quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

COMO EXTRAIR A TRILHA MUSICAL DE CLIPE DE VÍDEO ― CONVERSOR ONLINE

MULHER E LIVRO, EMPRESTOU, VOLTA ESTRAGADO.

O KaZaA foi criado em 2001 pela BlueMoon Interactive e se popularizou rapidamente entre os internautas que curtiam música. Ele reunia os usuários numa enorme rede P2P (peer-to-peer ou ponto a ponto, isto é, sem um servidor central), facilitando o compartilhamento de músicas, filmes e até games. O grande problema era a lentidão (principalmente quando poucos usuários dispunham do arquivo que muitos desejavam baixar, sem mencionar que, naquela época, usava-se a hoje obsoleta conexão discada) e os riscos de infecção por vírus, trojans, spywares e outros códigos maliciosos, já que tanto o KaZaA quanto seus concorrentes eram largamente explorados pelos ciber malfeitores de plantão.

Hoje em dia, não faz muito sentido usar essas coisas, até porque o streaming é bem mais prático. Além disso, igualmente mais prático é você localizar um clipe de vídeo no YouTube com a música que deseja baixar para o seu PC e, em vez de fazer o download do clipe e assisti-lo sempre que quiser ouvir a faixa musical, convertê-lo em arquivo .MP3, baixá-lo, incluí-lo em suas playlists ou mesmo copiá-lo para um pendrive ou para seu smartphone, por exemplo.

Embora haja diversas opções de suíte de edição de vídeo para download na Web (dias atrás, aliás, a gente conversou sobre a excelente VIDEO CONVERTER ULTIMATE PRO), instalar um aplicativo dedicado, ainda que gratuito, me parece um exagero quando a ideia é apenas extrair a trilha sonora de um clipe de vídeo e salvá-la no PC. Para isso, há excelentes ferramentas online, que executam essa tarefa de forma simples e rápida, diretamente do navegador e, o que é melhor, sem que você precise incomodar o escorpião que carrega no bolso.

Para situações como essa, eu já sugerir (diversas vezes) o excelente conversor oferecido em http://www.youtube-mp3.org/. No entanto, diz um velho ditado que “quem tem dois tem um, e quem tem um não tem nenhum”, e agora há pouquinho, quando precisei extrair a trilha de um clipe do YouTube, fui convidado a tentar mais tarde, pois havia uma manutenção em andamento.  Por conta disso, é sempre bom você ter um plano B, que para mim, no caso, é o excelente https://www.onlinevideoconverter.com/pt. Fica a sugestão.


SOBRE O SIGILO DA MÃE DE TODAS AS DELAÇÕES

Após ter homologado a Delação do Fim do Mundo, a ministra Carmen Lucia deve definir o novo relator dos processos da Lava-Jato no Supremo, o que deve ocorrer nesta quinta-feira (esperava-se que ocorresse ontem, mas não rolou, conforme veremos mais abaixo).

No pedido que encaminhou ao STF ― para que a homologação das delações dos 77 da Odebrecht fosse tratada com urgência ― Rodrigo Janot não fez menção explícita à questão do sigilo, de maneira que a presidente da Corte não o suspendeu (se o tivesse feito, seria ainda mais criticada por quem achava que a homologação deveria ficar por conta do sucessor de Zavascki, a quem caberia também a relatoria dos processos da Lava-Jato, sem embargo de isso retardar o andamento dos trabalhos e conceder mais fôlego aos quase 200 políticos acusados de práticas pouco republicanas pelos delatores ― seleta confraria composta pelo presidente Temer e seus dois predecessores, além de ministros e ex-ministros, governadores e ex-governadores e congressistas de diversos partidos políticos.   

Claudio Lamachia, presidente da OAB, é favorável à suspensão do sigilo. Para ele, além de ser melhor a sociedade tomar logo conhecimento dos fatos delatados, colocar as cartas na mesa serviria para arrefecer as inevitáveis teorias conspiratórias e evitar “vazamentos seletivos”. Demais disso, ao pairar como a Espada de Dâmocles sobre o núcleo do Governo Federal, essa indefinição retarda a aprovação de medidas importantíssimas para o Brasil, como as reformas política, trabalhista e da Previdência (como diz um velho ditado, “a incerteza que esvoaça desgraça mais que a própria desgraça”).

Cabe ao procurador-geral de República decidir se pede o fim do segredo de justiça agora ou se espera a definição do novo relator da Lava-Jato no Supremo. Anteontem, ele que “não é hora” de fazer comentários sobre a homologação, mas, durante encontro com senadores e deputados federais no mês passado, afirmou que pediria a retirada do sigilo tão logo as delações dos 77 da Odebrecht fossem homologadas. Fontes da PGR acreditam que o ideal seria ele apresentar o pedido ao novo relator, cujo nome deve ser conhecido ainda hoje.

Voltando à relatoria da Lava-Jato, parece que Carmen Lucia ainda quer ouvir todos os ministros da corte sobre o “pedido de mudança apresentado por Edson Fachin” (da mesma forma que no exército, antiguidade é posto no STF, e como a nomeação de Fachin foi a mais recente, ela quer saber se alguém mais da Primeira Turma tem interesse em mudar para a Segunda). Vale lembrar que a presidente pode realizar o sorteio apenas entre os ministros da Segunda Turma ou estendê-lo a todos os 9 magistrados que restaram com a morte de Zavascki (a presidente não se inclui, naturalmente). Vale lembrar também que não existe no regimento um artigo que permita a um ministro escolher um caso, mas nada o impede de declinar da relatoria de um processo ― no contexto atual, o decano Celso de Mello já adiantou que não aceitaria relatar a Lava-Jato (segundo ele, por motivos de saúde).

Embora seja controversa, a possibilidade de Carmen Lucia definir ela própria a situação existe; o que não existe (pelo menos até onde eu consegui apurar) é um precedente nesse sentido. Mas para tudo tem uma primeira vez. Aliás, em recente entrevista à imprensa, o ministro Marco Aurélio Mello sinalizou que Fachin sucederá a Zavascki na relatoria da Lava-Jato. Mas melhor ainda seria a presidente avocar para si essa relatoria como fez com a homologação da Delação dos 77 da Odebrecht ― e ponto final.

Enfim, na primeira sessão do Supremo em 2017, quando esperava-se que seria decidida questão que versa sobre a possibilidade ― ou não ― de réus em ações penais ocuparem cargos que os coloquem na linha sucessória presidencial (como os de Presidente da Câmara Federal e do Senado), o julgamento da APDF 402, que já havia sido interrompido no ano passado por um pedido de vistas de Dias Toffoli (quando a maioria dos magistrados já havia votado pelo impedimento), foi a vez de Gilmar Mendes pedir vista do processo e adiar ― novamente ― a decisão final. 

Em novembro de 2016, o adiamento favoreceu o Cangaceiro das Alagoas, que semanas mais tarde se tornou réu numa ação penal em trâmite no STF. Para quem não se lembra, Renan afrontou o Judiciário, recusando-se a receber a notificação que o afastava do cargo, e com isso pariu-se uma jabuticaba jurídica que criou a figura do “meio senador”. Agora, como Rodrigo Maia têm chances reais de permanecer na presidência da Câmara por mais dois anos e Eunício Oliveira já foi confirmado presidente do Senado, seria bom que tivéssemos essa definição o quanto antes. Nem Maia nem Oliveira são réus em ações penais (ainda). Mas ambos foram citados na delação do ex-diretor da Odebrecht Cláudio Melo Filho. Se forem denunciados pela PGR e o STF aceitar as denúncias, a decisão os afetará diretamente ― vejam vocês que ironia: como não temos vice-presidente, quem assumiria o comando na ausência de Temer seria Carmen Lucia, ou seja, teríamos novamente uma mulher no comando da Banânia).

Observação: Antes de a votação ser interrompida, cinco ministros haviam decidido que réus não podem assumir a linha sucessória da presidência e têm de ser afastados também dos cargos parlamentares, enquanto outros três deliberaram pelo afastamento da linha sucessória, mas sem a perda do mandato nos cargos eletivos pelo voto popular.

Para encerrar: O estado de saúde da ex-primeira dama Marisa Letícia permanecia inalterado até o início da tarde de ontem (ou seja, ela continuava em coma induzido), mas o quadro se agravou no decorrer do dia e já se fala que é irreversível. Na última segunda-feira, por ocasião de sua primeira manifestação pública e presencial sobre a situação da ex-primeira dama, o molusco abjeto afirmou a simpatizantes que “a pressão e a tensão fazem as pessoas chegarem ao ponto que a Marisa chegou”. Pobre alma.

Em tempo:

Deu no ANTAGONISTA: De um profissional com quase quarenta anos de vida em tribunais, sobre o sorteio que Carmen Lucia fará para definir o novo relator da Lava-Jato:

"Quando um juiz aceita o lugar de outro, ele herda todos os processos sob análise no novo gabinete. Se Fachin aceitou ocupar o posto de Teori, deveria ser automaticamente o novo relator da Lava-Jato. Pelo regimento do STF, inclusive, o sorteio só ocorreria 'diante de grave risco de perecimento da causa'. Não há esse risco: Teori morreu durante as férias forenses, Carmen homologou as delações da Odebrecht. Se Teori estivesse vivo e em férias, ela também decidiria as questões urgentes do gabinete dele. Acabaram as férias, Fachin assumiu o gabinete de Teori. Não há risco para a Lava-Jato ou para qualquer outro processo. Isto pode causar a nulidade dos processos."

Confira minhas atualizações diárias sobre política em www.cenario-politico-tupiniquim.link.blog.br/

ATUALIZAÇÕES:

MORTE CEREBRAL DE MARISA LETÍCIA LULA DA SILVA

Exame realizado nesta manhã no Hospital Sírio-Libanês constatou não haver atividade cerebral em Marisa Letícia, que se encontrava internada na UTI desde a semana passada, devido a um AVC. O ex-presidente Lula já autorizou a doação de órgãos do corpo da mulher, cujo coração continua batendo. Tecnicamente, não se poderia falar em morte cerebral antes de um protocolo de exames, mas a equipe do doutor Roberto Kalil Filho não deverá realizá-los, pois considera esse procedimento dispensável no caso da ex-primeira-dama. O médico já havia informado na última madrugada que o quadro da paciente havia deteriorado e se tornado “irreversível”.

FACHIN PASSA PARA A 2ª TURMA DO STF E É O NOVO RELATOR DA LAVA-JATO

Após a formalização da transferência de Edson Fachin para a 2ª Turma do STF, o ministro passou a ser o novo relator dos processos da Lava-Jato na Corte. Fachin era um dos ministros mais próximos a Teori Zavascki e não escondeu sua emoção no enterro do colega.
O ministro ascendeu ao STF por indicação de Lula, mas seu nome só foi confirmado no governo de Dilma. Em meio a turbulências políticas no governo da petista, o ministro enfrentou dura resistência no Senado, mas, ao chegar ao Tribunal, frustrou a expectativa dos apoiadores e advogados da presidanta ao proferir um voto considerado “muito rigoroso” na sessão que definiu o rito do julgamento do impeachment da mulher sapiens.

MORO CONDENA JOÃO SANTANA, MONICA MOURA E MAIS QUATRO NA LAVA-JATO

Em sentença publicada nesta quinta-feira, o juiz Sérgio Moro condenou a 8 anos e 4 meses de prisão o marqueteiro João Santana e sua esposa, Monica Moura, por corrupção ativa e lavagem de dinheiro. Na mesma ação, originada pela 23ª fase da Lava-Jato (codinome Acarajé), também foram condenados o operador Zwi Skornicki ― a 15 anos, 6 meses e 20 dias por corrupção ativa, lavagem de dinheiro, e organização criminosa; o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto ― a 10 anos, por corrupção passiva; o ex-diretor da Sete Brasil João Carlos de Medeiros Ferraz ― a 8 anos e 10 meses, por corrupção passiva e organização criminosa; e o ex-gerente da Petrobras Eduardo Costa Vaz Musa ― a 8 anos e 10 meses, por corrupção passiva e organização criminosa. João Santana, vale lembrar, foi marqueteiro nas campanhas presidenciais dos ex-presidentes petralhas Lula e Dilma. O magistrado também determinou um novo mandado de prisão preventiva contra João Vaccari Neto, que já está preso no Complexo Médico-Penal de Pinhais, em Curitiba. Ao contrário dos demais, Vaccari não poderá recorrer em liberdade caso consiga revogar a prisão anterior.
Postar um comentário