terça-feira, 25 de abril de 2017

O MEDONHO JOGO DA BALEIA AZUL

A CRIANÇA DIZ O QUE FAZ, O VELHO, O QUE FEZ E O IDIOTA, O QUE VAI FAZER.

Por vezes, é a vida que imita a arte. Um bom exemplo é o sinistro “jogo da Baleia Azul”, que mais parece ter saído de um conto do Mestre do Terror Stephen King, mas é real, surgiu na Rússia ― ou pelo menos foi de lá que vieram os primeiros relatos de adolescentes terem dado cabo da própria vida, atirando-se do alto de um prédio ou se jogando debaixo de um trem ― e vem avançando mundo afora com a velocidade vertiginosa das Redes Sociais.

Mensagens enviadas por “curadores” a grupos fechados do WhatsApp e outros aplicativos afins desafiam as vítimas a cumprir 50 tarefas, que vão de desenhar uma baleia azul numa folha de papel à automutilação e até o envenenamento de outras pessoas. A derradeira missão é o suicídio, e os participantes são instados a seguir fielmente as instruções, pois, se desistirem do jogo, bloquearem o remetente das mensagens ou simplesmente ignorarem as tarefas, serão rastreados, e seus familiares, punidos.

Em contrapartida aos desafios macabros propostos pelo jogo da Baleia Azul, surgiram variações como a “Baleia Verde” ― que desafia os participantes a realizar 35 tarefas que estimulam sua autoconfiança e autoestima ― e a “Baleia rosa” ― que conta com mais de 200 mil seguidores e propõe desafios como “escreva na pele de alguém o quanto você a ama”, “poste uma foto usando a roupa que te faz sentir bem” e “faça carinho em alguém”.

Segundo o portal G1, jogos com apelos de riscos letais têm virado moda entre os adolescentes. Um exemplo é o jogo da asfixia, que gerou vítimas no Brasil. Outros são o “Desafio do Sal e Gelo” ― no qual, para serem aceitos no grupo, os adolescentes devem queimar a pele e compartilhar as imagens nas redes sociais ― e o “Jogo da Fada”, que incita crianças a inalar o gás do fogão de madrugada, enquanto os pais dormem.

As recomendações para as famílias são: monitorar o uso da internet, frequentar as redes sociais dos filhos, observar comportamentos estranhos e, sobretudo, conversar e conscientizar os adolescentes a respeito das consequências de práticas que nada têm de brincadeira. Atenção redobrada com os jovens que apresentem tendência a depressão, pois eles costumam ser especialmente atraídos por jogos como o da Baleia Azul.

Cautela e canja de galinha...

Sobrando tempo e dando jeito, assista a este vídeo: https://youtu.be/XEqjB8XPkWE

Confira minhas atualizações diárias sobre política em www.cenario-politico-tupiniquim.link.blog.br/

Nenhum comentário: