sábado, 4 de março de 2017

A DICOTOMIA PETISTA DO “NÓS X ELES”


A DICOTOMIA PETISTA DO “NÓS X ELES”

Lula e o PT não criaram a corrupção, embora a tenham institucionalizado e colocado a serviço de seu espúrio projeto de poder, embrulhada em falácias populistas que, durante algum tempo, engambelaram até os mais céticos. Na avaliação do sociólogo e cientista político Bolívar Lamounier, a era lulopetista feriu a democracia brasileira muito mais profundamente do que se tem admitido, não só com a corrupção sistêmica, cuja radioatividade está longe de terminar, e as insanidades do governo Dilma, que elevou para mais de 12 milhões o número de desempregados, mas também com o culto sistemático da mentira, a falsificação ideológica da história e o uso político de aberrações conceituais, que dividiram os brasileiros em “nós” e “eles”, fomentando a cizânia entre a esquerda e a direita e culpando a mídia, as “zelites”, os “coxinhas”, o Judiciário e sabe Deus quem mais por tudo que deu errado na sua imprestável administração.

Com efeito, desde sua fundação, há 36 anos, que o PT insiste em apresentar a história brasileira como obra de uma elite pequena, coesa, gananciosa, em permanente conspiração contra os trabalhadores e os pobres. Um país de verdade, onde todos tenham oportunidade, só a partir de Lula. Mas, ironicamente, o grande exemplo de país governado por uma elite conspiratória foi o próprio PT que nos ofereceu. Ao se associar umbilicalmente ao cartel das empreiteiras, Lula e seus acólitos conspiraram o quanto puderam, com requintes de profissionalismo a toda prova. E mais: dividiram o eleitorado de tal forma e tão passionalmente que as pessoas trocaram a civilidade e o respeito mútuo por agressividade, ódio e repulsa pelos adversários. Claro que as redes sociais também colaboraram, mas considerá-las a única responsável por essa polarização seria o mesmo que culpar a arma pelo homicídio e absolver quem a sacou, apontou e puxou o gatilho.

Anda difícil achar alguém que não tenha rompido uma antiga amizade, deixado de falar com parentes ou virado a cara para colegas de trabalho por conta de diferenças de “ideologia política” ― tema que o bom senso recomenda evitar em happy-hours, festas familiares e reuniões corporativas. Por outro lado, é preciso paciência de para aturar o proselitismo da militância petista e de seus apoiadores, que, a despeito de todas as evidências em contrário, insistem em dogmatizar as bazófias asininas do penta-réu chefe da ORCRIM e aplaudir os discursos azoratados que ele não perde a oportunidade de proferir, mesmo que isso signifique fazer de palanque o esquife da ex-primeira-dama Marisa Letícia, numa demonstração de vileza e de mau-caratismo à toda prova. No funeral da esposa, o pulha chegou ao cúmulo de atribuir sua morte à tensão decorrente das acusações na Lava-Jato, e a insinuar que o culpado seria Sergio Moro. E foi aplaudido pela patuleia ignara ― veja a que ponto chega o descolamento da realidade dessa confraria de “esquerdistas”.

Em plena era do pós-verdade, a mentira campeia solta e fatos objetivos têm menos influência do que apelos emocionais e crenças pessoais. É o mais desolador é que isso se verifica em todos os níveis, aí incluído o dos políticos, cuja função é nos representar. A título de ilustração, em março do ano passado, depois de Lula ser conduzido coercitivamente para depor na PF, Jandira Feghali gravou um vídeo para “tranquilizar a militância” (confira neste link). Enquanto ela diz que o molusco está “muito tranquilo”, vê-se ao fundo o dito-cujo falando ao celular ― ué, ela agora tem celular? ― com a nefelibata da mandioca, e, em determinado momento, ouve-se claramente ele esbravejar:  “Eles que enfiem no cu todo o processo”. Imagine o que ele diria se não estivesse sereno!

Mas o que mais causa espécie é ver pessoas que reputamos esclarecidas defenderem com unhas de dentes a “honestidade” desse um salafrário abjeto, prestigiarem uma agremiação criminosa travestida de partido ― onde, se alguém gritar pega ladrão, não fica um ― e prestarem vassalagem a uma ex-governante de merda, que destruiu a Economia para ficar mais 4 anos na presidência, embora nunca tenha sido capaz de gerenciar coisa alguma ― como comprova a falência de suas duas lojinhas de badulaques importados, em meados dos anos 1990, justamente quando a paridade entre o real e o dólar favorecia sobremaneira esse tipo de comércio.

Ainda que não sirva de consolo, esse descolamento da realidade ― ou tendência de negar incondicional e irracionalmente os fatos em sua obviedade ― não é privilégio da patuleia tupiniquim. Na primeira entrevista como presidente dos EUA, o parlapatão Donald Trump disse que sua posse reuniu a maior plateia de todos os tempos, ainda que a multidão fosse 70% menor do que na posse de Barack Obama, em 2009. Quando os jornais New York Times e Washington Post publicaram fotos aéreas comparativas (vide imagem), Trump os chamou de mentirosos e manipuladores. No dia seguinte à posse, a empresa de pesquisas YouGov mostrou as fotos a 1.388 americanos e perguntou qual posse era de quem. Entre os eleitores de Trump, 41% deram a resposta errada. E quando os pesquisadores reformularam a pergunta para “em qual dessas duas fotos tem mais gente”, 15% insistiram que havia mais pessoas na imagem vazia. Durma-se com um barulho desses!

Para entender melhor, vejamos alguns números: durante as eleições americanas, o site BuzzFeed monitorou o compartilhamento de notícias verdadeiras e falsas. As 20 Fake News mais bombadas tiveram 8,7 milhões de compartilhamentos, enquanto as verdadeiras, 7,3 milhões. No Brasil, esse quadro é ainda pior: no ano passado, o mesmo site analisou as 20 notícias que mais se destacaram nas redes sociais (10 verídicas e 10 falsas) e constatou que os posts mentirosos foram bem mais compartilhados do que os verdadeiros (3,9 milhões e 2,7 milhões de vezes, respectivamente).

Agora, a explicação: quando se depara com uma informação nova, nossa mente tende a tomá-la por verdade. A desconfiança e possível refutação, segundo o psicólogo Daniel Gilbert, da Universidade de Harvard, só acontece depois, porque desconfiar requer mais esforço cognitivo e, portanto, gasta mais energia. Assim, quanto mais informações nosso cérebro recebe, mais propenso ele se torna a aceitar cada uma delas. E como as redes sociais compartilham informações em quantidade e velocidade vertiginosas (só no Facebook, há mais de 5 bilhões de compartilhamentos por dia), a conclusão é óbvia. Para Márcio Moretto Ribeiro, professor da USP e criador do Monitor do Debate Político no Meio Digital, as redes permitem que os usuários escolham suas próprias versões dos fatos, e as pessoas tendem a compartilhar notícias que reforçam suas ideias preconcebidas, sejam elas verdadeiras ou não (as informações são da revista Superinteressante).

Por essas e outras, eu desisti de argumentar com a patuleia abilolada. Limito-me divulgar os fatos e oferecer a minha interpretação. Deixei de perder tempo com polêmicas que levam coisa alguma a lugar nenhum. Se leio algo que me chama a atenção, além de verificar se a origem confiável, checo também se a notícia foi divulgada por outras fontes fidedignas. Afinal, 13 anos e fumaça de lulopetismo propiciaram a disseminação de uma quantidade exorbitante de sites e blogs-mortadela, especializados em espalhar a desinformação, e muitos continuam ativos e operantes, mesmo depois de o governo atual lhes ter cortado o patrocínio.

Quanto a editoriais e colunas, é preciso ter em mente que eles expressam a opinião do jornal/revista ou do colunista, conforme o caso. Mas opinar é uma coisa, vender gato por lebre é outra bem diferente. Ainda assim, alguns tem a cara de pau de publicar como verdade qualquer coisa que provenha do departamento de propaganda do Partido dos Trambiqueiros, mesmo que seja capaz de enrubescer santo de pedra. Tem quem afirma que Lula foi o melhor presidente do Brasil, que Dilma fez um excelente governo, que o impeachment foi um “golpe”, que Temer é um “traíra” sem legitimidade para ocupar a presidência, que a aprovação da PEC do teto foi uma calamidade, que Previdência não está falida, que a reforma da Legislação Trabalhista vai prejudicar os trabalhadores, que privatização é entreguismo, e por aí segue essa lamentável procissão de bobagens. Houve até quem que afirmasse ― pasmem! ― que o nove-dedos teria sido indicado para o Prêmio Nobel... Vão sonhando. Quem sabe um dia a academia sueca resolva laurear os que mais se destacam no campo da desfaçatez, do cinismo, da corrupção...

Enfim, o jeito é deixar pra lá. Depois de meia dúzia de réplicas e tréplicas, se você perceber que o interlocutor continua impermeável à argumentação, desencane, mude de assunto ― ou de interlocutor. Fuja dos haters, ou você acabará se tornando igual a eles.

Confira minhas atualizações diárias sobre política em www.cenario-politico-tupiniquim.link.blog.br/
Postar um comentário