve início em outubro de 2014, quando a PF apreendeu um jatinho que pousou em Brasília com uma soma significativa em dinheiro vivo e farto material de campanha de Pimentel.

Não que o custo da viagem do petralha (estimado em R$ 5 mil) represente mais do que uma gota d’água no oceano de dívidas em que se afoga a economia mineira (vale lembrar que MG disputa com o RJ e o RS o título de “Grécia Brasileira”). O que pegou mal foi o acinte, o deboche, a desfaçatez, o escárnio representado por mais esse abuso, notadamente depois que sua insolência decretou “estado de calamidade financeira” por conta do descalabro nas contas públicas do Estado que governa. Para piorar, diferentemente do que fizeram outras autoridades pilhadas em situações semelhantes, o sacripanta não se prontificou a reembolsar o Erário, limitando-se a afirmar (como de praxe) não fez nada de errado. E mesmo que sua versão expressasse a mais pura verdade (o que se admite apenas por amor à argumentação), o contribuinte mineiro não entendeu por que razão uma indisposição do filho do governador o isentaria de ressarcir o prejuízo.

Passando ao mote desta postagem, o tucano Aécio Neves (autor do decreto em que Pimentel se embasou para se arrogar o direito de usar as aeronaves oficiais com bem entender) viajou pelo menos seis vezes em helicópteros e aviões oficiais destinadas ao transporte de autoridades, isso 22 meses depois de ter deixado o cargo de governador de Minas Gerais.

Outro exemplo: Sérgio Cabral, ex-governador do RJ e atualmente hospedado no complexo penitenciário de Gericinó, em Bangu, era useiro e vezeiro em requisitar o helicóptero do governo do Rio para levar empregadas às compras em supermercados, buscar roupas que a primeira-dama tivesse esquecido de levar nas viagens de fim de semana em Mangaratiba, e até mesmo para transportar Juquinha, o cachorro da família.

Em 2013, o presidente do Senado e Cangaceiro das Alagoas Renan Calheiros utilizou um avião da FAB no deslocamento que fez de Brasília ao Recife para realizar ― pasmem! ― um implante capilar (como ele não tinha sequer uma agenda oficial para justificar a gastança, acabou devolvendo R$ 27000 aos cofres públicos).

Segundo levantamento feito pelo ESTADÃO, a despeito de Dilma Rousseff ter proibido via decreto (em abril de 2015) o uso de aeronaves da FAB por ministros em deslocamento para seus domicílios, de maio a novembro do ano passado o staff do governo Temer se esbaldou em pelo menos 238 viagens que tinham como origem ou destino suas respectivas cidades de residência.

Como bem dizia Ruy Barbosa, “aos amigos, tudo, aos inimigos, a Lei”!

2 comentários:

Martha disse...

Oi Fernando
Excelente post!!!
Viva Ruy Barbosa!!!!
Só nos resta aguardar as próximas eleições e esperar que os candidatos tenham um mínimo de moralidade ( não podemos pedir mais que isso) e preparo para conduzir nosso país ao progresso que ele merece....
Bjs e obrigada sempre!!!!

Fernando Melis disse...

Oi, Martha.
Obrigado, doutora.
Ah, e podemos - e devemos -, sim, pedir bem mais do que isso. Mas a experiência ensina e a prudência recomenda não esperar demais dessa corja de salafrários (risos).
Beijos, bom final de domingo e até amanhã.